NOS Alive 2018 | Friendly Fires tentam aquecer, mas é Khalid quem pega fogo

Já o concerto dos Friendly Fires tinha começado há sensivelmente 25 minutos quando conseguimos chegar ao Palco Sagres após o fabuloso concerto dos Nine Inch Nails. E digamos que o contraste entre o negrume dos americanos de Cleveland mais parecia um balde de água fria.

- Publicidade -

Confesso que já vibrei bastante com os Friendly Fires em anos anteriores. Não só ao ouvir o disco em casa, mas também quando tive oportunidade de ver a banda ao vivo, mais do que uma vez, e vibrar com “Hawaiian Air”, “Kiss of Life”, “Jump in the Pool” ou, claro, “Skeleton Boy”.

Porém, desta vez, alguns anos após o último encontro, já não senti a mesma felicidade, nem lá perto. Não é que a banda não estivesse a esforçar-se, mas o som já parecia muito datado, muito semelhante entre músicas, e nem as danças desenfreadas do vocalista Ed Macfarlane reacenderam em mim a chama que tinha por estes rapazes. Nem o próprio público parecia estar a aderir muito, pelo que fui espreitar os Snow Patrol.

Depois de um concerto esforçadinho dos britânicos no Palco NOS, embora com pouca aderência dos festivaleiros, com Khalid a coisa foi bem diferente no Palco Sagres. Se a memória não me falha, poucos foram os artistas/bandas recebidos em tamanha apoteose como foi o caso do jovem, como se este se tratasse de uma mega estrela.

Tenda ao barrote, público feminino com as letras na ponta da língua, e um artista que ia dançando e cantando sem falhar. Assim foi o concerto de Khalid, do qual se contam 17 temas segundo a setlist oficial. Apenas fiquei até ao mega sucesso “Saved” – afinal, era importante marcar bom lugar para Arctic Monkeys, que foram uma desilusão total – mas, até então, Khalid tinha o público na mão desde o primeiro segundo que entrou em palco.

Destaco, destes temas, “American Teen” (confesso que não conhecia e ficou logo no ouvido) e, claro, a competência da banda que o acompanhava. Um concerto que encheu as medidas das mulheres que por ali deixaram a tenda a rebentar pelas costuras.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Malignant

Malignant é mais um excelente filme de origem de uma nova franchise criada por um dos cineastas de horror mais bem sucedidos do século, James Wan.

Crítica – The Night House (MOTELX)

Não é um filme que pareça trazer algo de novo, mas esconde boas surpresas sob a superfície, com um enredo que é tanto clássico como original.

Crítica – Mad God (MOTELX)

Se aceitarem que um filme pode ser como um sonho, demente, descontrolado e desnecessário de ser explicado, então irão apreciar Mad God.

Crítica – Sweetie, You Won’t Believe It (MOTELX)

Sweetie, You Won't Believe It não é um filme que se propõe a oferecer nada de novo ao género, mas é uma lufada de ar fresco no panorama internacional de comédias de terror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análises de videojogos: Adeus Notas

Porque opiniões são mais do que notas e números.

KEO adia a data do Early Access para o final do ano

O jogo da Redcatpig precisa de afinações de última hora.

Uber investe milhões de euros em Lisboa e quer contratar mais 200 colaboradores até ao final de 2021

A Uber chegou a Portugal em 2014 e, desde então, tem crescido sem parar.