Fórmula 1 – Grande Prémio de Itália com festejos na Austrália

Depois de ter perdido o último Grande Prémio e de ter saído desiludido da prova belga, o Grande Prémio de Itália veio salvar, pelo menos para mim, os três fins de semana consecutivos no campeonato do mundo de Fórmula 1. Depois de um sábado com corrida Sprint e um domingo com acidentes que podiam ser mais graves caso o Halo não estivesse presente, o Grande Prémio de Itália acabou a ser festejado na Austrália após a vitória de Daniel Ricciardo ao volante do seu McLaren Mercedes.

- Publicidade -

Pela segunda vez este ano tivemos a qualificação à sexta-feira, onde a pole position foi entregue a Valtteri Bottas, que se mostra agora mais relaxado, mesmo sabendo que para o ano vai estar a conduzir um Alfa Romeo. No sábado tivemos direito a sprint race com os dois Mercedes a partirem dos lugares da frente, mas com Hamilton a cair para P5 depois das 18 voltas. Bottas aguentou a “pole“, mas devido à troca da power unit, teve mesmo que partir de último, levando os três primeiros lugares da grid a serem compostos da seguinte forma: Max Verstappen, Daniel Ricciardo e Lando Norris.

Estava tudo pronto para as “lights out and away we go” no domingo quando se soube que Yuki Tsunoda não ia participar devido a problemas mecânicos, deixando a AlphaTauri numa situação ainda pior após ter Pierre Gasly a partir da pit lane, já que as mudanças feitas devido ao acidente na sprint foram mais que muitas. Os semáforos apagam-se e a corrida começa.

Lewis Hamilton a partir de P5, e de pneus duros tal como o seu colega de equipa, consegue um bom arranque, acabando mesmo por estar lado a lado com Max Verstappen na luta pela P2, mas acaba fora na curva 4 depois de um momento de corrida em que as rodas dos carros de ambos os pilotos acabam por se tocar. Quem também conseguiu um ótimo arranque foi Daniel Ricciardo, que conseguiu, ao fim da primeira curva, passar para a liderança do Grande Prémio de Itália. Os sonhos da McLaren depois de uma grande sprint race começavam a ficar cada vez mais visíveis.

Depois de um Virtual Safety Car causado por Antonio Giovinazzi, a corrida voltava a ter bandeira verde e a ação estava de volta a Monza. Ricciardo continuava na liderança e a conseguir defender os ataques de Max, enquanto que Lando Norris mantinha o P3 e defendia muito bem os ataques do Mercedes de Lewis Hamilton, que continuava em P4, mas a conseguir tempos idênticos aos três da frente que calçavam pneus médios ao invés de duros. 13 voltas passadas e tínhamos tudo para ter uma corrida de sonho, com os dois McLaren a fazerem frente aos dois concorrentes ao título e com Valtteri Bottas que, após partir de P19, já estava nos pontos, em P10.

Lá na frente, o primeiro a parar é Ricciardo, que depois de uma paragem fantástica, consegue voltar à pista em P6 e depressa passar Carlos Sainz Jr. para conquistar a P5. O piloto australiano estava a jogar em modo fácil. A volta seguinte foi a mais importante para o desenrolar do Grande Prémio de Itália: Max Verstappen pára, e pára muito tempo… 11.1 segundos parado. Resultado? O piloto da Red Bull a cair para P10 quando volta à pista.

Antes de parar para trocar de pneus, Hamilton ainda passa Lando Norris e fica na liderança. No entanto, a troca de pneus acontece de forma um pouco lenta, levando o piloto da Mercedes a ficar parado 4.6 segundos e, quando volta à pista, quem lá estava, lado a lado, para a batalha na curva 1, era Max Verstappen.

Assim que pode, Hamilton leva o seu carro para a esquerda para dar a levar Max a ir por fora na abordagem à primeira curva. Max vê que mesmo assim tem espaço e, em vez de ir em frente, por cima das curbs da curva 2, acaba por tentar atacar a curva. Azar dos azares, o carro de Max acaba por ir por cima de uma das curbs mais elevadas, levando a traseira a saltar e acabando por ficar em cima, literalmente, em cima do carro de Lewis Hamilton.

Sim, mesmo em cima. Isto aconteceu:

Grande Prémio de Itália 2021
Crédito: Telegraph.co.uk / AFP

Não quero, nem vou, atribuir culpa a ninguém, embora a FIA tenha atribuído três lugares de penalização na grid (a cumprir na próxima corrida) a Max Verstappen, talvez para continuar na mesma linha de pensamento que em Silverstone. Na minha opinião, foram dois pilotos que tentam ao máximo ganhar pontos naquela que é, dos últimos anos, a batalha mais feroz pelo título de Campeão do Mundo em Fórmula 1. Lewis podia ter dado mais espaço? Talvez. Max podia ter seguido em frente? Talvez. Quero apenas deixar a nota, aos fãs de Fórmula 1, que estas guerras de “o Max isto” ou “o Hamilton aquilo” ficam muito bem, mas do lado de fora deste desporto. Fórmula 1 não é, nem quer ser, futebol.

Depois dizer ainda, antes de passar ao resto da corrida, que Max Verstappen, por muito chateado que estivesse ao ver o seu carro em cima do Mercedes, podia ter confirmado com Lewis Hamilton se estava bem. São estas atitudes de “puto mimado” que me levam a gostar um bocadinho menos de Max a cada corrida que passa. Por fim, um agradecimento especial às pessoas que levaram o Halo até aos carros de Fórmula 1… não fossem eles e Lewis podia ter sofrido um bocado mais que um susto e umas dores de pescoço. Obrigado por fazerem o desporto que todos gostamos um pouco mais seguro.

Voltando à corrida: safety car, pois está claro. Com a saída de Max e Lewis, estão agora os dois McLaren na frente, com o de Ricciardo em P1, e Bottas, que tinha começado em P19, já está em P5. O finlandês disse à equipa que ia lutar pelo pódio. E sim, estava a lutar pelo pódio.

Mais à frente, é Pérez que passa Charles Leclerc e consegue, assim, conquistar a P3. No entanto, o piloto da Red Bull apenas passou o Ferrari porque ganhou vantagem fora de pista, entendem os comissários de corrida, e acaba por levar uma penalização de 5s, tempo esse a ser adicionado ao tempo final, já que em condições normais Pérez não voltaria a parar nas boxes. Com tudo isto, e com Bottas a menos de 1s de Sergio Pérez, o piloto da Mercedes está no pódio e diria até que, se tivesse conseguido passar o Red Bull, estaria em boa posição para lutar com os McLaren pelo lugar mais alto do pódio… mas não, Bottas acabou mesmo a corrida em P4, sendo depois promovido a P3 devido à penalização de Pérez.

Com Ricciardo na liderança e com Pérez a atacar a traseira do carro de Norris, o piloto britânico pede ao seu colega, através do rádio de equipa, para ganhar um pouco mais de ritmo. Daniel responde de forma fantástica e afasta-se do seu colega, que por sua vez conseguiu afastar-se do Red Bull. Depois de um excelente trabalho de equipa, Norris ainda pergunta à equipa o que é melhor fazer, lutar pelo P1 ou deixar Daniel ganhar e não arriscar um acidente que podia deixar os dois McLaren de fora. Resposta dada e Lando faz o que tão bem sabe fazer: ganha o ritmo necessário para deixar o Red Bull e o Mercedes mais para trás, tendo assim a McLaren o 1-2 cada vez mais nas mãos.

Grande Prémio de Itália 2021
Crédito: Formula1.com

Até ao fim ainda tivemos um Virtual Safety Car que acabou por ajudar a McLaren, já que tanto Ricciardo como Norris conseguiram ganhar alguma vantagem com o retomar da bandeira verde. Na última volta, Daniel Ricciardo ainda conseguiu fazer a volta mais rápida com 1.24.812, logo seguido de Norris com 1.24.9??, mostrando que os McLaren geriram muito bem a corrida e ainda tinham mais para tirar do carro caso fosse necessário… uma fantástica vitória da piloto australiano e da equipa britânica.

Por fim, destacar novamente o P3 de Valtteri Bottas, que recuperou assim 16 lugares numa corrida que deve ter sido das suas melhores. Dar destaque também ao P9 de George Russell, que volta assim a pontuar pela Williams, e ainda à corrida solida de Fernando Alonso e ao esforço feito por Robert Kubica, que consegue manter o ritmo do seu colega de equipa mesmo estando ali apenas para substituir Kimi Räikkönen.

Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – Top 10 por pilotos

PosiçãoPilotoEquipaPontos
1Max VerstappenRed Bull Racing Honda226.5
2Lewis HamiltonMercedes221.5
3Valtteri BottasMercedes141
4Lando NorrisMcLaren Mercedes132
5Sergio PerezRed Bull Racing Honda118
6Charles LeclercFerrari104
7Carlos Sainz Jr.Ferrari97.5
8Daniel RicciardoMcLaren Mercedes83
9Pierre GaslyAlphaTauri Honda66
10Fernando AlonsoAlpine Renault 50

Campeonato do Mundo de Fórmula 1 – Top 5 por equipas

PosiçãoEquipaPontos
1Mercedes362.5
2Red Bull Racing Honda344.5
3Mclaren Mercedes215
4Ferrari201.5
5Alpine Renault95
- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Fórmula 1 – Grande Prémio dos Países Baixos com vitória de Max Verstappen

Depois de um espetáculo menos bonito durante o "Grande Prémio" da Bélgica, a Fórmula 1 esteve de volta para o Grande Prémio dos Países Baixos. A correr em casa, Max Verstappen levou a melhor ao volante do seu Red Bull, deixando a competição para trás e subindo, de novo, à liderança do campeonato do mundo de pilotos.

Fórmula 1 – Grande Prémio da Bélgica e o triste espetáculo da FIA

Depois de uma qualificação inacreditável, que contou com o Williams de Russell a 0.3 segundos da pole position, o Grande Prémio da Bélgica conseguiu superar a qualificação e ser ainda mais inacreditável.

Fórmula 1 – Grande Prémio da Hungria fica para a história graças a um Alpine e a um Mercedes

O Grande Prémio da Hungria fica marcado por uma primeira volta cujos acontecimentos, proporcionados em grande parte pelo Mercedes nº 77, conseguiram meter 5 pilotos de fora, mas também pela vitória de Esteban Ocon e ainda por termos não um, mas dois carros da Williams nos pontos.

Fórmula 1 – Grande Prémio da Grã-Bretanha: Arise, Sir Hamilton! Britânico vence após acidente com Max Verstappen

O fim de semana do Grande Prémio da Grã-Bretanha começou com emoção e acabou com emoção. Sexta-feira com qualificação, sprint race no sábado e Grande Prémio no domingo. Um novo formato que trouxe emoção aos três dias de GP com o culminar desse sentimento a acontecer durante primeira volta da corrida.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Os diplomas e certificado escolares vão passar a registar as atividades, iniciativas e projetos dos alunos

Desta forma, cada estudante verá reconhecido o seu percurso escolar em todas as dimensões.

60.000 jovens vão poder fazer um Interrail gratuito já em 2022

Poderão viajar por um período máximo de 30 dias.