Rock in Rio-Lisboa: EDP Rock Street traz o mundo africano a Lisboa

- Publicidade -

África do Sul, Angola, Cabo Verde, Gana, Guiné-Bissau, Zimbabué, Mali, Guiné-Conacri, Mauritânia, Moçambique e República Democrática do Congo são alguns dos vários países que estarão representados na EDP Rock Street que, nesta edição, usa a música, a arquitetura e os espetáculos de rua para mostrar a riqueza cultural do mais velho continente do mundo.

No evento que decorreu esta tarde no Custom Café, da Nirvana Studios, foi desvendado o espaço de entretenimento composto por uma programação surpreendente e arrojada. A EDP Rock Street – que esta edição é dedicada a África – apresenta-se como um ponto de encontro de povos e culturas, de estilos e géneros, uma rua que retrata a vitalidade criativa do continente africano e que espelha uma cultura global.

No dia 23 de junho, o palco da EDP Rock Street estreia-se com o reportório de Kimi Djabaté que enaltece o amor, a amizade e a alegria, seguindo-se o género musical Gumbé de Tabanka Djaz, terminando o primeiro dia ao som de um dos mais belos timbres de África: Bonga.

No dia 24 de junho, o hiphop abre as hostilidades com samples de ritmos tradicionais de Cabo-Verde de Karlon, seguindo-se o Rock-Rumba e Funk futurista de Baloji e, ainda, Ferro Gaita, banda com sonoridade muito própria, cujo nome surge da combinação de dois instrumentos utilizados na música tradicional de Cabo-Verde.

O segundo fim-de-semana arranca com o ritmo hipnótico que atrai os amantes do Rock e da música Eletrónica de A’Mosi Just a Lable (Jack Nkanga), seguindo-se o músico, performer, poeta, videasta e artista plástico Nástio Mosquito com a sua DZZZZ band. Para encerrar o dia 29 de junho, sobe ao palco Moh! Kouyaté, com uma música que reflete a vivência urbana e cosmopolita.

No último dia do festival (30 de junho), a EDP Rock Street fica a cargo das letras em Changana e em Chope (línguas de Moçambique) de Selma Uamusse, seguindo-se a sonoridade moderna de Batuk e, para fechar com chave de ouro, Paulo Flores, uma das principais referências da música de Angola.

A 8.ª edição do Rock in Rio-Lisboa está de volta à capital nos dias 23, 24, 29 e 30 de junho de 2018, tendo já confirmado os nomes de Muse, Bastille, HAIM e Diogo Piçarra (23 de junho), Bruno Mars, Demi Lovato, Anitta e Agir (24 de junho), The Killers, The Chemical Brothers, James e Xutos & Pontapés (29 de junho), e Katy Perry, Jessie J, Ivete Sangalo e Hailee Steinfeld (30 de junho).

Os bilhetes para o primeiro fim-de-semana estão esgotados, mas ainda é possível adquirir bilhetes diários para qualquer um dos dias. O passe para o segundo fim-de-semana também ainda se encontra disponível.

É ainda possível adquirir bilhetes no Continente com 20% desconto em cartão para todos os dias do festival, exceto o primeiro, que já tem estes bilhetes esgotados naquele estabelecimento.


- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Último dia de Rock in Rio Lisboa está esgotado

Uma edição que vai terminar da melhor forma.

Passaram 137 mil pessoas pelo Rock in Rio Lisboa no primeiro fim de semana

O reencontro está marcado para os próximos dias 25 e 26 de junho no Parque da Bela Vista.

A vitória dos Muse no regresso do Rock in Rio Lisboa

Passaram 74 mil pessoas pelo recinto do Parque da Bela Vista.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

EN4 entre Pegões e Vendas Novas vai ser requalificada

Tudo para melhorar as condições de circulação e segurança neste troço.

Reportagem NOS Alive 2022 (Dia 1) – O regresso ao sítio do costume, mas com menos gente

Apesar da afluência ser inferior ao normal, os concertos não deixaram a desejar.