Crítica – Star Wars: Ahsoka (Livro)

O universo Star Wars é gigantesco e fantástico para todos os que exigirem mais dele, para além dos filmes e séries. O livro Ahsoka Tano contém uma daquelas histórias cuja leitura vale a pena.

Star Wars: Ahsoka
- Publicidade -

No universo cinemático de Star Wars, que se foca na Saga Skywalker, houve muitos Jedi que foram mal explorados ou nem sequer foram apresentados e que, ainda assim, tiveram um papel meritório no desenvolvimento da história deste acarinhado Universo. Isto deveu-se muito ao facto das prequelas (Phantom Menace, Attack of the Clone e Revenge of the Sith) serem limitadas a pouco tempo de ecrã face à quantidade e complexidade de conteúdo existente.

Só para terem a noção, entre o Episódio I e o II passam-se 10 anos, enquanto que, entre o II e o III, passam-se mais três anos (onde ocorreram as Clones Wars), tendo sido o período mais preponderante para a galáxia se ter tornado num local hostil e perigoso durante mais de meio século após o final da mesma.

As boas notícias é que há uma série animada que explora esse período de três anos e faz a ponte entre o Episódio II e o III na perfeição, sendo que quase consegue ter mais conteúdo que o resto da saga. Nessa série, são abordados e explorados muitos assuntos de interesse que vêm complementar os filmes, tal como o processo de construção do lightsaber, a origem do Dark e Light Side da força e o que mantinha o equilíbrio entre amos, o povo de Mandalore (cujo agora volta às luzes da ribalta com The Mandalorian), pelo que ficamos a conhecer melhor várias raças da saga e geografia planetária. Para além de tudo isto, vemos também serem explorados muitos Jedi preponderantes que, nos filmes, pouco ou nenhum tempo de antena têm, como Mace Windu, Ayala Secura, Barriss Offee, Luminara Unduli, Kit Fisto, Ki-Adi Mundi, Shaak Ti, Sifo-Dyas, Plo Koon e, claro, Ahsoka Tano (que se tornou numa fan favorite e é o meu Jedi preferido).

Os acontecimentos deste livro que vos falo estão compreendidos entre o Episódio III e IV, mais concretamente pouco tempo depois do Episódio III e antes de Rogue One ou da série animada Star Wars: Rebels. Dado o facto de Ahsoka Tano nunca ter aparecido nos filmes (com a exceção da sua voz numa das cenas finais do Episódio IX), aconselho vivamente a verem The Clone Wars na íntegra antes de lerem o livro. Até porque, sem conhecerem Ahsoka Tano, vão existir comportamentos e ideologias cujo simbolismo vos vai passar ao lado.

O livro em si está estruturado de forma curiosa, na medida em que, em paralelo com a história (nas páginas normais, a branco), tem pequenos excertos entre alguns dos capítulos (páginas de cor mais escura) que, de certa forma, têm alguma ligação com a narrativa principal, mas acaba por ser só complementos extra-narrativa.

Ao início fui apanhado de surpresa pelos excertos, pois para além de não estar familiarizado com este tipo de dinâmica, fiquei a sentir que perdi alguma coisa no que tinha lido até ao momento. No entanto, após avançar no livro, acabei por percebi a real utilidade dos textos contido nas tais páginas escuras.

O desenvolvimento da história demora um pouco a carburar e, por vezes, o facto de não sabermos bem para onde vai deixa a sensação de falta de objetividade. Acaba por ser compreensível na medida em que este livro foi construído para poder ser lido sem ter visto The Clone Wars e fazer sentido, daí a simplicidade e demora na construção das bases do enredo. Por esse prisma, o livro está bem “montado”.

Chegando a meio, o enredo começa a ficar excitante e torna-se difícil mediar a leitura, pois a vontade é de devorar tudo de uma vez. O meu catalisador na leitura foi o facto de ter escolhido as horas de almoço no trabalho para o ler, então tinha obrigatoriamente de interromper a leitura diariamente. Acabou por ser positivo, pois dava tempo para refletir sobre o que lia durante o dia e, no dia seguinte, voltar cheio de vontade para descobrir o que ia acontecer a seguir.

Ahsoka Tano pode ser encontrado à venda na Amazon, com o preço apresentado a depender dos descontos do momento e se optam por capa dura ou não. No meu caso, optei pelo modelo com capa normal, e posso dizer que até é boa, não sendo daquelas que ficam curvas com a humidade. Não encontrei o livro traduzido para Português, mas, se o Inglês não for uma entrave, aconselho o investimento, até porque a nível literário a escrita é simples.

Se já tiverem visto Clone Wars, acho que deviam mesmo ler o livro, pois faz um ótimo desenvolvimento de personagem. Confere mais densidade a Ahsoka Tano pré-Star Wars: Rebels e explica melhor a introdução nessa série. Sendo que correm rumores de que pode aparecer em The Mandalorian no final deste mês, ainda mais interessante se torna.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

13,033FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
790SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Star Wars: The Bad Batch já tem o seu primeiro set LEGO

A série estreou esta semana no Disney Plus.

Antevisão – Star Wars: The Bad Batch

Este ano o dia de Star Wars tem um sabor especial, pois arranca a nova série animada da saga, que pega num lote de clones muito peculiar e especial.

LEGO Star Wars: The Skywalker Saga fica sem data

O ambicioso jogo LEGO foi novamente atrasado.

Star Wars: The Bad Batch recebe um novo trailer cheio de ação e história

Preparem-se para conhecer melhor a Clone Force 99.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

A Padaria Portuguesa vai ter uma loja em Setúbal

A inauguração deverá acontecer no início de junho.

Fórmula 1 – Grande Prémio de Espanha: Lewis Hamilton ganha na estratégia

Depois de na qualificação de sábado ter conquistado a sua 100ª pole position, usou a melhor estratégia da Mercedes para vencer o Grande Prémio de Espanha e ficar assim apenas a duas vitórias de subir, também, pela 100ª vez ao lugar mais alto do pódio na Fórmula 1.

30 dias com o Dyson Airwrap: Um caso de amor à primeira vista

É um produto caro, sem dúvida, mas o Dyson Airwrap não falha no seu propósito. E tudo o que faz, faz bem.