Nova série de Dragon Ball anunciada em breve?

- Publicidade -

Para quem acompanha o anime, sabe perfeitamente que Dragon Ball Super vai terminar já este mês. Porém, uma nova entrevista realizada ao realizador e produtor do anime deixou escapar que uma nova história pode estar já em desenvolvimento. Ainda não há nenhuma confirmação oficial, mas também não existe nenhum negação desta nova pista. No ano passado, por exemplo, um dos realizadores da série, bem como um dos produtores, deixaram antever numa entrevista que o anime iria terminar com a saga Sobrevivência do Universo. Na altura era um rumor que, eventualmente, veio a confirmar-se.

Já nesta nova entrevista dada pelo realizador Ryōta Nakamura e pelo produtor Satoru Takami, focada na história dos bastidores e processo de criação da série, foram revelados novos detalhes bem interessantes. Comecemos por uma curiosidade. Sabias que a Toei Animation queria colocar a personalidade do Toppo no Jiren? Felizmente o criador Akira Toryama meteu-se no meio e referiu que o Jiren era uma personagem que não gostava de falar com os outros. Agora imaginem: o que seria de um Jiren com um bigode?

Entre outras curiosidades, o produtor Satoru Takami referiu que, na opinião dele, Akira Toryama pode estar já a preparar novas histórias com o fim de Dragon Ball Super e para, possivelmente, dar continuidade à série após o termino do arco Sobrevivência do Universo.

Atenção, esta é apenas a opinião do produtor, não estando nada confirmado. Mas onde há fumo…. há fogo. Se, de facto, Akira Toryama está a criar novas histórias, a Toei  Animation vai querer aproveitar-se disso e transformar essas histórias numa série animada. Afinal, a franquia Dragon Ball movimenta muito dinheiro.



Há outros motivos que podem indicar a continuação da história. Por exemplo, num dos episódios, quando Son Goku está a reunir guerreiros para o torneio do universo, Dende fala num miúdo com um poder incrível. Estava claramente a falar de Uub, que, apesar da referência, não apareceu nesta série, somente foi mencionado. Já na manga, o jovem lutador chegou efetivamente a surgir nas páginas.

Recorde-se que Uub é a reincarnação de Bubu, tendo aparecido pela primeira vez no último episódio de Dragon Ball Z.

Outro motivo prende-se com o facto de quatro universos – 1, 5, 8 e 12 – terem ficado de fora do torneio. Se fosse para acabar a história de vez, a Toei deveria querer colocar todos os universos em jogo, o que não aconteceu. Como referimos num artigo anterior, o manga precisa de ultrapassar o anime, algo que ainda não aconteceu a esta altura. Isto precisa de acontecer devido a questões monetárias, uma vez que, como os fãs já sabem o que aconteceu na série animada, não vão querer adquirir o manga, resultando em enormes prejuízos financeiros.

Há ainda um filme que vai chegar em dezembro, pelo que a equipa da série deverá estar focada em terminar o novo filme da franquia.

Para finalizar, há ainda um detalhe importante. Na entrevista, Ryōta Nakamura referiu que os fãs devem ver o episódio até ao instante final, uma vez que existirá uma surpresa para os fãs. O que quererá isto dizer? Será que a finalização do arco Sobrevivência do Universo é apenas o começo de uma verdadeira série de Dragon Ball Super?


- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Dragon Ball vai chegar ao Fortnite

Fortnite prepara-se para receber personagens ainda mais poderosas.

Rick and Morty vai mesmo ter um anime de 10 episódios

A Adult Swim anunciou que vai fazer um spin-off da série com o diretor de Tower of God.

Chainsaw Man com estreia na Crunchyroll, mas ainda sem data

A muito aguardada adaptação de Chainsaw Man vai ter exibição global na Crunchyroll.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Burlões viram-se para a Vinted para roubar dinheiro

O Portal da Queixa identificou um aumento no número de que envolvem burlas online.

Governo criar criar mais 10 mil lugares de creche em todo o país nos próximos anos

O Estado deixa de apoiar exclusivamente as famílias de mais baixos rendimentos (1.º e 2.º escalões) e passa a abranger todas as crianças independentemente do rendimento das famílias.