Crítica – The Social Network

O que surge da parceria de dois cineastas perfecionistas e meticulosos? Uma obra magnífica do cinema!

The Social Network
- Publicidade -

Sinopse: “Em 2003, um estudante de Harvard e génio de computadores, Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg), começa a trabalhar num novo conceito que eventualmente se transforma na rede social globalmente conhecida como Facebook. Seis anos depois, é um dos bilionários mais jovens de sempre, mas Zuckerberg descobre que o seu sucesso sem precedentes leva a complicações pessoais e legais quando acaba por receber dois processos, um envolvendo o seu melhor amigo (Andrew Garfield).”

Cá estamos com a quarta crítica de um filme de David Fincher esta semana, em preparação para Mank, realizado pela mesma pessoa que entregou filmes fenomenais como Se7en, Fight Club, Zodiac e outros. Agora, é hora de The Social Network, cuja premissa pode ser resumida em “história sobre a criação do Facebook”.

Passaram-se 10 anos desde o seu lançamento e o verdadeiro Mark Zuckerberg já defendeu que a maior parte do filme é baseado em eventos e conversas fictícias. A verdade é que este filme nunca foi publicitado como uma história verdadeira, mas sim como uma adaptação do livro de Ben Mezrich de 2009, The Accidental Billionaires. The Social Network é um filme como qualquer outro, não um relato detalhado do que aconteceu na vida real.

Dito isto, este é facilmente um dos melhores argumentos adaptados de sempre. Aaron Sorkin, o homem por trás de um dos melhores filmes de 2020 (The Trial of the Chicago 7), demonstra os seus atributos de escrita talentosos em The Social Network, provando que é um dos argumentistas mais meticulosos a trabalhar hoje em dia. Se têm acompanhado os meus artigos anteriores, há um par de elogios que continuo repetidamente a reconhecer em Fincher: a sua atenção extrema aos detalhes e a sua dedicação impressionante à narrativa que quer contar.

Então, o que acontece quando se juntam dois dos cineastas mais perfecionistas da história do cinema? Surge das suas mentes brilhantes um candidato a “melhor do ano”, digno de inúmeros prémios.

The Social Network

Não existe muito sobre o que discutir para além da narrativa em si, visto que esta é, de longe, o aspeto que marca The Social Network. Jeff Cronenweth, que trabalhou previamente em Fight Club, traz uma das marcas registadas de Fincher, o visual e sensação realistas através da sua simples, mas poderosa, cinematografia. A banda sonora original de Trent Reznor e Atticus Ross encontra-se repleta com pequenos efeitos que se assemelham a sons de computador, tornando-a bastante viciante ao mesmo tempo que aumenta a energia do filme nas sequências mais entusiasmantes.

Finalmente, tal como em Zodiac, o trabalho de edição (Angus Wall, Kirk Baxter) é absolutamente perfeito e é, definitivamente, o componente técnico que melhor ajuda o argumento de Sorkin a brilhar devido à sua estrutura.

Durante todo o tempo de execução, a história é contada através de linha temporal não linear, misturando a criação do Facebook em si (ideias, planeamento, programação) com os problemas legais futuros que Mark Zuckerberg enfrenta. Esta estrutura permite um par de horas excecionalmente cativante e tremendamente entretido, nunca deixando o ritmo baixar ou ter uma sequência sem algum tipo de evento. O protagonista é acusado de roubar o conceito dos gémeos Winklevoss (ambos interpretados por Armie Hammer), mete-se em problemas com o seu melhor amigo, Eduardo Saverin (Andrew Garfield), sobre a monetização do site, e Sean Parker (Justin Timberlake) funciona parcialmente como gatilho para grande parte do caos que acaba por sobrecarregar a vida de Zuckerberg.

O aspeto mais surpreendente que Sorkin e Fincher conseguiram com The Social Network é o sucesso em fazer o espetador sentir-se investido numa personagem principal que é um “asshole” total, um adjetivo com muito peso no filme. Jesse Eisenberg é notável como uma destas personagens que as pessoas “adoram odiar” (não é por acaso que o verdadeiro Zuckerberg não gostou do filme, visto que o próprio é retratado como um amigo desprezível). Eisenberg tem uma maneira única de falar e maneirismos distintos que são perfeitos para esta personagem. Garfield e Timberlake também são formidáveis, incorporando as suas personagens sem esforço.

Mais uma vez, comparando com Zodiac, The Social Network também é uma narrativa guiada por diálogo, mas esta última ressoou um pouco mais comigo devido à minha área de trabalho.

The Social Network

O único problema que tenho envolve a família Winklevoss. Armie Hammer é excelente como os gémeos, tal como Max Minghella como Divya Narendra, mas este subplot desvia-se ocasionalmente da história principal, perdendo o interesse durante esses momentos curtos. Existe inclusive uma corrida de barco a remo que parece desnecessária, mas admito que é lindamente filmada e acompanhada por uma música fantástica.

Apesar deste pequeno passo em falso, Fincher continua a impressionar-me com os seus métodos enquanto realizador, forçando os atores a provar o seu valor, fazendo-os repetir os seus diálogos rapidamente e implementando takes longos sempre que possível.

Resumindo, The Social Network é mais uma obra magistral do cinema, desta vez entregue não por um, mas por dois cineastas magníficos. David Fincher e Aaron Sorkin empregam o seu perfecionismo mútuo e meticulosidade para criar uma narrativa extraordinariamente envolvente. Possuindo uma estrutura não linear, mas tremendamente eficaz, os dois pilares de qualquer filme – história e personagens – são maravilhosamente construídos, chegando mesmo ao ponto de fazer o espetador sentir-se investido num protagonista desprezível, mas fascinante.

Jesse Eisenberg brilha numa prestação que definiu a sua carreira, mas Andrew Garfield e Justin Timberlake também sobem ao nível necessário de dedicação, lidando com os diálogos rapidíssimos e takes ininterruptos perfeitamente. Tecnicamente, um trabalho de câmara excelente oferece uma atmosfera realista, uma banda sonora viciante aumenta os níveis de entusiasmo e a edição sem quaisquer falhas torna as mudanças em linhas temporais incrivelmente suaves e consistentes.

Apesar de um desvio ocasionalmente desnecessário e irrelevante numa pequena linha narrativa secundária, The Social Network é outra adição brilhante à filmografia de Fincher.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Black Widow

Black Widow homenageia lindamente a icónica Natasha Romanoff, que finalmente recebe o filme a solo que sempre mereceu, digno do seu legado inesquecível. Uma despedida emotiva a uma heroína que inspirou milhões de espectadores.

Crítica – The Tomorrow War

The Tomorrow War é uma das melhores surpresas do ano, com monstros visualmente criativos, sequências de ação repletas de entretenimento e um plano candidato à imagem mais deslumbrante de 2021.

Crítica – F9: The Fast Saga

F9: The Fast Saga leva as suas sequências de ação absurdamente ridículas a níveis inacreditavelmente intoleráveis, tudo enquanto tenta contar uma história demasiado longa, confusa e nada criativa em torno de um dos clichés mais genéricos do cinema.

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Fantasia, plataformas e sci-fi nos Xbox Games With Gold de agosto

Também disponíveis para os subscritores do Xbox Game Pass Ultimate.

Análise – Ayo the Clown (Nintendo Switch)

Um alegre palhaço parte em busca do seu cão numa aventura aborrecida e pensada para os mais jovens.