Crítica – Human Factors (Sundance 2021)

Human Factors apresenta uma premissa interessante, mas poderá ser demasiado ambíguo e filosófico para agarrar os espectadores…

Human Factors
- Publicidade -

Sinopse: “Para escapar das tensão crescente na agência de publicidade que co-possuem, o casal franco-alemão Nina (Sabine Timoteo) e Jan (Mark Waschke) levam os seus filhos, Max (Wanja Valentin Kube) e Emma (Jule Hermann), para a sua casa de férias à beira-mar. O casal assinou com um novo cliente politicamente acusado, forçando-os a confrontar as suas prioridades conflituosas. Mas o que é para ser um retiro idílico fora da época de férias torna-se sinistro quando ladrões entram em casa, invisíveis ao olhos de todos, exceto Nina.”

Uma das minhas intenções com esta edição do Festival Sundance era dar a maior atenção possível a filmes em língua estrangeira, mas sem me sentir forçado a assistir a um filme que não me diga nada. Human Factors tem uma premissa intrigante que captou imediatamente a minha atenção e, por acaso, foi o primeiro filme internacional que adicionei à minha lista de longas-metragens a seguir, logo estava definitivamente animado. Infelizmente, Human Factors não consegue construir o seu conceito de forma convincente durante todo o tempo de execução, mesmo que seja tecnicamente impressionante.

A cinematografia de Klemens Hufnagl é, sem dúvida, o destaque de todo o filme. Ronny Trocker serve-se de takes longos e usa as performances físicas do elenco para passar as mensagens e dicas necessárias para a compreensão dos temas subjacentes que cercam o mistério abrangente. Portanto, diferentes espectadores poderão interpretar esses tópicos de maneiras distintas, e a estrutura do guião permite que a perspetiva de cada personagem sobre a invasão aborde questões como isolamento, paranoia, medos pessoais e muito mais. Infelizmente, estes vão-se tornando menos interessantes e filosóficos demais devido às histórias individuais que se tornam, aparentemente, separadas da trama principal.

Human Factors

O trabalho fantástico e suave da câmara deixou-me à espera de algo que afetaria profundamente o filme de forma positiva, mas o terceiro ato acabou por não compensar o ritmo lento, conversas chatas e falta de energia. O final garante mais tempo para pensar sobre o que aconteceu, mas o sentimento desanimador irá, provavelmente, permanecer. Também achei muito difícil relacionar-me com um único personagem e, se não fosse pelos desempenhos dos atores, este filme teria sido uma grande desilusão.

Human Factors carrega uma premissa interessante e uma estrutura de storytelling que permite que temas subjacentes importantes sejam explorados através de linhas narrativas isoladas. No entanto, apesar da cinematografia notável de Klemens Hufnagl e do compromisso de Ronny Trocker com o seu argumento, a atmosfera filosófica e ambígua presente durante todo o tempo de execução só prejudica o ritmo já pesado e as interações desprovidas de energia, transformando o arco de cada personagem em algo difícil de se investir emocionalmente.

O ato final é o mais próximo que os espectadores recebem de desenvolvimento intrigante, mas os vários twists narrativos não afetam a história geral de uma maneira cativante ou surpreendente. Boas prestações de Sabine Timoteo e Mark Waschke salvam o filme de uma deceção mais significativa.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,931FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Sundance 2021 – Resumo

Foi a primeira vez que o Echo Boomer cobriu um festival internacional.

Crítica – Judas and the Black Messiah (Sundance 2021)

Judas and the Black Messiah dificilmente ficará de fora da discussão para os melhores filmes de 2021... e ainda vamos em fevereiro.

Sundance 2021 – Terceiro dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o terceiro dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.

Crítica – Mass (Sundance 2021)

Mass é um das das peças mais emocionalmente exigentes que alguma vez testemunhei. Impossível ficar indiferente perante uma história tão devastadora.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Chaos Walking

Chaos Walking irá terminar como um dos filmes mais dececionantes e frustrantes do ano. Mais um para a lista de "filmes com conceitos inovadores e interessantes que não conseguem alcançar metade do seu potencial".

Rock in Rio Lisboa também não se realiza este ano

Por outras palavras, foi adiado para 2022.

EatTasty acaba de ficar disponível no Porto

Disponível tanto ao almoço como ao jantar.