- Publicidade -

Crítica – Westworld (Primeiros quatro episódios da 3ª Temporada)

-

- Publicidade -

A terceira temporada acontece imediatamente após os eventos da segunda, com Dolores (Evan Rachel Wood) a escapar de Westworld com os cores de alguns hosts, incluindo Bernard (Jeffrey Wright). A morar em neo-Los Angeles, em 2058, Dolores desenvolve uma relação com Caleb (Aaron Paul) e aprende como seres artificiais são tratados no mundo real. Entretanto, Maeve (Thandie Newton) encontra-se noutra parte do parque Delos, baseada na Itália Fascista durante a Segunda Guerra Mundial.

Nota: Esta critica é baseada nos primeiros quatro episódios da temporada, que nos foram disponibilizados pela HBO.

A HBO obteve um grande fracasso com a temporada final de Game of Thrones, mas a qualidade das suas séries de TV não pareceu sofrer com isso. Westworld é uma das maiores/melhores séries do estúdio e, na minha opinião, é a que atualmente ocupa o trono que GOT governou durante vários anos. Jonathan Nolan e Lisa Joy criaram uma narrativa extremamente complexa, repleta com twists alucinantes e um desenvolvimento de personagens verdadeiramente notável. A terceira temporada promete ser totalmente diferente, tendo em mente o final da última, logo as expetativas são, sem dúvida, muito altas…

Westworld

Embora seja verdade que Westworld carrega twists de fazer cair o queixo, as temporadas anteriores diferem uma da outra no que toca a este aspeto. Na primeira, os twists servem a história, mas na segunda, parece que a história servia os twists. Isto resultou em alguns episódios “menos bons”, devido à perda de tensão e de um ritmo bem equilibrado, ocasionalmente perdendo o interesse de quem vê. Além disso, a maioria dos twists eram tão antecipados que os últimos episódios tiveram falta daquele soco poderoso para nos deixar inconscientes.

A terceira temporada volta ao básico. O final da última funciona quase como um reboot da série em relação ao seu ambiente, regras e até mesmo às personagens. A maior parte da série decorre no mundo real até ao quarto episódio, mas há algumas sequências em locais familiares. O plano de Dolores parece simples, mas sendo isto Westworld, a última metade da temporada trará provavelmente algumas surpresas, por isso, mantenham os olhos bem abertos.

Não posso aprofundar sobre o que cada personagem está a fazer, mas de acordo com os trailers, escrever que Bernard e Maeve têm um papel essencial nesta temporada não deve ser recebido como um choque. Ambos possuem dois arcos muito intrigantes e estou, sem dúvida, interessado em descobrir como irão ligar-se ao enredo de Dolores. Caleb não tem muito tempo de ecrã nestes episódios. No entanto, recebe um passado bem escrito e a sua história pessoal não só conta ao público tudo sobre ele, mas também demonstra como o mundo real funciona.

O meu maior elogio à primeira metade desta temporada vai para a estrutura de cada episódio. Todos começam e terminam com algo impactante. Sempre que um começa, fico imediatamente cativado pelo que está a acontecer e todos os finais deixam-me com uma curiosidade extrema para assistir ao próximo. Felizmente, tinha o botão “próximo episódio”, mas será definitivamente interessante ver como os fãs irão reagir à semana de espera pelo (ótimo) episódio seguinte. Ao longo de cada capítulo, a história flui naturalmente sem aquelas narrativas confusas, exageradas e cheias de twists da segunda temporada.

Westworld

Até agora, é um plot principal bastante simples, mas os mistérios por decifrar ainda carregam aquela aura de imprevisibilidade, o que faz da terceira temporada a estrutura perfeita para entregar um final fenomenal e chocante. As prestações do elenco continuam a ser espetaculares com todos a darem tudo de si. Para já, os meus destaques são Tessa Thompson (Charlotte Hale) e Evan Rachel Wood. Ed Harris (William) também entrega uma performance excelente, mas as duas mulheres são absolutamente incríveis, especialmente Thompson. Tecnicamente, os episódios avaliados ainda eram um trabalho em desenvolvimento, mas a produção e a qualidade visual da HBO são impressionantes como sempre.

Assim, Westworld regressa com uma estrutura perfeita para explodir a mente de todos os fãs mais uma vez. O mundo real é visualmente impressionante, todas as personagens recebem uma história muito intrigante, mas os primeiros e últimos minutos de cada episódio são inegavelmente fantásticos.

Todos os episódios conquistam a atenção do espetador de forma instantânea e os finais deixam todos ansiosos pelo próximo episódio. Tessa Thompson é o destaque absoluto, mas Evan Rachel Wood continua a provar as suas habilidades magníficas enquanto atriz. Aaron Paul deverá ter mais tempo de ecrã na última metade da temporada, mas até agora, tanto ele como Caleb são muito bons.

Ritmo excelente, tensão gerada brilhantemente em relação ao mistério central e diálogos maravilhosamente escritos. Quatro episódios, nada verdadeiramente negativo a apontar. Só desejo uma segunda metade tão boa ou melhor que a primeira.

(A temporada será classificada após o fim da mesma, assim como alguns comentários adicionais)

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,231FãsGostar
4,045SeguidoresSeguir
502SeguidoresSeguir

Mais Recentes

Análise – Good Job!

Charmoso, adorável e delirante, Good Job! é um jogo de puzzles dinâmicos cheio de surpresas e resoluções onde a força bruta e a cooperação são a chave do sucesso.

Circula no WhatsApp uma mensagem falsa que usa o nome da Netflix

Pois é, os esquemas não param. Ainda hoje demos conta de uma fraude relacionada com o portal...

Análise – Moons of Madness

Moons of Madness é um jogo com boas ideias que precisava de uma narrativa mais estruturada para justificar a sua aposta.

Houseparty nega acusações de fraude: “Todas as contas estão seguras”

É uma das apps do momento, mas está também envolvida numa grande e recente polémica.

Huawei Sound X é a nova coluna com inteligência artificial da marca

Criada em parceria com o marca francesa Devialet, podemos dizer que a nova coluna reúne os pontes fortes destes pesos pesados da tecnologia.
- Publicidade -