Crítica – Parasite (Parasitas)

Conheçam a família Park: a imagem da riqueza aspiracional. E a família Kim, rica em esperteza de rua, mas não muito mais. Seja por acaso ou destino, estas duas casas são reunidas e os Kims veem uma oportunidade de ouro. Com tudo planeado por Ki-woo (Choi Woo-shik), as crianças Kim instalam-se rapidamente como tutores dos Parks. Rapidamente se forma uma relação simbiótica entre as duas famílias. Os Kims fornecem serviços de luxo “indispensáveis”, enquanto os Parks pagam-lhes por isso. Quando um intruso parasita ameaça o mais recente conforto dos Kims, uma batalha selvagem pelo domínio surge, ameaçando destruir o ecossistema frágil entre os Kims e os Parks.

- Publicidade -

Sim, eu sei. Estou atrasado até dizer chega. Não tenho nada para oferecer sem ser a minha opinião pessoal. Teses e horas de vídeos já foram criadas, interpretando e explicando Parasite (Parasitas) a um nível tão profundo que não consigo realmente escrever nada de novo. No entanto, partilho aqui a minha experiência até porque seria uma falha tremenda por parte de alguém que se considera um crítico de cinema.

Tinha este filme na minha lista desde o verão passado, mas continuei a adiar a sua visualização, subestimando o meu tempo. Por isso, não, não estou apenas a assistir a esta peça porque ganhou a estatueta de Melhor Filme nos Óscares. Sempre planeei vê-la.

Já agora, sim, também adoro o filme como a grande maioria e não, não estou a escrever isto por estar a “seguir a manada”. Bong Joon Ho simplesmente entrega um dos melhores filmes de 2019 e consegue roubar, sem dúvida, um lugar no meu Top 10. Gostei muito do que Bong fez com Okja e sou um grande fã de Snowpiercer.

Parasite (2019)

Portanto, Parasite (Parasitas) não é apenas “mais um” filme sul-coreano. É realizado e co-escrito por alguém que já vem provando a sua valia há algum tempo. Apesar de defender que Sam Mendes merecia ganhar o Óscar de Melhor Realizador pelo seu trabalho em 1917, estou mais do que feliz que um filme estrangeiro tenha finalmente arrecadado o prémio máximo e que filme para o fazer!

Pode ser descrito como uma dramédia negra, mas penso que sátira social é mais adequado. As diferenças entre os ricos e os pobres são lindamente mostradas no ecrã exclusivamente através de visuais. Existe tão pouca exposição, algo que é uma das razões pelas quais Parasite (Parasitas) tem um dos melhores argumentos de 2019. O equilíbrio entre ter de explicar algo ou deixar ambíguo é perfeito. Durante toda a duração, Bong Joon Ho coloca a câmera mesmo em cima da cara dos atores para que o público possa entender o que essa personagem está a sentir pelas suas expressões faciais, que explicarão as suas ações mais tarde.

Há uma sequência que, certamente, terá sido fortemente discutida nos últimos meses. Está a chover e Bong partilha intermitentemente o ecrã para demonstrar como a família rica está a lidar com tal situação, contra o bairro pobre de onde a família Kim vem. A cinematografia é extraordinária, a banda sonora é inesquecível, a edição é suberba… Tudo sobre esta sequência é tecnicamente impecável e carrega uma mensagem emocionalmente poderosa. Algo surpreendente e bonito de se olhar para uns, pode ser um desastre horrível para outros.

É um filme que tem de balançar muitos tons. Em apenas dez minutos, o tom passa de divertido para dramático, para suspense, para assustador, para tragédia absoluta… e tudo parece incrivelmente realista. É um dos meus maiores elogios a Parasite (Parasitas): nunca senti que era ficção. Nunca pensei “isto é demais, isto nunca ocorreria”. Mesmo no terceiro ato, onde a narrativa toma algumas decisões ousadas, tudo faz sentido com o que tinha sido mostrado até então. Desde ações chocantes de personagens até pontos surpreendentes de enredo, o argumento de Bong e Han Jin-won é excelente.

Parasite (2019)

Todo o elenco é fantástico, mas Song Kang-ho é o grande destaque, na minha opinião. O seu papel enquanto pai da família Kim é brilhante. Estou honestamente surpreendido por não ter sido nomeado para Melhor Ator noutras cerimónias. Criei uma conexão com a família de tal forma que o final teve um grande impacto em mim. É difícil negar que a escrita é o que faz de Parasite (Parasitas) o fenómeno pelo qual tantas pessoas se apaixonaram, inclusive a minha pessoa.

Tecnicamente, não tenho quaisquer defeitos a apontar. É um daqueles filmes que acredito firmemente em não ter virtualmente alguma falha. Estou apaixonado pela música, fiquei de boca aberta várias vezes com a cinematografia impressionante e a edição é perfeita. Seja qual for o género que a história decide explorar, é sempre divertida e extremamente cativante. A comédia é muito inteligente e ri-me bastantes vezes. As histórias dramáticas mantiveram os meus olhos sempre focados no que estava a acontecer. Mesmo quando mergulha brevemente no território de horror, tem mais suspense e é mais assustador do que a maioria dos filmes desse género hoje em dia.

Parasite (Parasitas) surpreendeu-me genuinamente. Com tantas pessoas a elevá-lo a um nível ridiculamente alto, as minhas expetativas eram bastante moderadas. No entanto, adoro tanto ou mais como todos os outros. Sei que assistir tão tarde pode fazer algumas pessoas questionarem a minha opinião, mas nunca adoraria um filme só porque “devo” ou porque outras pessoas também o adoram. Merece todos os prémios que recebeu, especialmente os relativos ao argumento.

É uma das melhores histórias originais dos últimos anos e está escrita de forma brilhante, com história visual em vez da exposição em excesso. Uma mensagem emocionalmente ressoante está presente durante todo o tempo de execução e os vários tons são equilibrados na perfeição.

Tecnicamente fantástico: cinematografia, banda sonora, edição… tudo é absolutamente perfeito. Nada é colocado sem propósito. Nem uma única linha de diálogo é desperdiçada. Bong Joon Ho é um cineasta fenomenal, que se preocupa com a arte e tudo o que vem com ela. Colocou verdadeiramente o seu coração e alma neste projeto e seria uma pena se alguém não assistir a este filme magnífico só porque é em língua estrangeira. Por favor, não cometam tal erro…

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Análise – Ratchet and Clank: Rift Apart (PlayStation 5)

A Insomniac Games revitaliza aquela que poderá ser a sua saga mais importante com um jogo seguro, ambicioso e apaixonante.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Está proibida a circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa ao fim de semana

A medida entra em vigor já esta sexta-feira, às 15h.

Já se pode comprar detergentes a granel em todas as lojas Go Natural de Portugal

A venda de detergentes a granel na Go Natural traz maior poupança ao cliente, com a redução de pelo menos 13% no preço.

Telepizza abre lojas em Santo Tirso e Taveiro

São já 143 espaços a nível nacional.