Crítica – The Gentlemen

Esta é a história do expatriado americano Mickey Pearson (Matthew McConaughey), um homem que construiu um império de marijuana altamente lucrativo em Londres. Quando se torna pública a notícia de que está a tentar lucrar com os negócios para se reformar, desencadeiam-se conspirações, esquemas, suborno e chantagem, com a única tentativa de sabotarem o seu domínio de luxo.

Sempre fui fã do estilo de Guy Ritchie. Embora admita que tem a tendência de usar as suas próprias técnicas em demasia (tal como neste filme), consegue sempre trazer algo único para os seus projetos. Criou um bom remake live-action de Aladdin, deixando o seu toque pessoal; surpreendentemente gostei de King Arthur: Legend Of The Sword, mas o final é dececionante; e The Man from U.N.C.L.E. e as películas de Sherlock Holmes entretêm e são, no mínimo, engraçadas. Logo, sim, estava algo entusiasmado para assistir a The Gentlemen.

Com um elenco repleto de estrelas, existe alguém que não se interesse por um thriller criminal à moda antiga? Em primeiro lugar, tenho de deixar já o seguinte: é uma obra que qualquer pessoa pode desfrutar, sem dúvida alguma, mas para quem sabe como os filmes geralmente funcionam, Ritchie aplica um método de storytelling que vai deixar todos os “nerds de filmmaking” de cabeça perdida. Hugh Grant (Fletcher) é praticamente o narrador de toda a história e, basicamente, interpreta uma “versão” de Guy Ritchie, contando a história do seu próprio “filme”.

Isso significa que Fletcher aborda tecnicismos como o formato de ecrã e a sua resolução, mas também ajuda o público a entender o que está a acontecer, anunciando se a história está perto do seu clímax ou se “the plot thickens”. É uma maneira cativante e engraçada de usar exposição sem esta parecer preguiçosa ou forçada. Grant também faz questão de fazer as perguntas que o público deve fazer. Desta forma, mesmo quem não gosta de pensar quando vai ao cinema (sim, há sempre alguém sem muita vontade), será capaz de seguir o mistério a desenrolar-se.

The Gentlemen

Obviamente, o elenco inacreditável torna este filme muito divertido. Matthew McConaughey é um ator impressionante quando se trata de entregar diálogos longos. Tudo o que diz é sempre bastante envolvente, seja pela maneira como fala, pelas suas expressões ou pela intensidade física que coloca por detrás das suas próprias palavras. Charlie Hunnam (Ray) oferece, muito provavelmente, o seu desempenho mais engraçado até à data. Ray vai ser definitivamente uma das personagens favoritas dos fãs e as suas interações com Fletcher (com quem ele passa a maior parte do tempo) são hilariantes.

Henry Golding (Dry Eye), Michelle Dockery (Rosalind Pearson) e Jeremy Strong (Matthew) têm prestações excelentes, mas Colin Farrell é o melhor deste grupo de personagens como Coach. As suas cenas são algumas das sequências mais engraçadas do ano. Desde o seu sotaque até à ação em que se envolve eventualmente, é uma daquelas personagens que vai deixar todos a querer mais. Quanto à história, é, sem dúvida, um dos argumentos mais complexos que vi desde há algum tempo. Comparando com Knives Out, a estrutura narrativa acaba por ser algo semelhante.

Ambos possuem dezenas de twists que deixam o público a coçar a cabeça por um bom bocado. Ambos mostram diferentes eventos da história, apresentando uma personagem específica num determinado momento de uma maneira distinta (flashback, flashforward, exposição simples). No entanto, The Gentlemen abusa do seu próprio truque, especialmente durante a primeira metade. Algo que traz entretenimento pode rapidamente transformar-se num aspeto muito irritante se a narrativa não for bem equilibrada. Não se pode ter muito de qualquer coisa, certo?

Este é o meu problema geral com o filme. Guy Ritchie traz algo cativante e fresco para escapar à exposição pesada, mas continua a ser muita informação a transmitir e nem sempre funciona bem. Alguns subplots não precisavam de ir tão longe, o que tira tempo a histórias mais emocionalmente investíveis. Apesar disso, no final, Ritchie encaixa todas as linhas narrativas na perfeição, criando uma peça muito bem escrita. Um guião com tantas camadas é extremamente difícil de se juntar tudo de forma a entregar um final coeso, mas Ritchie cumpre soberbamente.

Resumindo, The Gentlemen é outro sucesso de Guy Ritchie e pode até ser o seu melhor filme de sempre. Com um dos argumentos mais complexos dos últimos tempos, o elenco fenomenal eleva este thriller criminal, tornando-o num dos melhores filmes de 2020, até agora. Matthew McConaughey, Charlie Hunnam, Hugh Grant e Colin Farrell destacam-se, mas todos os atores entregam prestações excelentes.

Tem um método de storytelling extremamente engraçado e cativante através da narração de Grant que, irónico ou não, é o que o filme tem de melhor e pior. Quando usado em excesso, torna-se algo incomodativo e demorado, mas, durante a maior parte do tempo de execução, esta alternativa à exposição substancial funciona brilhantemente. Personagens interessantes, mistério intrigante e comédia hilariante fazem desta obra puro entretenimento.

Tecnicamente, uma edição fantástica mantém um ritmo bem controlado, mas é a narrativa repleta de camadas de Ritchie que rouba os holofotes.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,679FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
620SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

O cinema volta a ser adiado, com mais atrasos nas estreias

Os cinemas abrem, mas os filmes continuam na gaveta.

Crítica – Radioactive

Rosamund Pike é uma fantástica Marie Curie, num filme mal estruturado.

Crítica – Palm Springs

Palm Springs não só é uma das melhores rom-coms alguma vez feitas, como é também um dos melhores (se não mesmo o melhor) filmes de 2020 até à data.

Os filmes que a NOS Audiovisuais quer trazer a Portugal este verão

Há filmes muito antecipados, reexibições e películas portuguesas.
- Publicidade -

Mais Recentes