Análise – Razer Barracuda X

Os novos auscultadores sem fios da Razer para jogadores são excelentes e o seu preço acessível é apenas uma das cerejas no topo do bolo.

- Publicidade -

Chegámos a um ponto em que os nossos gadgets usam quase todos os mesmos tipos de interface. Wi-Fi, Bluetooth e USB são exemplos de ligações comuns que potenciam a utilização de periféricos universais, podendo ser usados em qualquer lado.

Com as entradas USB-C a tornarem-se extremamente populares pela sua dimensão reduzida e formato universal, a nova aposta da Razer em áudio vem mesmo tirar partido do tal potencial: o de poder ser usado em quase todos os equipamentos. Chama-se Razer Barracuda X e é uma aposta para os jogadores mais ativos, agnósticos a plataformas, que querem jogar em todo o lado e continuar a usar um único par de auscultadores, poupando assim também um pouco na carteira.

Razer Barracuda X

Esta solução 4-em-1 é plug and play e permite a sua utilização em virtualmente todos os dispositivos com USB: PCs, consolas PlayStation, Nintendo Switch e dispositivos Android. Despidos dos extras tradicionais para gamers, como o suporte RGB ou designs arrojados, os Razer Barracuda X apostam no simples e eficaz, do design à função.

Adotando o design das apostas de Lifestyle, como o da linha Razer Opus, os Razer Barracuda X apresentam-se logo com um aspeto moderno e sóbrio, com linhas sólidas, redondas e alguma simetria, passado bem despercebido ao pé de outras apostas mais casuais, tornando-se também um belo companheiro para usar no dia-a-dia ou na rua para além do seu foco primário, os videojogos.

O uso de materiais de alta qualidade também se destaca, com o seu corpo todo em plástico maleável de alta qualidade, aliado à leveza, pesando exatamente os 250g propostos pela marca. Como a linha Opus, o conforto é óbvio, abraçando bem a nossa cabeça com a pressão certa para se apoiarem, ao mesmo tempo que se tornam “invisíveis”. Há também que destacar as suas almofadas de memória, com padrão respirável, que mantêm as nossas orelhas frescas e bem isoladas.

A Razer volta aqui a apostar nos seus drivers Triforce de 40mm, o mesmo tipo de drivers usados nas soluções para jogadores como os Razer Blackshark V2 Pro, mas aqui um pouco mais compactos. A experiência é fantástica, muito graças aos três drivers dedicados a diferentes frequências: altos, médios e baixos, resultando numa experiência clara e distinta em qualquer conteúdo, sejam jogos, filmes ou músicas.

Os baixos são, como já seria de esperar, bastante notórios, mas ajudam a dar corpo à experiência, ao mesmo tempo que temos um excelente alcance, envolvência e acústica muito semelhante a auscultadores com cúpulas maiores. E mesmo com a ausência de licenças THX (que pode ser adquirida à parte com 50% de desconto), os Razer Barracuda X contam com surround sound 7.1, onde pude tirar partido do Dolby Atmos ou do Windows Sonic for Headphones, aumentando a experiência de áudio espacial, especialmente em conteúdos com vários canais.

Ainda no que toca à experiência gaming, os Razer Barracuda X contam com um microfone destacável proprietário, um Razer Hyper Cardioid Mic, também utilizado noutras soluções da marca, que prima pela capacidade de deteção da voz mais facilitada. A qualidade é ótima para sessões de jogo, com pouca captura de ruído, mas também pode ser utilizado para fazer chamadas quando temos o par ligado a um smartphone.

Mas onde os Razer Barracuda X brilham é na versatilidade, mesmo com as suas limitações de ligações, pois os Razer Barracuda X não contam, por exemplo, com ligação Bluetooth. Pelo corpo do par podemos ver logo o quão versátil os Razer Barracuda X podem ser, pois temos uma ligação áudio física de 3.5mm que, com o cabo incluído, podemos ligar onde quisermos, seja a um comando de consolas (incluído os da Xbox), smartphones e tablets com jack 3.5mm, computadores… enfim, onde quiserem, tornando-se automaticamente universal.

Já no que toca à experiência wireless, a Razer oferece aqui algo transversal ao máximo de equipamentos, tudo graças a um pequeno adaptador USB-C que pode ser ligado a PCs, smartphones Android, à Nintendo Switch e às consolas PlayStation, com destaque para a PlayStation 5 com a sua porta USB-C frontal. A sua utilização é literalmente plug-and-play, trocando o pequeno adaptador entre dispositivos de forma simples e sem qualquer tipo de configuração. É fantástico. E no caso de o dispositivo em questão não ter uma porta USB-C, a Razer inclui ainda uma extensão de ligação a USBs normais.

Esta ligação sem fios tira partido da tecnologia Razer HyperSpeed Wireless de 2.4Ghz, o que significa que não temos qualquer tipo de Lag. Esta é uma das razões para a ausência do Bluetooth, que é suscetível a atrasos inconvenientes, especialmente em experiência de jogo.

Também impressionante é o tempo de vida útil da bateria, a apontar para as 20 horas. Na prática traduz-se a 2-3 dias de utilização intensiva, algo que é ajudado pelo sistema de auto turn-off, quando é detetada a ausência de áudio.

Mas a cereja no topo do bolo, e algo que nem tinha presente enquanto utilizava os Razer Barracuda X, é o seu preço recomendado de 99,99€. É ridículo, no bom sentido, considerando a experiência geral dos Razer Barracuda X e da sua utilização virtual e quase sem limites, entre tantos equipamentos. Não há outra forma de qualificar os Razer Barracuda X a não ser como excelentes.

Recomendado

Este dispositivo foi cedido para análise pela Razer.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Análise – Jabra Evolve2 30

Forma e função num par de auscultadores destinado a quem passa muito tempo a trabalhar em frente ao PC.

Razer invade Genshin Impact com produtos temáticos

Para que os fãs se sintam ainda mais dentro do mundo da miHoYo.

As novas barras de som da Trust apostam no gaming e no RGB

As novidades da Trust são tão coloridas como sonoras. Neste caso, temos duas novas barras de som para juntar ao setup dos jogadores.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Já podem ter uma linha de cosmética masculina do Benfica

Podem já guardar como prenda de Natal.

Cyberpunk 2077 e The Witcher 3 na nova geração em 2022

A promessa das atualizações para as novas consolas estava prometida para este ano.

Lançada 2ª edição dos Clubes Ciência Viva na Escola

Os Clubes Ciência Viva promovem, dentro das escolas, o contacto dos estudantes com a ciência e a tecnologia.