Crítica – CODA (Sundance 2021)

CODA possui uma narrativa emocionalmente poderosa, elevada por um elenco, realização e argumento fenomenais. Emilia Jones pode ter aqui o seu breakthrough enquanto atriz.

CODA - Sundance Film Festival 2021
- Publicidade -

Sinopse: “CODA segue Ruby (Emilia Jones), de 17 anos, a única criança ouvinte de uma família surda, enquanto se vê dividida entre perseguir o seu amor pela música e a confiança da sua família nela como sua intérprete e conexão com o mundo sonoro.”

Eu sei que o Sundance é um daqueles festivais que apresentam dezenas de filmes impressionantes e impactantes de argumentistas e realizadores que apostam tudo na arte do cinema e da narrativa. Antecipei ser surpreendido por muitos filmes sobre os quais nada sei ou sem sequer reconhecer a equipa e elenco envolvidos. E também espero que alguns filmes causem um impacto emocional tal que fará com que me lembre deles perto do final do ano. Dito isto, estava incrivelmente longe de imaginar que a primeira exibição seria um grande concorrente para o meu filme favorito absoluto de todo o festival.

CODA (Child Of Deaf Adults) é o primeiro filme que assisto de Siân Heder e, depois desta sessão, mal posso esperar para ver o que fez até agora e o que irá fazer no futuro. A premissa é desenvolvida através de uma narrativa muito mais emocional do que eu esperava. Da narrativa rica ao uso excecional da linguagem de sinais, Heder é capaz de capturar algo único e profundamente importante para transmitir ao público e à sociedade atual. O mundo teve a sorte de obter Sound of Metal no ano passado e, com CODA, é reforçada a mensagem essencial de que ser surdo não deve ser visto como uma deficiência que iniba de fazer alguma coisa.

Como o filme comunica habilmente através de seu guião impecável, ter algum tipo de “limitação” não caracteriza automaticamente alguém como estranho, diferente ou que os respetivos membros da família não se amam tanto ou mais do que as chamadas famílias “normais”. Exceto por uma relação amorosa um tanto insignificante da personagem principal (que poderia ter trazido à tona um tema totalmente diferente, desnecessário e que podia desviar os temas centrais e vitais do filme), eu estava incrivelmente investido em cada história.

CODA - Sundance Film Festival 2021

Na verdade, acho cada interação dentro da família surda muito mais atraente e cativante do que qualquer outro diálogo no filme. Isso deve-se principalmente aos desempenhos incríveis do elenco. Deixando o protagonista até o fim, Daniel Durant (Leo Rossi, irmão) e Marlee Matlin (Jackie Rossi, mãe) são ótimos como personagens coadjuvantes, mas Troy Kotsur (Frank Rossi, pai) e Eugenio Derbez (Bernardo Villalobos, professor de música) deixaram-me em lágrimas graças às suas performances sinceras. Consegui sentir o compromisso excecional com os seus papéis, e estou encantado que Bernardo Villalobos não seja apenas mais um adulto estereotipado, clichê e histérico.

No entanto, os meus maiores elogios vão para alguém que mantém tudo junto, elevando todo o filme a um outro nível: Emilia Jones como a única membro ouvinte da família, Ruby Rossi. Em primeiro lugar, eu amo música, e os Pentatonix são, na verdade, o meu grupo favorito (acapella ou não), logo o facto de ouvir tantas vozes maravilhosas a cantarem juntas seria uma grande vantagem para a CODA no que à minha crítica diz respeito.

No entanto, não só a voz de Jones é comovente, como a sua atuação tem tudo o que um ator precisa para receber indicações de como desempenhar o seu papel. Não me lembro da última vez que fiquei investido num único personagem de uma maneira tão poderosa a nível emocional, pelo que Jones é, definitivamente, uma das principais razões.

Um elogio final ao trabalho visual de Paula Huidobro e a Demius de Vries, que compôs a subtil e eficiente banda-sonora do filme e que eu acho que teve importância nas escolhas da música. De qualquer forma, ótimo trabalho.

CODA - Sundance Film Festival 2021

CODA pode muito bem terminar como o meu filme favorito da edição de 2021 do Festival Sundance e irá, sem dúvida, tornar-se num filme imperdível quando estiver disponível. Siân Heder oferece a sua realização impecável e argumento lindamente escrito, repleto com momentos emocionalmente poderosos que me deixaram de lágrimas nos olhos durante os últimos quarenta e cinco minutos.

Possuindo uma mensagem educativa e importante sobre a comunidade surda e o que a sociedade interpreta como uma deficiência/limitação tremenda, a narrativa visual caraterística e as interações cativantes dentro da família surda provam ser incrivelmente merecedoras do investimento dos espetadores, elevando profundamente o filme em geral.

Com a ajuda de prestações sinceras e genuínas do elenco secundário (principalmente de Troy Kotsur e Eugenio Derbez), Emilia Jones descola e entrega uma das minhas performances femininas favoritas dos últimos tempos. Um filme lacrimoso e pensativo que espero que conquiste audiências por todo o mundo.

- Publicidade -

1 Comentário

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,931FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Crítica – One Night In Miami

One Night in Miami conta com um dos melhores elencos de 2020. Uma obra magnífica de filmmaking e storytelling.

Crítica – Nomadland

Nomadland irá desiludir quem antecipar uma história mais ativa, mas será uma história contemplativa, esclarecedora e emocional para quem se deixar levar pelos nómadas reais.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo projeto da Samsung ajuda na luta contra a caça ilegal na savana africana

E com isso, podemos ser um guarda florestal virtual e cuidar de animais em vias de extinção.