Crítica – “A Favorita” (The Favourite)

Início do século XVIII. A Inglaterra está em guerra com os franceses. Não obstante, corridas de patos e comer ananás continuam a crescer como atividades comuns. Uma frágil Queen Anne (Olivia Colman) ocupa o trono e a sua amiga íntima, Lady Sarah Churchill (Rachel Weisz), governa o país no seu lugar, enquanto se preocupa com os problemas de saúde e o temperamento inconstante de Anne. Quando uma nova criada, Abigail Masham (Emma Stone), chega, o seu charme chama a atenção de Sarah.

- Publicidade -

Sarah recebe Abigail debaixo da sua asa e Abigail vê uma oportunidade para retornar às suas raízes aristocráticas. À medida que as políticas da guerra se tornam mais pesadas e demoradas para Sarah, Abigail preenche o vazio deixado como nova companheira da rainha. Os fortes laços de amizade dão-lhe uma hipótese de cumprir com as suas ambições e não existe mulher, homem, política ou coelho que possa interferir no seu caminho.

A Favorita (The Favourite no original) é um dos filmes mais galardoados do ano passado, recebendo várias nomeações em dezenas de cerimónias de prémios e ganhando um monte delas (é a segunda longa-metragem mais premiada de 2018, atrás de Roma).

4ieaXFh2lRYjb0Q0E0HU8Vla6Dy2SozoPIZ0KVokfL6M38aMRLJ4tX pZ1n5u5UoIWjAJFs3tayale1lrYOShsbq7fSpDJOxjMVZlwFX0F8Ie8ImO

Esta película é um exemplo clássico de uma “tradição” dos Óscares. Muitos membros da audiência fazem a sua missão de ver todos os nomeados para o Óscar de Melhor Filme antes da respetiva noite, mas há sempre uma película que o público tem dificuldade em entender o porquê de tanto alarido. Por que é que críticos por todo o mundo adoram o que audiências apenas consideram um filme “okay”, mesmo contendo uma história longa, esquisita e (para alguns) aborrecida?

Bem, em primeiro lugar, é tecnicamente uma obra-prima. Mais concretamente, todos os aspetos técnicos são dignos de reconhecimento. A produção e a cenografia são uma delícia para os olhos. A banda sonora é pouco habitual para um filme de época como este, mas estranhamente funciona, visto que eleva continuamente a tensão entre as três personagens principais e ajuda a história a fluir com um ambiente sempre conspícuo e traiçoeiro. Até a cinematografia e as combinações com a luz de velas oferecem algumas cenas bem elegantes.

No entanto, e preparem-se para serem surpreendidos, é o guarda-roupa que rouba o espetáculo de todos os outros atributos.

Não é devido ao ser bonito ou apropriado para o período de tempo correspondente. Quase todos os filmes que se aventuram por estas épocas têm um guarda-roupa irrepreensível, mas apenas alguns podem descrever um arco de uma personagem através dele. Menos ainda são capazes de incorporar o argumento inteiro como este Oscar-bait faz. As protagonistas têm caminhos distintos, mas todos terminam de forma semelhante.

Uma forma de entender a história é através do que elas vestem, visto que representam perfeitamente a evolução que cada personagem passa por. Estas camadas de storytelling mantêm o filme interessante, mas os métodos incomuns do realizador Yorgos Lanthimos, mais o guião de Tony McNamara e Deborah Davis, vão desagradar algumas audiências.

xtAjjKvJJxt85rgPJJ

Lanthimos não oferece histórias formulaicas e, certamente, não os filma de uma forma normal, pelo que o público não vai gostar muito deste filme. O seu estilo único traz um tom, ritmo e técnicas de filmmaking que as pessoas não estão acostumadas a assistir. Felizmente, há mais do que apenas elogios técnicos. Três prestações magníficas e poderosas de Olivia Colman, Emma Stone e Rachel Weisz, levam a história para “porto seguro”.

Estas três atrizes merecem todas as nomeações que receberam até agora. Colman oferece uma prestação hilariante e emocionalmente pesada ao mesmo tempo, interpretando Anne. Uma rainha incrivelmente frágil, com um passado chocantemente traumático, cujo amor e carinho estão a ser manipulados por Abigail e Sarah.

A maioria dos risos que A Favorita dá provêm de Anne e do seu comportamento mesquinho para com os seus servos. Colman entrega-se de corpo e alma ao seu papel, adicionando mais um desempenho fantástico para a sua carreira esplêndida. Weisz é simplesmente perfeita. O arco de Sarah é o oposto de Abigail em quase todos os sentidos e Rachel é extremamente precisa naquilo que deseja transmitir para o ecrã. Ela não tem um momento claro em que brilha como Stone ou Colman, mas é uma prestação consistente e robusta de uma atriz que precisava de um regresso a um grande filme.

No entanto, é Emma Stone que brilha com uma inacreditável variedade de emoções e expressões. A sua performance em La La Land é incrível, mas como Abigail é excecional. A atriz lida com a mudança de personalidade da sua personagem com uma transição impecável e a única razão pela qual ela provavelmente não vai ganhar o Óscar é devido à campanha de apoio a Regina King (If Beale Street Could Talk). Abigail é a personagem que move a história para a frente, tentando roubar o lugar de Sarah perto da rainha. As suas manobras inteligentes e manipuladoras são extremamente cativantes, bem como a sua vontade em ganhar o amor de Anne.

M98C9WqEc 5x9hgDlCny6yXK51ZeevMNZi ZheGbALLXvkx3Krr2fUSwXpb8PPjzETNSDG0zw8TG cTw10kuxI3GIAf9s 3REsoF0lvgu4e6xTc1Og2UlKyAxJJxxwChhpGNabL =w2400

Tecnicamente, A Favorita é, sem dúvida, um dos melhores filmes do ano passado. A impressionante produção e cenografia, mais a banda sonora viciante, definitivamente elevam o filme, mas o guarda-roupa conta uma história inteira através dos vestidos das personagens durante toda a sua duração. O argumento é notavelmente bem escrito, repleto de diálogos complexos e vários twists, que levam as personagens através de arcos agitados.

No entanto, o filme parece um pouco longo demais e a história deixa cair os seus níveis de interesse durante a transição do segundo para o terceiro ato.

Se são simples membros de audiência que vão ao cinema para comer pipocas enquanto são entretidos, A Favorita dificilmente irá fazer-vos comer o balde inteiro; por outro lado, se assistem a filmes com um olhar mais analisador e souberem dar valor aos seus atributos técnicos, então irão ficar tão maravilhados quanto eu.

[yasr_overall_rating null size=”large”]
- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

Crítica – The Conjuring: The Devil Made Me Do It

The Conjuring: The Devil Made Me Do It é, sem dúvida, a parte mais fraca da trilogia, mas continua bem longe do nível de "horrível" dos piores filmes desta saga de horror.

Crítica – A Quiet Place Part II

A Quiet Place Part II é "menos" do que o seu antecessor em quase todos os elementos, mas continua a ser uma das melhores sequelas do género de horror.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Está proibida a circulação de e para a Área Metropolitana de Lisboa ao fim de semana

A medida entra em vigor já esta sexta-feira, às 15h.

Já se pode comprar detergentes a granel em todas as lojas Go Natural de Portugal

A venda de detergentes a granel na Go Natural traz maior poupança ao cliente, com a redução de pelo menos 13% no preço.

Telepizza abre lojas em Santo Tirso e Taveiro

São já 143 espaços a nível nacional.