Os novos relógios da Swatch são para gente arrojada

A coleção é nova, bem como os modelos que a compõem. A coleção BIG BOLD da Swatch contempla seis modelos de relógios diferentes, inspirados no streetwear urbano.

Diz a marca que a nova linha “é para quem não tem medo de estar na vanguarda e tem orgulho em ser diferente. É uma atitude, um estado de espírito, uma mentalidade e uma forma de ser e estar no mundo”. Ou seja, são relógios ideiais para gente arrojada e que querem que o seu relógio seja notado pelos outros.

Disponíveis estão o BBLACK, BBBLUE, BBBLOOD, BBBUBBLES, BBBEAUTY E BBBLANCO, sendo que custam todos o mesmo – 90€. Têm gravações em 3D no mostrador, ponteiros em forma de seta com superluminova e vêm numa massiva caixa de Ø47mm, protegida por um vidro ligeiramente curvado.

A nova coleção BIG BOLD já está disponível no site da marca.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,558FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
610SeguidoresSeguir

Relacionados

Nespresso e Swatch sugerem alguns presentes para o Dia da Mãe

Duas marcas bem distintas, um objetivo em comum: tornar diferente um Dia da Mãe que será diferente de todos os outros.

Swatch está a lançar um relógio por dia durante todo o mês de abril

E porquê? Porque a marca resolveu fazer uma viagem virtual de 30 dias a 30 destinos em todo o mundo durante o mês de abril, incluindo-se, claro, a cidade de Lisboa.

Marca de relógios MVMT chegou a Portugal

Tudo começou em 2013, quando Jake Kassan e Kramer LaPlante, na altura jovens estudantes, resolveram trocar a faculdade por...

Garmin lançou novos relógios Forerunner no mercado

São os Garmin Forerunner 45, 245 e 945. Estes modelos de relógios desportivos inteligentes vêm agora completar a gama que...
- Publicidade -

Mais Recentes

ZenZoe. Chegou a Portugal o robô que desinfeta áreas e objetos propícios à transmissão de COVID-19

O ZenZoe foi desenvolvido pela ASTI Mobile Robotics, empresa de tecnologia e robótica sediada em Espanha,...

Crítica – The King Of Staten Island

The King Of Staten Island emprega uma fórmula muito conhecida (e demasiado utilizada) que se estende em demasia, mas Judd Apatow equilibra-a com um sentido de humor negro com a ajuda dos seus co-argumentistas.

Análise – Mr. Driller DrillLand

Uma remasterização do clássico de 2002 que pouco adiciona ao original no que toca a conteúdos.