Análise – WRC 8

Depois de uma bizarra ressurreição de V-Rally, em 2018, a Kylotonn regressa à série WRC que tem produzido desde 2005.

Com dois anos a separar WRC 8 do seu antecessor, o jogo oficial do Mundial de Rally chega com muitas novidades e de cara lavada, visuais melhorados, mas, acima de tudo, com uma jogabilidade impecável.

Enquanto que a série concorrente da Codemasters, DiRT, se divide agora em lançamentos dedicados ao arcade e à simulação, a Kylotonn mostra que é possível ter um jogo convidativo aos vários tipos de jogador, sem, com isso, sacrificar a ambição de criar um jogo autêntico e desafiante.

Desde muito cedo que WRC 8 faz aquilo que qualquer jogo, independentemente do género, deve fazer: dá-nos o controlo e convida-nos a experimentar as suas mecânicas. Isto é feito com um test drive ao volante de um Toyota Yaris WRC, que serve não só para experimentarmos todas as opções ao nosso dispor, mas, acima de tudo, sentirmo-nos confortáveis no papel de piloto, ajustando as nossas habilidades ao nível de desafio correto.

WRC 8

Com opções de “simulação” tradicionais, como o uso do controlo de tração, ABS, nível de danos, entre outros, o jogo molda-se de forma a dar uma experiência mais próxima da autêntica, tornando-se mais ou menos tolerante às travagens antes das curvas, ou ao eventual descontrolo em situações mais delicadas, isto sem nunca ocultar o perigo de ter acidentes ou de ter penalidades ao sair da estrada. A adrenalina da condução e o perigo são constantes, seja nas lamas das provas britânicas ou nas apertadas curvas fatais de Monte-Carlo.

WRC 8 apostou numa maior variedade de pisos e introduziu um sistema de clima dinâmico, duas características que vão afetar o percurso das nossas provas e da carreira de formas surpreendentes. Numa prova, o clima pode ficar extremamente agressivo e deitar por água a decisão tomada nas boxes para o determinado uso de um tipo de pneus, que nem os parâmetros de dificuldade mais baixa são capazes de impedir.

Seja com o comando ou com o teclado e rato (no PC), com ou sem ajudas, WRC 8 joga-se de forma fantástica com um equilíbrio perfeito entre a diversão do arcade e o risco da simulação. E, para os mais exigentes, não podia faltar a compatibilidade com volantes para o efeito, que encontram aqui parâmetros de afinação dedicados.

As câmaras de condução também têm aqui a possibilidade de serem ajustadas, dentro ou fora do veículo, de forma a tornar a experiência mais confortável.

No fundo, todas as alterações que podem ser feitas para melhorar o conforto do desporto ou a adrenalina das corridas são elementos de roleplaying. Ou seja, ao invés de construirmos uma personagem para o jogo, construímos o jogo para nós. A condução dos carros, como seria de esperar, faz-se sentir bem. Os carros de WRC mostram as suas características de alta performance, os de Junior WRC são mais acessíveis e os carros mais antigos, como o lendário Stratos, contemplam a sua força animalesca.

A variedade de carros, porém, não é das mais extensas. A seleção de carros na categoria principal e de WRC são virtualmente as mesmas, com a Junior WRC a ser composta apenas por Ford Focus, e os especiais, por defeito, apenas encontram quatro veículos prontos a serem usados.

WRC 8

Já no que toca a localizações, a história é outra. Entre os saltos e retas de Fafe, as pistas de terra batida da Turquia, as zonas geladas da Suécia e as curvas vertiginosas de Monte Carlo, somam-se todas as provas principais do Mundial de Rally com pistas detalhadas, cheias de elementos únicos e dinâmicos que lhes dão uma variedade que, ultimamente, nem a concorrência tem conseguido fazê-lo. Isto torna, obviamente, a carreira bastante emocionante e pouco aborrecida, trazendo-nos aquele sentimento de progresso bem old-school.

O modo como a carreira funciona é outra novidade que vai buscar notas a outros jogos de corrida e desporto, onde a gestão e manutenção dos carros e da equipa é importante para o nosso sucesso. Podemos escolher objetivos a atingir, quais as pessoas e elementos mais importantes para a nossa equipa, podemos desbloquear melhorias através de uma arvore de habilidades e, entre esta gestão toda, temos uma pista estilo “open-world” onde podemos treinar os nossos dotes de piloto com o nosso carro.

Com modos de jogo mais arcade de escolher a pista e correr, um multijogador de ecrã dividido e, em breve, um modo multijogador online, há muito para explorar no jogo. Em todo o caso, o mais interessante são mesmo os desafios que nos convidam a bater os recordes dos pilotos reais em provas reais. Essas provas vão sendo atualizadas e estarão ativas durante um tempo limitado, pelo que poderemos comparar o nosso desempenho com jogadores de todo o mundo.

Claro que não se pode esquecer a apresentação do jogo, que se encontra entre as melhores do género. Num PC modesto, o jogo brilha, contando com visuais muito bem conseguidos que dão destaque aos modelos detalhados dos carros, dentro ou fora deles, e à diversidade dos ambientes. Não há propriamente um registo estilístico, com WRC 8 a apostar no fotorrealismo à luz dos nossos olhos, sem uma apresentação cinemática ou forçada.

WRC 8

Isto resulta num jogo com efeitos bastante realistas, como faíscas que levantam com embates e raspões, poeira e neve levantadas a alta velocidade, a escuridão da noite que só deixa observar os faróis e aquilo que iluminam… Há muitos efeitos que tornam o jogo realista sem destoar ou causar estranheza. Tudo isto é acompanhado apenas com o som dos motores, com alguma música genérica a surgir no simples modo replay e menus do jogo.

Com WRC 8, a Kylotonn redime-se bem do estranho V-Rally 4 e apresenta um jogo digno do selo do Mundial de Rally. Sem grandes falhas para apontar o dedo, WRC 8 mostra, ainda assim, algum espaço para melhorar, quer a nível apresentação ou até mesmo de conteúdo. Mas para aquilo que pretende ser, esta iteração é um passo na direção certa, deixando-nos muito interessados no que WRC 9, 10 e outros poderão trazer para cima da mesa.

WRC 8 já está disponível para PC, PlayStation 4 e Xbox One.

WRC 8
Nota: 7/10

Este jogo (versão PC) foi cedido para análise pela UpLoad Distribution.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,843FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

Análise – Xiaomi Mi True Wireless Earphones

Apesar do design um pouco mais robusto e a curta autonomia apresentada, o preço dos Xiaomi Mi True Wireless Earphones faz com que sejam uma opção a ter em conta.

Análise – Angry Video Game Nerd 1&2 Deluxe

Está na hora de regressarmos ao passado para jogarmos dois jogos que pensávamos estarem perdidos no tempo!

Análise – FIFA 21

FIFA 21 vem com muitas novidades e algumas melhorias face ao capítulo anterior, mas falha onde não pode: dificuldade da AI da consola em jogo offline.

Análise – Foregone

Um bom jogo de ação e plataformas que podia ter sido excelente.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Franquia Power Rangers vai ganhar filmes e séries à semelhança do MCU

O objetivo é ter um universo que se conecta ao longo das diversas adaptações, seja para o grande ou pequeno ecrã.

Análise – Xiaomi Mi True Wireless Earphones

Apesar do design um pouco mais robusto e a curta autonomia apresentada, o preço dos Xiaomi Mi True Wireless Earphones faz com que sejam uma opção a ter em conta.