NOS Alive 2018 | Friendly Fires tentam aquecer, mas é Khalid quem pega fogo

- Publicidade - trk
- Publicidade -

Já o concerto dos Friendly Fires tinha começado há sensivelmente 25 minutos quando conseguimos chegar ao Palco Sagres após o fabuloso concerto dos Nine Inch Nails. E digamos que o contraste entre o negrume dos americanos de Cleveland mais parecia um balde de água fria.

Confesso que já vibrei bastante com os Friendly Fires em anos anteriores. Não só ao ouvir o disco em casa, mas também quando tive oportunidade de ver a banda ao vivo, mais do que uma vez, e vibrar com “Hawaiian Air”, “Kiss of Life”, “Jump in the Pool” ou, claro, “Skeleton Boy”.

Porém, desta vez, alguns anos após o último encontro, já não senti a mesma felicidade, nem lá perto. Não é que a banda não estivesse a esforçar-se, mas o som já parecia muito datado, muito semelhante entre músicas, e nem as danças desenfreadas do vocalista Ed Macfarlane reacenderam em mim a chama que tinha por estes rapazes. Nem o próprio público parecia estar a aderir muito, pelo que fui espreitar os Snow Patrol.

Depois de um concerto esforçadinho dos britânicos no Palco NOS, embora com pouca aderência dos festivaleiros, com Khalid a coisa foi bem diferente no Palco Sagres. Se a memória não me falha, poucos foram os artistas/bandas recebidos em tamanha apoteose como foi o caso do jovem, como se este se tratasse de uma mega estrela.

Tenda ao barrote, público feminino com as letras na ponta da língua, e um artista que ia dançando e cantando sem falhar. Assim foi o concerto de Khalid, do qual se contam 17 temas segundo a setlist oficial. Apenas fiquei até ao mega sucesso “Saved” – afinal, era importante marcar bom lugar para Arctic Monkeys, que foram uma desilusão total – mas, até então, Khalid tinha o público na mão desde o primeiro segundo que entrou em palco.

Destaco, destes temas, “American Teen” (confesso que não conhecia e ficou logo no ouvido) e, claro, a competência da banda que o acompanhava. Um concerto que encheu as medidas das mulheres que por ali deixaram a tenda a rebentar pelas costuras.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Crítica – The Unbearable Weight of Massive Talent

The Unbearable Weight of Massive Talent é uma homenagem digna a um dos atores mais icónicos da sua geração: Nicolas Cage.

Crítica – The Boy Behind the Door

Se querem um thriller que funciona a um nível básico, que não vai muito longe no terror, algo para passar o tempo, então talvez apreciem The Boy Behind the Door. Se pedem mais que isso, lamento dizer que o filme fica pela premissa.

Festival Afro Nation anuncia novos nomes, entre os quais Chris Brown

A pré-venda dos bilhetes começa dia 27 de janeiro.

Crítica – King Richard

King Richard não é apenas um dos meus filmes favoritos do ano, mas também uma das melhores biopics que já testemunhei.
- Publicidade -
- Publicidade - trk
- Publicidade -

Mais Recentes

Nova Grande Rota em Portugal apresenta percurso circular com 280 quilómetros

Ou seja, é perfeita para os adeptos de caminhadas e BTT.

Análise – Nebula Solar Portable

Um projetor que pode ser adquirido por menos de 500€. Não pensem duas vezes.

Aeroporto do Porto distinguido como Best European Airport 2022

Aposta no desenvolvimento de rotas permitiu atingir em 2022 valores de conectividade próximos de 2019.