NOS Alive 2018 | Jack White – Nem a “Seven Nation Army” acordou os festivaleiros

“Para mim este é o cabeça de cartaz. O resto é bónus”. Isto foi o que ouvi de alguém que estava ao meu lado. Contudo, para ser sincero, não acredito que muitos tenham olhado para este senhor como tal.

- Publicidade -

Estreando-se em Portugal em 2007 na edição inaugural deste mesmo festival, Jack White vinha com a sua baterista da altura, Meg White, e que, em conjunto, formavam os magníficos The White Stripes. Mas com o término da banda, White só voltaria, desta vez em nome próprio, ao Coliseu de Lisboa em 2012, na altura para apresentar o seu disco de estreia a solo. Seis anos volvidos, está de regresso. Porquê tanto tempo de espera? Esta é a questão que paira na cabeça de muita gente, mas que poderá ser respondida, certamente, por White não ser um artista propriamente fácil para as promotoras.

Com novo álbum na bagagem, Boarding House Reach, lançado em março passado, o concerto do NOS Alive não foi propriamente focado num álbum em específico, mas sim na sua carreira, ora a solo, ora com outros projetos.

Apesar de parco em palavras com o público – e nem era isso que se pedia, de todo – White foi desfilando os sucessos, sempre com a energia no máximo. Começou com a excelente “Over and Over and Over”, do novo disco, mas passou, também, por “Corporation”, “I Cut Like a Buffalo”, “We’re Going to Be Friends” – quem é que não quer ser amigo dele? – “Icky Thump” e uma versão mais direta ao assunto de “Steady, As She Goes”, dos seus Raconteurs.

Apesar da pujança sonora, apenas os mais fãs aderiram ao espetáculo, com os restantes a limitarem-se a observar e a aguardar os Pearl Jam. Curiosamente, nem mesmo a “Seven Nation Army” gerou grande alarido. Será que muitos dos que ali estavam não sabiam que foi White quem criou o hino?

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Malignant

Malignant é mais um excelente filme de origem de uma nova franchise criada por um dos cineastas de horror mais bem sucedidos do século, James Wan.

Crítica – The Night House (MOTELX)

Não é um filme que pareça trazer algo de novo, mas esconde boas surpresas sob a superfície, com um enredo que é tanto clássico como original.

Crítica – Mad God (MOTELX)

Se aceitarem que um filme pode ser como um sonho, demente, descontrolado e desnecessário de ser explicado, então irão apreciar Mad God.

Crítica – Sweetie, You Won’t Believe It (MOTELX)

Sweetie, You Won't Believe It não é um filme que se propõe a oferecer nada de novo ao género, mas é uma lufada de ar fresco no panorama internacional de comédias de terror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

60.000 jovens vão poder fazer um Interrail gratuito já em 2022

Poderão viajar por um período máximo de 30 dias.

Chegou o trailer oficial da 3ª temporada de You

E muita coisa vai acontecer nos novos episódios. Depois das primeiras imagens e da data de estreia da terceira temporada,...

10.ª edição do Open House Lisboa leva-nos a descobrir “Os Caminhos da Água” com várias visitas gratuitas na capital e em Almada

25 e 26 de setembro são as datas do regresso do incontornável fim de semana de visitas gratuitas que desafia a percorrer e a desvendar a cidade através da arquitectura.