NOS Alive 2018 | Jack White – Nem a “Seven Nation Army” acordou os festivaleiros

“Para mim este é o cabeça de cartaz. O resto é bónus”. Isto foi o que ouvi de alguém que estava ao meu lado. Contudo, para ser sincero, não acredito que muitos tenham olhado para este senhor como tal.

Estreando-se em Portugal em 2007 na edição inaugural deste mesmo festival, Jack White vinha com a sua baterista da altura, Meg White, e que, em conjunto, formavam os magníficos The White Stripes. Mas com o término da banda, White só voltaria, desta vez em nome próprio, ao Coliseu de Lisboa em 2012, na altura para apresentar o seu disco de estreia a solo. Seis anos volvidos, está de regresso. Porquê tanto tempo de espera? Esta é a questão que paira na cabeça de muita gente, mas que poderá ser respondida, certamente, por White não ser um artista propriamente fácil para as promotoras.

Com novo álbum na bagagem, Boarding House Reach, lançado em março passado, o concerto do NOS Alive não foi propriamente focado num álbum em específico, mas sim na sua carreira, ora a solo, ora com outros projetos.

Apesar de parco em palavras com o público – e nem era isso que se pedia, de todo – White foi desfilando os sucessos, sempre com a energia no máximo. Começou com a excelente “Over and Over and Over”, do novo disco, mas passou, também, por “Corporation”, “I Cut Like a Buffalo”, “We’re Going to Be Friends” – quem é que não quer ser amigo dele? – “Icky Thump” e uma versão mais direta ao assunto de “Steady, As She Goes”, dos seus Raconteurs.

Apesar da pujança sonora, apenas os mais fãs aderiram ao espetáculo, com os restantes a limitarem-se a observar e a aguardar os Pearl Jam. Curiosamente, nem mesmo a “Seven Nation Army” gerou grande alarido. Será que muitos dos que ali estavam não sabiam que foi White quem criou o hino?

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,250FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – The Social Network

O que surge da parceria de dois cineastas perfecionistas e meticulosos? Uma obra magnífica do cinema!

Sonic Blast já tem datas para 2021

A 10ª edição do festival irá, também, realizar-se num novo recinto.

Crítica – Relic

Relic é um daqueles típicos filmes de horror que dividem críticos e audiências um pouco por todo o mundo.

Música: Álbuns essenciais (outubro)

Há poucos paralelismos com o mês de setembro, na medida em que tudo estava controlado até meio do mês.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Algarve distinguido pela 1ª vez como “Melhor Destino de Praia do Mundo”

Depois da distinção a nível europeu, a região recebe agora, pela 1ª vez, o reconhecimento a nível mundial​.

Acabaram-se as pipocas nas salas de cinema

A Direção Geral da Saúde acaba de proibir a venda de produtos alimentares e refrigerantes nos cinemas.

Roaming. Yorn vai dar mais gigas para usar no estrangeiro

Uma boa novidade que a empresa tem vindo a implementar cada vez que começa um novo ano.