- Publicidade -

Análise – Travis Strikes Again: No More Heroes Complete Edition

-

Meses depois do seu lançamento na Nintendo Switch, Travis Strikes Again: No More Heroes chega finalmente ao PC e PS4 naquela que é a sua versão completa. Agora com dois DLCs incluídos, o jogo de ação arcada tenta reconquistar, uma vez mais, os fãs do género e os seguidores devotos de Suda51 e da sua Grasshopper Manufacture. Infelizmente, o estúdio esqueceu-se novamente de trazer consigo uma campanha mais variada e divertida do que aquela que volta a oferecer.

Não é a primeira vez que nos cruzamos com Travis Strikes Again. Em fevereiro, tivemos a oportunidade de analisar a versão Switch, quando ainda era exclusiva da consola da Nintendo, e ver em primeira mão esta análise/paródia da indústria dos videojogos através do humor e irreverência de Goichi Suda.

Apesar de não ser o regresso há tanto esperado pelos fãs, que só acontecerá em 2020 com No More Heroes III, Travis leva-nos não só numa viagem pela história dos videojogos, mas também pela própria psique da comunidade e da indústria que o criou, com os seus sete níveis a refletirem estilos e inspirações de diferentes eras dos videojogos. Desde aventuras gráficas até a jogos arcada, Travos Strikes Again tem um pouco de tudo, naquele que é o seu grande ponto de venda.

Como seria de esperar, a campanha mune-se de um surrealismo incontornável e de um estilo visual colorido, berrante e cheio de personalidade. Basta olhar para Travis Strikes Again para percebermos que se trata de um jogo de Suda51, com as suas mudanças de estilos e referências/homenagens à indústria que influenciam cada um dos níveis do jogo. A narrativa, a sua reflexão sobre a história e futuro dos videojogos, a sua sensibilidade estilística e os diálogos que quebram a ilusão do jogo são os grandes destaques de um jogo que não sabe, por vezes, ser um jogo, oferecendo aos jogadores uma campanha repetitiva e demasiado longa para o que procura construir.

No seu cerne, Travis Strikes Again é um jogo de ação cooperativo com um enorme foco no combate. Com dois tipos de ataques, várias habilidades e uma evolução por níveis, o jogo tenta dar-nos vários motivos para regressarmos e explorarmos tudo o que tem para oferecer, mas esquece-se de injetar a criatividade da sua história na jogabilidade.

Travis Strikes Again peca ao ser um dos jogos de ação, top-down, mais simples que podem encontrar no mercado, dividindo os seus níveis por pequenas arenas repletas de inimigos que culminam no confronto contra os bosses. E o jogo resume-se a isto: níveis lineares, com alguns colecionáveis, cheios de inimigos fáceis de derrotar e com padrões simples que se repetem ao longo de uma campanha que se torna num borrão na memória de tão semelhante que é.

Por mais estilos e homenagens que possa colocar no nosso caminho, Travis Strikes Again nunca deixa de ser o mesmo jogo de ação repetitivo que encontramos no primeiro nível. É certo que existem pequenas mecânicas que são introduzidas ao longo da campanha, e que são únicas para cada nível, mas a base continua a ser a mesma. Iremos lutar contra os mesmos inimigos do princípio ao fim, algo que não consigo compreender e defender por mais que compreenda o design caraterístico de Suda51.

A transição para o PC e PS4 podia ter trazido novos níveis e uma maior sensação de escala, mas o jogo continua a refletir a sua natureza handheld, algo que é incontornável.

A edição completa é acompanhada por dois DLCs, Black Dandelion e Bubblegum Fatale, quatro personagens jogáveis, sete níveis e muita ação cooperativa, mas fica o aviso: venham pela história e não fiquem pela jogabilidade.

Travis Strikes Again não é um mau jogo, mas sim um título que não se destaca e que não nos dá motivos para regressarmos e continuarmos a explorar os seus segredos e a colecionar as suas t-shirts honestamente estilosas – que são protagonizadas por alguns dos títulos independentes mais conceituados dos últimos anos, como Hotline Miami e Hyperlight Drifter.

É um jogo só para fãs e para aqueles que não conseguem esperar pela chegada de No More Heroes III.

Travis Strikes Again: No More Heroes Complete Edition

Plataforma: PC e PlayStation 4
Este jogo (versão PS4) foi cedido para análise por Decibel-PR

A repetição e falta de inventividade na jogabilidade acabam por prejudicar uma história repleta de homenagens e com uma análise mordaz ao estado atual da indústria dos videojogos.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,029FãsGostar
4,038SeguidoresSeguir
499SeguidoresSeguir

Mais Recentes

The High Republic marca a nova era de Star Wars

The High Republic será, para já, contada em forma de livros, bandas desenhadas e livros infantis, num total de 5 publicações.

Cyberpunk 2077 para a Xbox One terá conversão gratuita para a Xbox Series X

Cyberpunk 2077 chega ao PC e consolas a 17 de setembro. A Xbox Series X não tem data de lançamento.

Reply 1988, uma série sobre todos nós

Reply 1988 é uma produção sul-coreana que se passa no ano de 1988. Acaba por não ser bem uma série, mas sim uma recordação de quem fomos.

Heathen regressam a Portugal oito anos após o último concerto

Formados em 1984, falta pouco para completarem 40 anos de carreira, pelo que já são considerados um grupo histórico. Falamos dos Heathen, banda de thrash metal que vai regressar a Portugal oito anos após a sua última aparição em solo luso.
- Publicidade -