Cut Copy confirmados a 12 de julho no NOS Alive

Depois do anúncio dos Idles, o NOS Alive dá-nos mais um motivo para não perdermos a edição do próximo ano. Os Cut Copy acabam de ser adicionados ao cartaz, atuando a 12 de julho no Palco Sagres.

- Publicidade -

A banda de Dan Whitford traz a Portugal o quinto álbum Haiku From Zero, editado no ano passado, e que sucede a “Free Your Mind (2014). Haiku From Zero é o disco com maior diversificação sonora, tendo sido gravado um pouco por todo o mundo.

Artistas confirmados: Bon Iver, Cut Copy, Curadoria Bridgetown (Carla Prata, Dillaz, DJ Dadda, Nubai Soundsystem, Plutonio, Saint Jhn, Trace Nova e Lé Vie), Idles, Jorja Smith, Ornatos Violeta, Pip Blom, The Chemical Brothers, The Cure, The Smashing Pumpkins, Sharon Van Etten, Tash Sultana, Thom Yorke e Vampire Weekend.

O NOS Alive’19 realiza-se a 11, 12 e 13 de julho de 2019 no Passeio Marítimo de Algés, em Lisboa. Os bilhetes já estão à venda por 65€ (bilhete diário) e 149€ (passe de três dias). À venda está também o Fã Pack FNAC.


 

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Mallu Magalhães no NOS Alive 2022

A cantora esteve há uns dias no Campo Pequeno, mas prepara-se regressar já em 2022, desta vez em modo festivaleiro, no NOS Alive 2022.

Festival Laurus Nobilis já tem cartaz completo para 2022

Recorde-se que o festival acontecerá de 21 a 23 de julho do próximo ano.

The War on Drugs no NOS Alive 2022

Mais uma belíssima confirmação para o primeiro dia do festival.

Super Bock em Stock (Dia 1) – Tuk Tuks para Autóctones

Um regresso aos festivais, neste caso a um itinerante.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Pingo Doce chega pela primeira vez aos Açores

O sortido do espaço conta com muitos produtos regionais, fruto das parcerias feitas com 129 fornecedores dos Açores.

Continente abre primeira loja em Gouveia

Continua a expansão da marca da Sonae.

Lagoa dos Salgados será classificada como área protegida de âmbito nacional

Há 21 anos que, em Portugal, não era classificada nenhuma área protegida de interesse nacional.