Bora. Nova plataforma TVDE é 100% portuguesa

A Cabify até pode ter desistido no nosso país, mas há já uma empresa que vem ocupar esse lugar. Chama-se Bora e é a nova plataforma TVDE 100% portuguesa que começou agora a ser divulgada aos motoristas.

- Publicidade -

Para já, sabe-se que a Bora serve as cidades de Lisboa, Vila Franca de Xira, Mafra, Ericeira e, mais a sul, Barreiro, Alcochete, Montijo, Sesimbra, Setúbal e ainda o grande Porto. Dizem os responsáveis que a plataforma se destaca “pelo seu modelo de negócio socialmente responsável, não só pela sua presença e contributo fiscal, mas também por operar com uma equipa local”. Portanto, resta saber se apenas terá motoristas portugueses, ou se, tal como as outras plataformas, irá aceitar pessoas de outras nacionalidades.

No site oficial, pode ler-se que a aplicação terá sempre motoristas disponíveis “a qualquer hora, em qualquer lugar, todos os dias” e “sem custos de espera”. Também no site podem fazer login na vossa conta, embora tenham somente acesso ao básico, como alterar a password, o número de telemóvel ou editar os dados de faturação.

Há erros de tradução e textos não finalizados no site da Bora

A apresentação do Bora não é a mais profissional. Não só o site parece algo confuso, contendo elementos bastante diferentes uns dos outros, como não se encontra acabado, apresentando textos que não estão finalizados ou que não foram traduzidos. Basta seguirem este link e explorarem as opções para perceberem do que estamos a falar.

Mas foquemo-nos na app, que é onde tudo acontece. Se estiverem numa das cidades cobertas pelo serviço, terão à disposição três modalidades diferentes:

  • Básico – Um veículo de três lugares. O preço base, ou seja, o mínimo a pagar é de 2,28€, sabendo-se que o preço por km é de 0,45€ + 0,08€ por cada minuto de viagem;
  • Premium – Um veículo de quatro lugares. O preço base, ou seja, o mínimo a pagar é de 2,46€, sabendo-se que o preço por km é de 0,50€ + 0,10€ por cada minuto de viagem;
  • Urban XL – Um veículo de seis lugares. O preço base, ou seja, o mínimo a pagar é de 3,45€, sabendo-se que o preço por km é de 0,85€ + 0,12€ por cada minuto de viagem;

Apesar de, no site, não existir essa referência, existe também a opção VIP na app, que é, claro, mais cara.

Na Bora ainda não existem tarifas dinâmicas, mas é algo que entrará em vigor em junho de 2020.

Fizemos uma ou outra simulação e constatámos que, de facto, a Bora parece ser mais barata que as concorrentes. Porém, o preço indicado na app não é o final, mas sim uma estimativa.

É que, ao simularmos uma viagem e escolhermos uma das três opções diferentes, veremos uma mensagem que diz o seguinte: “Esta tarifa é baseada em nossa estimativa. Isso pode variar durante a viagem e a tarifa final”. Não só isto nos deixa de pé atrás, como a linguagem utilizada faz-nos acreditar que não se trata de uma plataforma 100% portuguesa.

Na Bora também são cobradas taxas, tanto pelos minutos de espera dos motoristas, como pelo cancelamento da viagem. No caso do tempo de espera, existe nesta plataforma TVDE, tal como nas outras, dois minutos em que o motorista aguarda de forma gratuita. Porém, se o passageiro se atrasar, serão cobrados 0,25€ por cada minuto a mais.

Já se uma viagem for cancelada cinco minutos após a chegada do motorista ao local de recolha, serão cobrados 2,50€ aos clientes. Porém, a app não fala daqueles casos em que os motoristas se atrasam e não estão no local de recolha na hora prevista.

Há também algo a ter em consideração, que são as taxas de estacionamento e portagens. Por exemplo, “em Lisboa e no Porto as tarifas NÃO são automaticamente adicionadas ao valor final da viagem. Na maioria das cidades, tarifas de parque e portagens (taxa extra) são automaticamente adicionadas à tarifa do passageiro, quando um motorista passa por uma estrada com portagem ou estiver estacionado numa área onde seja cobrada uma taxa”, segundo podemos ler no site.

Um exemplo que a Bora dá é no caso da ponte 25 de Abril, em que “só é cobrada a portagem quando a mesma existe, sendo que apenas é cobrada quando a viagem é feita de sentido Sul para Norte da ponte 25 de Abril”.

Para que se possam fazer os pagamentos, basta adicionar os detalhes de um cartão bancário. Curiosamente, a app tem também disponível uma carteira, onde podemos carregar a nossa conta com um montante mínimo de 10€. Porém, ficámos sem perceber qual é o real objetivo desta carteira, uma vez que, para carregar o saldo, é necessário adicionar um cartão bancário… que pode ser logo utilizado para pagar viagens.

Outra coisa que não percebemos são as recomendações. Normalmente, quando damos o nosso código a alguém, o objetivo é que essa pessoa ganhe também descontos na primeira ou primeiras viagens. Aqui isso (aparentemente) não acontece. Fizemos o teste e demos o nosso código (pr1494) a um amigo. A nossa conta ganhou somente 1€ na carteira (o que é consideravelmente mais baixo relativamente aos valores da concorrência), ao passo que o nosso colega não ganhou nada. Portanto nós perguntamos: se o objetivo é não dar qualquer valor a novos utilizadores, qual a razão de existirem códigos de convite?

Além disso, e ainda na questão da carteira, a própria app contradiz-se. Em espanhol, diz-nos que, de momento, só é possível carregar a carteira através de recomendações, mas isso não é verdade, pois é perfeitamente possível adicionar determinado montante através do nosso cartão bancário. Existem aqui detalhes que não fazem qualquer sentido.

Por último, e apesar da app referir uma série de cidades cobertas pelo serviço, a verdade é que, nas simulações que fizemos, apenas encontrámos um carro disponível… Tentámos uma viagem e, claro, não conseguimos. Queremos acreditar que a existência de somente um veículo deve-se ao facto da Bora ainda estar a tentar arranjar motoristas.

Em todo o caso, a app precisa de muito trabalho. A imagem não é apelativa, a linguagem utilizada está longe de ser a indicada (textos mal trabalhados e traduções mal feitas tanto no site como na app), os códigos de convite não têm razão de existir e também não conseguimos perceber o que pretendem ao certo com a existência da carteira digital.

Em relação aos motoristas, a Bora cobra 15% de comissão + 23% de IVA do preço final, por pedido.

Resta dizer que a Bora está disponível para Android e iOS, embora, no caso da aplicação para o sistema operativo da Apple, exista app para motoristas… mas não para utilizadores.

- Publicidade -

9 Comentários

  1. Por este caminho o serviço de TVDE vai atingir uma qualidade ainda pior que o táxi,

    Torna-se impossível manter qualidades, viaturas e motoristas com estes preços
    Para se facturar um valor aceitável é necessário trabalhar no mínimo 10 horas por dia 7 dias por semana.

    Neste país tudo se faz em cima do joelho,
    Para o governo o que importa é os 2,3 milhões faturados em 2019,
    O facto das plataformas descerem os preços quando lhes apetece não é importante.

    Em Novembro de 2019 já eram 21000 motoristas e 7000 empresas
    A caminho do suicídio.

  2. Mais uma para explorar os motoristas. Pensam sempre no preço a cobrar mas nunca o que o motorista leva pra casa. Há muitos casos e são a maioria, que nem 600 levam por mês para casa, e istoa trabalhar mais de 70horas semanais.

  3. Bora mas é manda los embora. Já chega de aplicações que não o devido valor ao motorista. O qual dedicado e empenhado em fazer sempre um bom trabalho pela sua aplicação parceira. Se houver equilíbrioe honestidade saímos todos a ganhar dito plataforma clientes e nos motoristas. Que ao fim ão cabo somos o coração que faz bater estas empresas em rumo ao sucesso. Bem haja a todos.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,987FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
784SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Concerto dos Iron Maiden em Portugal adiado para 2022

Uma consequência do adiamento da tour Legacy of the Beast, reagendada para o próximo ano.

Russ de regresso a Portugal em 2022

O rapper norte-americano vai atuar na Altice Arena, em Lisboa.

Oficial: Fórmula 1 regressa a Portugal este ano

Novamente no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão.

The Weeknd anuncia data extra para Portugal

Isto após o primeiro concerto ter esgotado num ápice.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo álbum de Chet Faker chega em julho

Nick Murphy retomou o aclamado projeto Chet Faker em outubro de 2020, após um hiato de seis anos.

La Picanha ganha novo espaço em Setúbal já em maio

Vai ter uma mega esplanada, o que é ótimo tendo em conta a pandemia.

Fórmula 1 – Grande Prémio de Emilia Romagna com emoção até à última volta

Depois de 15 dias de pausa, a prova rainha do desporto automóvel está de regresso para o Grande Prémio de Emilia Romagna, em Itália.