Crítica – How It Ends (Sundance 2021)

How It Ends é uma recomendação clássica de filme de fim-de-semana para entreter a família e amigos.

How It Ends
Foto de: Sundance Institute | Daryl Wein
- Publicidade -

Sinopse: “No dia em que se antecipa que um asteróide vai destruir a Terra, Liza (Zoe Lister-Jones) é convidada para uma última grande festa antes que tudo desapareça. Chegar não será fácil após o seu carro ser roubado e o relógio não abrandar para o seu plano de resolver pontas soltas com amigos e familiares. Com uma pequena ajuda da sua versão mais jovem e engraçada (Cailee Spaeny), Liza embarca numa aventura a pé através de Los Angeles enquanto procura fazer as pazes com os seus arrependimentos – e encontrar a companhia certa para estas últimas horas.”

Depois de um dia com um CODA emocionalmente avassalador, um Human Factors dececionante e um Cryptozoo divisivo, estava incrivelmente animado para terminar o meu primeiro dia no Sundance 2021 com uma leve, direta e engraçada visão sobre uma premissa tola, mas intrigante. E tive exatamente aquilo de que estava à espera.

How It Ends dá-nos uma série de interações divertidas e momentos interessantes de procura de almas com as duas versões do personagem principal. Apesar da sua repetição e estrutura formulaica, nunca fiquei desinvestido na história, não só pela curta duração do filme, mas, principalmente, devido às duas performances centrais e fenomenais.

Zoe Lister-Jones e Cailee Spaeny são uma dupla brilhante, formando uma aura de puro prazer e colocando um sorriso no rosto de todos os espectadores. A sua química palpável eleva todo o filme, mas não se trata apenas de serem divertidas ou conseguirem fazer-nos soltar gargalhadas. Lister-Jones e Daryl Wein mergulham profundamente na essência de Liza através de conversas sinceras e debates pesados sobre tantas coisas que todos se arrependem de fazer durante a vida, mas que nunca pensam em fazer as pazes. Desde perdoar erros da família e amigos, até aceitar os nossos próprios erros e falhas, abordar questões pessoais por resolver no último dia na Terra não deveria ser motivo de preocupação, isto caso tudo tivesse sido resolvido antes deste último dia.

Filmado durante a pandemia, assistir a um filme inteiro gravado em exteriores é uma lufada de ar fresco. Algumas pessoas podem não gostar das dezenas de participações de celebridades que contribuem para a história, mas defendo que essas cenas servem para um determinado propósito, desenvolvendo a protagonista um pouco mais em cada uma dessas cenas.

Como escrevi acima, a natureza cíclica do filme acaba por arrastar-se, especialmente durante as intermináveis caminhadas, o que se torna um pouco chato. Uma curta nota para a banda-sonora de Ryan Miller, um dos aspetos mais divertidos desta aventura.

How It Ends é um estudo de personagem inofensivo, leve e com imenso valor de entretenimento que, no fim, cumpre o seu objetivo de ser uma introspeção divertida da vida da protagonista.

Recorrendo a um plot genérico, Daryl Wein e Zoe Lister-Jones criam uma narrativa simples, mas repetitiva, com dezenas de cameos famosos numa sequência non-stop de caminhar no meio de uma rua vazia até que uma nova personagem aparece para oferecer mais um momento engraçado. No entanto, contém mais coração e alma do que o que se encontra à superfície.

Lister-Jones e Cailee Spaeny carregam e elevam o filme inteiro nos seus ombros, entregando duas prestações impressionantes que me permitiram ter os olhos bem fixados no ecrã. Apesar da tendência óbvia de ser “apenas” um filme brincalhão e inocente, a personagem principal é alguém com quem os espectadores podem relacionar-se, algo que, definitivamente, torna o filme muito mais cativante.

Fazer algo que as pessoas se arrependem mais tarde é uma inevitabilidade da vida, mas fazer as pazes com essas situações não deve ser deixado para uma sorte extrema ou para o último segundo em que tudo o que conhecemos está prestes a desaparecer… e esta é uma mensagem a qual apoio totalmente.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Sundance 2021 – Resumo

Foi a primeira vez que o Echo Boomer cobriu um festival internacional.

Crítica – Judas and the Black Messiah (Sundance 2021)

Judas and the Black Messiah dificilmente ficará de fora da discussão para os melhores filmes de 2021... e ainda vamos em fevereiro.

Sundance 2021 – Terceiro dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o terceiro dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.

Crítica – Mass (Sundance 2021)

Mass é um das das peças mais emocionalmente exigentes que alguma vez testemunhei. Impossível ficar indiferente perante uma história tão devastadora.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Makro Portugal tem 15 cabazes de Natal disponíveis a pensar nesta época

Há para todos os gostos... e para todos as carteiras.

ART & Delivery é a primeira exposição de arte em Portugal inspirada em food delivery

Podem visitar até domingo, dia 29 de novembro, no Palacete Gomes Freire, em Lisboa.

Parque Nascente tem um pista de gelo com mais de 250 m2 para toda a família

Para entrar no espírito natalício, o Parque Nascente convida toda a gente a calçar os patins de gelo e treinar as piruetas, acrobacias ou simples voltinhas em família, na incrível Pista de Gelo.