Crítica – “Black Panther” – Provavelmente o filme mais forte da Marvel

O ano de 2018 promete imenso no que toca a filmes de super-heróis. É já em maio que vamos poder ver finalmente o culminar de muitos anos de filmes do Marvel Cinematic Universe com Avengers: Infinity War. Mas antes desta guerra, a Marvel Studios presenteou-nos este mês de fevereiro com o filme dedicado a Black Panther, introduzido primeiramente ao público no filme Captain America: Civil War.

- Publicidade -

Posso desde já revelar que este é um filme que pode ser assistido sem problemas por fãs e não fãs, mesmo que não tenham visto todos os filmes Marvel até à data. Claro, há sempre um ou outro personagem que vai surgir e que podem não reconhecer, mas, em termos gerais, o filme acaba por ser bastante isolado do resto do mundo Marvel. Essencialmente, serve para dar a conhecer o Pantera Negra.

O filme conta-nos a história de T’Challa (Chadwick Boseman), herdeiro ao trono de Wakanda, que, após a morte do seu pai, torna-se rei daquela nação tecnologicamente avançada e isolada do resto do planeta. Ser rei não é somente um título e T’Challa rapidamente apercebe-se de que existem novos desafios para serem superados e problemas a ser resolvidos.

Caso tenham reparado, referi-me a Wakanda como nação tecnologicamente avançada. É que “existem” duas Wakandas – esta que só os habitantes conhecem e a outra que o resto do mundo crê ser somente mais uma gigante zona pobre em África.

Wakanda é alimentada pelo vibranium, o metal mais poderoso que existe  e que possui uma fonte de energia inesgotável, além de incríveis capacidades de cura. O vibranium está, inclusive, presente no fato do Black Panther, que aqui surge com algumas modificações em relação ao que vimos anteriormente em Civil War. É precisamente este mineral que dá o mote aos desenvolvimentos do filme.

Além dos acontecimentos da narrativa, o filme ganha pontos ao ser uma verdadeira celebração da cultura negra. Quase que podemos dizer que é uma homenagem; por exemplo, a existência de caucasianos nesta longa-metragem é quase nula. Falando no povo em questão, o dos negros, também é de louvar a sua forte representação cultural e estética.

Portanto, temos um super-herói negro, que vem de um país africano e que nasceu e cresceu rodeado da comunidade negra. Ao longo do filme, há diversas cenas que pretendem passar uma mensagem, quase como se quisessem transmitir aquele maior cliché de “a união faz a força”. É facilmente o filme mais político da Marvel. Percebe-se o porquê de muitos acharem o melhor filme do estúdio até à data.

Black Panther também conta com um bom leque de atores, muito ao estilo do que a Marvel já nos habituou. Além da atuação bastante competente de Boseman como protagonista, há que destacar os maus da fita, Andy Serkis no papel do traficante Ulysses Klaue, e Michael B. Jordan no papel do mercenário Erik Killmonger. Jordan, por razões que não vamos revelar, acaba por ser o vilão principal do filme, e, entre cenas onde consegue todo o protagonismo, acaba por não ficar para a história do cinema como um dos melhores vilões de sempre. Longe disso.

Há ainda participações de Luputa Nyong’o, Danai Gurira – os fãs de The Walking Dead vão estranhar quando a virem no ecrã -, Letitia Wright, Daniel Kaluuya, Forest Whitaker, Martin Freeman, entre outros. Todos eles com uma boa prestação.

Black Panther não é um filme sombrio, pelo contrário. É, acima de tudo, uma ode a um outro estilo de vida. Há muito humor, boa energia e um claro destaque dado às mulheres, que aqui têm toda uma ousadia permitida pelo realizador.

Mas não é um filme isento de problemas. Acaba até por ser bastante previsível. Além do vilão ser mais do mesmo, algumas personagens têm súbitas mudanças de personalidade, o que acaba por ser um pouco inexplicável. Já as cenas de ação, apesar de excelentemente bem-executadas, e de belíssimas perante os nossos olhos, não acrescentam nada de novo, sentindo-se, até, que algumas eram escusadas.

A acompanhar o filme está ainda a incrível banda-sonora produzida por Kendrick Lamar e que conta com colaborações de artistas como The Weeknd, SZA, Khalid e Vince Staples, entre outros. São vários artistas que, unidos, debitam “beats” sobre temas como o racismo e a corrupção.

Não é muito difícil de se perceber o porquê de muitos acharem Black Panther como o melhor filme da Marvel. É belo na sua essência e socialmente importante com a sua representação. Contudo, enquanto filme, não passa de mais um blockbuster de super-heróis.


- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Mini-Críticas Cinema – Edição 2021

Normalmente preparo este tipo de artigo perto do final de cada ano com mini-críticas que fui guardando de alguns filmes para os quais não tive tempo de escrever uma opinião mais extensa.

1618 é o filme português mais premiado de sempre

1618 ainda não tem data de estreia em Portugal, dada a pandemia em curso.

Crítica – Black Widow

Black Widow homenageia lindamente a icónica Natasha Romanoff, que finalmente recebe o filme a solo que sempre mereceu, digno do seu legado inesquecível. Uma despedida emotiva a uma heroína que inspirou milhões de espectadores.

Crítica – The Tomorrow War

The Tomorrow War é uma das melhores surpresas do ano, com monstros visualmente criativos, sequências de ação repletas de entretenimento e um plano candidato à imagem mais deslumbrante de 2021.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

DreamsCom regressa com mais um festival virtual de experiências feitas no Dreams

A DreamsCom 21 começa já no próximo dia 27 de julho.

Ouve aqui aos dois primeiros temas de Dune, de Hans Zimmer

Hans Zimmer está de volta com mais uma banda sonora original, para um dos filmes mais antecipados do ano.

Lacuna Coil, Decapitated e Orphaned Land reconfirmados para o Laurus Nobilis 2022

A organização promete muito mais nomes para anunciar, entre os quais algumas surpresas.