Crítica – On the Count of Three (Sundance 2021)

On the Count of Three é uma excelente obra cinematográfica. Repleta de humor, ganha pontos principalmente graças ao argumento cuidadosamente escrito com dois protagonistas relacionáveis.

On the Count of Three
Foto: Sundance Institute | Marshall Adams
- Publicidade -

Sinopse: “Val (Jerrod Carmichael) chegou a um ponto onde sente que a única saída é terminar de vez com a vida. Mas considera-se um pouco um falhado – falta-lhe eficácia -, logo acredita que precisa de alguma ajuda. Coincidência ou pura sorte, o melhor amigo de Val, Kevin (Christopher Abbott), encontra-se a recuperar de uma tentativa falhada de suicídio, por isso, parece ser o parceiro perfeito para executar este plano de suicídio duplo. Mas antes de irem, têm alguns assuntos inacabados para tratar.”

Mesmo que On the Count of Three não seja exatamente uma comédia ou um filme leve baseado numa premissa tola (How It Ends), posso dizer que esperava que o humor desempenhasse um grande papel. E não fiquei desapontado. Christopher Abbott (Possessor) é particularmente engraçado com todos os seus auto-debates sobre assuntos tabu, como racismo e discriminação, mas há várias mensagens significativas “escondidas” nas cenas aparentemente cómicas. Elogios também para Jerrod Carmichael, não só devido à sua exibição emocionalmente convincente, mas pela forma como realizou este filme. Os atores partilham uma química incrível e transformam uma amizade supostamente próxima em algo realmente autêntico.

Val (Carmichael) e Kevin (Abbott) são incrivelmente relacionáveis, o que poderia tornar um filme sobre cometer suicídio duplo um pouco perigoso. O argumento de Ari Katcher e Ryan Welch foi cuidadosamente escrito de uma maneira que demonstra claramente como diferentes pessoas lidam com a depressão, tristeza, stress e tantos outros aspetos na vida que destroem emocionalmente qualquer um.

Felizmente, os personagens foram construídos e desenvolvidos de um jeito tão rico e esclarecedor que o final – embora chocante – funciona lindamente como uma mensagem de que a vida vale a pena, não importa o quão difícil possa ser. Esta pode ser uma declaração algo confusa para quem já viu o filme, mas tudo tem a ver com o cuidado que os espectadores ganham para com os protagonistas.

O primeiro ato coloca-os em pontos de vista iguais em relação ao suicídio, mas, ao longo do tempo de execução, é mostrado ao público o que aconteceu em cada uma de suas vidas. São as conversas subtis e as piadas aparentemente insignificantes aqui e ali que acabam por transformar o clímax em algo tão emocionalmente eficaz. O melhor elogio que posso oferecer a este filme é que o final – apesar de ser um pouco esperado – claramente transmite ao público o que é certo e errado.

Tecnicamente, um trabalho excecional de câmara de Marshall Adams (belos e longos takes) e uma banda-sonora incrível de Owen Pallett elevam o filme no seu todo. Apenas gostaria que os personagens pudessem ter sido mais explorados, mas sabendo que não é uma longa-metragem muito longa, é realmente uma grande peça de cinema.

On the Count of Three é um daqueles filmes que tenho a certeza de que vou rever mais do que apenas um par de vezes. Possuindo duas prestações fantásticas de Christopher Abbott e Jerrod Carmichael (também o realizador), a química genuína entre os dois atores eleva uma amizade próxima para algo que faz com que os espectadores se preocupem profundamente com os seus destinos. Entrego elogios tremendos ao argumento de Ari Katcher e Ryan Welch, que é, definitivamente, o elemento que faz deste filme um dos melhores que vi este ano.

Ao escrevê-lo com extremo cuidado e responsabilidade, o final previsível, mas impactante, não deixa margem para dúvidas sobre o que é certo ou errado. Todos lidam com os momentos maus da vida de forma diferente, mas esta vale sempre a pena. Senti-me emocionalmente investido nas personagens principais ao ponto de desejar que o filme fosse mais longo para que os argumentistas pudessem desenvolver a fundo estes protagonistas. Agradecimentos técnicos para o trabalho de câmara notável e banda sonora entusiasmante. Em última análise, não podia recomendar mais.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,948FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Sundance 2021 – Quinto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quinto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.

Crítica – The World to Come (Sundance 2021)

The World to Come é mais um drama romântico de um século passado com o qual tenho dificuldades em me sentir realmente investido.

Crítica – Judas and the Black Messiah (Sundance 2021)

Judas and the Black Messiah dificilmente ficará de fora da discussão para os melhores filmes de 2021... e ainda vamos em fevereiro.

Sundance 2021 – Quarto dia

Opiniões concisas sobre os filmes que assisti durante o quarto dia do festival Sundance 2021, incluindo links para as respetivas críticas.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo programa desafia startups portuguesas a tirarem partido do 5G

Os melhores projetos podem vir a ser investidos pelo Fundo NOS 5G e o vencedor terá acesso direto a incubação na Startup Lisboa.

O segundo episódio de DLC para Doom Eternal vai ser anunciado este mês

A Bethesda vai revelar The Ancient Gods Part II em breve.

O remaster de Diablo 2 vai suportar os save games do jogo original

O save que deixaram para trás em 2000 e tal, pode ser continuado em Diablo 2 Resurrected.