Banda sonora do filme “Variações” já está disponível

É desde a passada sexta-feira, 23 de agosto, que todos podem ouvir a banda sonora do filme Variações.

A produção musical coube a Armando Teixeira (Balla), que, através das famosas cassetes de António Variações, deu corpo às músicas que ele gravara na garagem, com músicos amadores, no final dos anos 70.

A banda sonora, composta por 10 faixas, tem temas como “Toma o comprimido”, “Teia”, “Perdi a memória”, “Canção de engate” ou “Na Lama”, além de um inédito, ao qual chamaram “Quero dar nas vistas”. E sim, a cantar temos Sérgio Praia, ator que dá vida ao icónico artista no grande ecrã.

Variações estreou na passada quinta-feira e, em apenas quatro dias, conseguiu levar cerca de 50 mil pessoas às salas de cinema.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,558FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
610SeguidoresSeguir

Relacionados

Protagonista e realizador de Variações vão estar em direto nas redes sociais da TVCine

Não há duvidas que foi um dos grandes filmes de 2019 e, também, da história mais recente do cinema português.

Half-Life chega ao Spotify

Half-Life: Alyx é o novo episódio da saga que teima em não terminar a sua trilogia e para comemorar a sua chegada, a Valve disponibilizou um docinho auditivo para os fãs.

Doom Eternal vai ter uma banda sonora com coros de metal

Tal como o original de 2016, Doom Eternal volta a apostar numa banda sonora composta por fusão de géneros dentro do heavy metal.

Hans Zimmer vai compor a banda sonora de No Time to Die

Como é que seria o icónico tema do 007, se fosse Hans Zimmer a faze-lo? Parece que vamos descobrir muito em breve, pois o músico alemão é o novo compositor de No Time to Die.
- Publicidade -

Mais Recentes

ZenZoe. Chegou a Portugal o robô que desinfeta áreas e objetos propícios à transmissão de COVID-19

O ZenZoe foi desenvolvido pela ASTI Mobile Robotics, empresa de tecnologia e robótica sediada em Espanha,...

Crítica – The King Of Staten Island

The King Of Staten Island emprega uma fórmula muito conhecida (e demasiado utilizada) que se estende em demasia, mas Judd Apatow equilibra-a com um sentido de humor negro com a ajuda dos seus co-argumentistas.

Análise – Mr. Driller DrillLand

Uma remasterização do clássico de 2002 que pouco adiciona ao original no que toca a conteúdos.