Keane no Campo Pequeno – Um concerto de nostalgia

Passaram-se sete anos desde a última visita da banda a Lisboa. O público português, claro, não pensou duas vezes e decidiu acender a vela da nostalgia, esgotando o concerto dos Keane no Campo Pequeno, preenchendo a arena num espetáculo que durou cerca de duas horas.

- Publicidade -

Os Keane, a banda de Tom Chaplin, Tim Rice-Oxley, Jesse Quin e Richard Hughes, fizeram uma grande pausa dos palcos, mas regressaram em grande e preparados para nos dar aquilo que precisamos. As músicas do grupo estão, na grande generalidade, muito presentes na memória e no coração do público português, principalmente para os ouvintes de rádio – é senso comum que, pelo menos uma vez por semana, em alguma rádio, poderemos ouvir Keane.

No entanto, ali, tudo estava a acontecer em tempo real e em carne e osso. “Espero que todos juntos consigamos causar uma onda de calor e aquecermo-nos”, sugeriu Tom. Não foi preciso muito. Uma maré de gente de todas as idades invadiu a arena para ecoar as letras da banda, que abriu o concerto com a música “You’re Not Home”, do novo álbum Cause and Effect, muito bem recebida pelo público, que estava sedento. A viagem ao passado começa logo de seguida com “Day Will Come”, do álbum Strangeland (2012), e com “Silenced By The Night”, também do mesmo álbum.

A verdadeira euforia, porém, é sentida neste concerto dos Keane no Campo Pequeno quando chega “Everybody’s Changing”, uma das músicas mais conhecidas do grupo musical. O público salta, chora, relembra, canta em conjunto e há braços no ar – não há quem não conheça esta música.

“Apesar dos tempos difíceis, estamos vivos e estamos aqui, e é isso que é importante”, desabafou o vocalista da banda, que passou por um período conturbado devido à dependência de drogas.

https://www.facebook.com/everythingisnew/posts/10151218322714950?__xts__[0]=68.ARAywgsGnxYMD7uOEaVaACLZGo1Hqgp8YDrT-BJTXhPCji31wu8QfT6bAaITjNgowADzZLE5ojsIALaKDPpj2RrzDlRKWHrwbVesG6yGvr5WCCyhvre90Gfgvhm2yKJrGe7QNBOMGo3MFytrrQ4OoUaW3s98kBRmGq0Uw1OZTLgoA2ULDj592ElyLZBqk9pe04Nti_oTg3l6izuBzyW7-GQE57o7i3Q7qwIKJSxr9W4_aHPZ15pNKSjCVo_7rlezuK3JNqBNklNiv5XyTOepgPWPEyKjXEdnVJcK3INiK6dvAC0p_rDTN-7bYQDo9NyNJ6Ir_ADnOix6naGcxsg4&__tn__=-R

“Strange Room” fez com que as lanternas de todos os telemóveis iluminassem o palco, numa balada pertencente ao novo álbum, mas muito ao estilo a que a banda já nos habituou. Com “She Has No Time”, “Spiralling”, e “Put The Radio On”, vamos vendo como o público nunca para de se balançar enquanto o vocalista percorre o palco de uma ponta à outra, sempre energético e saltitante.

“A Bad Dream” cria um coro apaixonante que já conseguia prever que as músicas mais conhecidas se aproximavam, no entanto, a ideia é de aproveitar o momento e cantar com os braços no ar.

“Try Again”, “Nothing in My Way” e “Love Too Much” aquecem o palco para que a icónica “This Is The Last Time” possa chegar e ser gritada por todos, com um refrão que pede mesmo por isso. “Bedshaped” acalma os corações de todos, sendo uma das criações mais românticas e conhecidas da banda.

Abre-se espaço, então, para que chegue a mais espera da noite e que fez toda a gente gritar só com o primeiro acorde: “Somewhere Only We Know”. Os Keane pediram e nós respeitámos, fomos conversar num sítio onde só nós sabíamos. Conversar, cantar, voltar a sonhar. As rádios passam, desde sempre, esta música, companheira de viagens e de vivências, e era visível nos olhos do público que a nostalgia daquela música é gigantesca.

Para terminar este concerto dos Keane no Campo Pequeno, um encore com “In Your Own Time”, “Crystal Ball” e “Sovereign Ball Café”. Esperamos, agora, que não passem novamente sete anos até os vermos de novo.

Fotos de: Tiago Cortez

1 Comentário

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,440FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Concerto dos Cut Copy em Portugal está agora agendado para outubro de 2021

Naturalmente, os bilhetes já adquiridos mantêm-se válidos para a nova data.

Tiamat são um dos cabeças-de-cartaz do festival Under The Doom 2021

O evento realiza-se entre 4 e 5 de dezembro de 2021, no Lisboa ao Vivo.

Lisboa tem 11 máquinas para devolução automática de embalagens de bebidas para reciclagem

As 11 máquinas de devolução automática estarão instaladas em superfícies comerciais e no Mercado Municipal de Benfica.

Trivium regressam a Portugal em 2021

Será que vão ter novamente o cantor Toy como convidado especial?
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Há um novo jogo de tabuleiro onde o prémio é… chocolate!

Uma ideia da marca nacional de chocolate artesanal Pedaços de Cacau e dos youtubers do canal Cara Coroa.