Crítica – Pieces of a Woman

Com um dos melhores atos de abertura dos últimos anos, a história emocionalmente chocante de Pieces of a Woman é elevada pelas melhores prestações das carreiras de Vanessa Kirby e Shia LaBeouf.

Pieces of a Woman
- Publicidade -

Sinopse:Martha (Vanessa Kirby) e Sean (Shia LaBeouf) são um casal de Boston prestes a ser pais cujas vidas mudam irrevogavelmente quando um parto domiciliar termina numa tragédia inimaginável. Assim começa uma odisseia anual para Martha, que deve navegar a sua dor enquanto trabalha relações descontroladas com Sean e com a sua mãe dominadora (Ellen Burstyn), juntamente com a parteira publicamente vilipendiada (Molly Parker), que tem de enfrentar em tribunal.”

Nunca vi um filme de Kornél Mundruczó, mas Pieces of a Woman começou a receber o burburinho habitual que surge nesta altura do ano. A partir do momento em que a Netflix garantiu os direitos de distribuição, tornou-se uma questão de tempo até ter a oportunidade de assistir a mais um Oscar-bait.

Realmente não pensei sobre o mesmo nem criei qualquer tipo de expetativa, para além de esperar que fosse bom. Vanessa Kirby (Mission: Impossible – Fallout, Hobbs & Shaw) e Shia LaBeouf (Honey Boy) são os protagonistas de uma história que chegará a milhões de pessoas em todo o mundo, especialmente casais que passaram pela mesma situação. Posso já adiantar: é, sem dúvida, um dos melhores filmes que vi nos últimos 12 meses.

Como fica em comparação com outros filmes maravilhosos de 2020? Terei de pensar sobre esse tópico ao organizar o meu Top 10, mas Pieces of a Woman possui o melhor ato de abertura dos últimos tempos. Durante 30 minutos completos (antes do título sequer aparecer no ecrã), uma cena inteira de um parto é apresentada através de takes longos, excruciantes e ininterruptos, que ultimamente fazem toda a sequência parecer um “oner” fenomenal. Tecnicamente, o filme é brilhantemente realizado por Mundruczó, que aproveita a cinematografia soberba de Benjamin Loeb e a banda sonora bonita de Howard Shore para oferecer aos espetadores uma experiência emocionalmente poderosa.

Pieces of a Woman

Por mais fantásticos que os atributos técnicos sejam, o argumento excecionalmente bem escrito e detalhado de Kata Wéber é verdadeiramente elevado pelo elenco incrível, notavelmente pelos protagonistas. Sem sombra de dúvida, Vanessa Kirby entrega a melhor prestação da sua carreira, demonstrando um alcance emocional que não acreditava que tinha. O arco de Martha acaba por ser um pouco previsível e formulaico, tal como outros arcos de personagens e partes da narrativa, mas nunca me senti menos investido na história devido a este pormenor. Aliás, não me recordo do último filme que me levou lágrimas aos olhos antes do fim do primeiro ato, o que serve de prova ao realismo e autenticidade do filme.

Shia LaBeouf também é bem capaz de ter oferecido a sua melhor interpretação de sempre, se bem que adoro algumas das suas exibições passadas. Mais uma vez, o ator mostra-se a 100%, demonstrando o seu inegável talento que faz dele um dos atores mais subvalorizados a trabalhar nos dias de hoje. Um aspeto particular do arco de Sean deixa-me um pouco duvidoso da sua necessidade e/ou importância para a narrativa, mas, tal como a personagem de Kirby, mantive sempre o interesse pelos seus percursos. Molly Parker também é excelente como a parteira envolvida na tragédia, enquanto Ellen Burstyn interpreta a mãe de Martha, Elizabeth, deixando-me profundamente surpreendido com o seu desempenho perfeito. 88 anos… Magnífico.

Apesar dos desenvolvimentos altamente expetáveis e das respetivas conclusões, o final partilha uma revelação emocionante relacionada com um comportamento específico da personagem de Kirby que me atingiu mesmo em cheio no coração.

No entanto, o melhor aspeto de todo o filme tem um efeito secundário negativo. Depois de um primeiro ato tão hipnotizante, poderoso e chocante, o resto do filme nunca atinge o mesmo nível de investimento e imersão que os 30 minutos iniciais possuem. Não se deixem enganar pela escrita: é uma narrativa cativante, cheia de mensagens significativas de perdão, aceitação, justiça e mais uma perspetiva sobre o tema “seguir em frente”.

Será extremamente difícil de assistir para muitas pessoas, mas é exatamente o ambiente realista que me deixou sem palavras e surpreendentemente emocional desde o início. Pode não ser um filme que irei rever inúmeras vezes ou mesmo recomendar a literalmente todos os leitores. Contudo, Pieces of a Woman carrega uma história inegavelmente impactante com a qual muitos espectadores partilharão uma profunda conexão que todos os cineastas se esforçam para alcançar. Em última análise, em relação ao meu Top 10, resume-se ao quanto valorizo a sua imensa qualidade contra o baixo valor de repetição.

Pieces of a Woman

Sendo assim, Pieces of a Woman torna-se um candidato digno de vários prémios, possuindo um dos melhores atos de abertura dos últimos anos. Com uma realização impressionante de Kornél Mundruczó, os primeiros 30 minutos encontram-se repletos com níveis extremos de ansiedade e stress devido à sequência de parto emocionalmente chocante, que é filmada através de takes excruciantemente longos.

Vanessa Kirby e Shia LaBeouf entregam as melhores prestações das respetivas carreiras, lidando com monólogos extensos sem esforço, mas é Kirby que me deixa boquiaberto com um alcance emocional que provoca lágrimas nos olhos mesmo antes de aparecer o título do filme. O argumento excecional de Kata Wéber ganha vida de uma maneira incrivelmente autêntica e imersiva, criando um investimento incrível nas personagens, apesar dos arcos formulaicos e previsíveis.

Ficam também enormes elogios à banda sonora maravilhosa de Howard Shore e ao ótimo trabalho de câmara de Benjamin Loeb, assim como às performances excelentes de Molly Parker e Ellen Burstyn. Recomendo imenso a leitores que gostem de assistir a uma história emocionalmente cativante com um elenco fenomenal, mas deixo o aviso para os mais sensíveis: chega a ser extremamente difícil de assistir em determinadas alturas.

Pieces of a Woman está disponível na Netflix.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

A Netflix vai em breve ser também uma plataforma de jogos

E já tem veteranos da indústria a ajudar neste plano.

1618 é o filme português mais premiado de sempre

1618 ainda não tem data de estreia em Portugal, dada a pandemia em curso.

Netflix vai exibir filmes com mão de mulheres cineastas portuguesas

Tudo graças a uma parceria com a Academia Portuguesa de Cinema.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

DreamsCom regressa com mais um festival virtual de experiências feitas no Dreams

A DreamsCom 21 começa já no próximo dia 27 de julho.

Ouve aqui aos dois primeiros temas de Dune, de Hans Zimmer

Hans Zimmer está de volta com mais uma banda sonora original, para um dos filmes mais antecipados do ano.

Lacuna Coil, Decapitated e Orphaned Land reconfirmados para o Laurus Nobilis 2022

A organização promete muito mais nomes para anunciar, entre os quais algumas surpresas.