fbpx

“Tenet” é o nome do próximo filme de Christopher Nolan

Começam a surgir os primeiros detalhes do próximo filme do realizador britânico Christopher Nolan. Por agora, talvez o mais importante seja mesmo conhecer o nome do projeto.

Chama-se Tenet e tem novos nomes fortes a juntarem-se ao elenco.

Antes de ser conhecido o nome, Tenet era designado como um thriller de espionagem, com Robert Pattison, um dos atores confirmados a comentar que o guião do filme é “irreal”. A Pattison junta-se também Elizabeth Debicki, John David Washington e, como não podia deixar de ser, Michael Caine, ator que tem marcado uma presença regular em quase todos os filmes de Nolan.

A revelação do nome chega-nos por parte da Variety, que acompanha a informação com novas adições ao elenco, com Aaron Taylor-JohnsonClémence PoésyDimple Kapadia e Kenneth Branagh, que trabalhou com Christopher Nolan no seu último filme, Dunkirk.



Interessante também é a mudança de compositor da banda sonora, que, desta vez, não será de Hans Zimmer. A honra caberá a Ludwig Göransson, o músico vencedor de um Óscar da Academia pelo seu trabalho em Black Panther e conhecido pelas bandas sonoras de Creed, Creed II, a série Atlanta e pela produção dos álbuns de Childish Gambino.

Como Nolan nos tem habituado, este será mais um filme para ver no grande ecrã, já que o realizador vai voltar a gravar o máximo que pode no formato IMAX, para exibições até 70mm.

Portanto, teremos mais um filme épico de Christopher Nolan

Quanto a outros detalhes, incluindo o significado do nome, ainda está tudo vago. O termo “Tenet significa um princípio que suporta a fé e o crer numa religião ou filosofia, ou, quem sabe, pode ser até o nome de uma personagem. Seja como for, a promessa é de que vamos ter um filme épico de ação e espionagem à escala global, algo que soa tanto a filmes de James Bond como a jogos de Metal Gear.

Tenet tem estreia prevista para julho de 2020.

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,788FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
631SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Crítica – Enola Holmes

Enola Holmes oferece uma agradável e refrescante visão de uma franchise que pode ter ganho um novo futuro.

Crítica – The Devil All The Time

The Devil All The Time pode não ser indicado para aqueles que têm uma visão muito pessoal sobre a religião. Já para outros será um filme que tardará a desaparecer da memória.

Candyman adiado para 2021

E não é preciso adivinhar porquê.

Vem aí um filme sobre a vida de Madonna

E o guião está a ser desenvolvido pela própria.
- Publicidade -

Mais Recentes