Análise – Razer Opus

A nova aposta da Razer focada em Lifestyle é, sem dúvida, uma vitória.

Razer Opus
- Publicidade -

Não é a primeira vez que a Razer testa as águas no mundo mais mainstream do lifestyle. Ainda que presa ao público gamer, os seus equipamentos e periféricos começam a ganhar espaço nas mãos de até quem não está só interessado nos videojogos.

Mas a mais recente aposta da tecnológica deixa o mundo do gaming quase todo de fora e dedica-se ao utilizador com um estilo de vida mais ativo. Tratam-se dos auscultadores Razer Opus, estando em condições de fazer braço de ferro com marcas como a Sony, Bose, Sennheiser e até a Microsoft, que também já tem soluções com Cancelamento de Ruído Ativo.

Extremamente premium até na experiência de os tirar da caixa, os Razer Opus gritam “classe”. São sóbrios, discretos, com umas linhas delicadas e um design muito moderno. Para trás ficam acentos arrojados, cores gritantes e LEDs luminosos, oferecendo um equipamento digno de ficar à mostra na mesa da sala, onde os únicos destaques visíveis são a marca da Razer e o selo de THX.

Não contam com um design de destaque, até porque utilizam uma forma muito comum, mas os Razer Opus têm potencial de se tornarem num produto icónico, graças a um pequeno toque mais desportivo com as suas cúpulas posicionadas num ligeiro ângulo.

E se na sua apresentação parecem ótimos, o mesmo pode dizer-se da qualidade do material, com plásticos de alta qualidade e almofadas suaves. Ao segurar e pegar, percebemos que este não é, de todo, um produto barato e frágil.

A natureza dos seus materiais conferem ao Razer Opus uma grande maleabilidade, em particular na sua banda, que é aumentada com a possibilidade de estendermos os braços e rodarmos as cúpulas para colocar os auscultadores ao peito ou para colocar na bolsa de transporte incluída.

Razer Opus

Por falar em extras, o Razer Opus vem cheio deles, ou pelo menos os essenciais para se tornarem ultra versáteis, como um pequeno cabo USB-C com adaptador USB-A para carregamentos, um cabo de áudio para ligar a saídas de auscultadores a todo o tipo de dispositivos, incluindo consolas e seus comandos, e ainda um airplane adapter.

Apesar de muito útil, não posso dizer que seja fã desta bolsa incluída. Mesmo contendo compartimentos para os cabos e acessórios, colocar os auscultadores dentro desta pode ser, no início, uma pequena tourada, até que eventualmente se consiga dobrar os Razer Opus.

Mas regressando ao que interessa, comecemos pelo conforto. Com drivers de 40mm, as cúpulas do Razer Opus são relativamente pequenas, mas, felizmente, graças às almofadas para as orelhas, ficam bem abraçadas e encaixadas. A pressão feita pelos auscultadores é muito confortável e o suficiente para manter os Razer Opus nas nossas cabeças sem perigo de queda. São simplesmente fantásticos.

O único senão é que, ao contrário de muitas das soluções áudio da Razer, o Opus é capaz de ficar desconfortável ao fim de longos períodos de utilização devido ao suor que pode produzir. Contudo, tenham em mente que estes auscultadores foram desenhados para uma utilização mais contida e casual.

Onde o Razer Opus ganha, também, muitos pontos, é nas ligações e nos controlos. Tudo se concentra no lado direito, ficando ao alcance de uma mão. Lá teremos a porta USB-C que permite o carregamento (que dura cerca de quatro horas até os 100%), mesmo em utilização, a ficha de 3.5mm para áudio e, por fim, os seus controlos simplificados, mas extraordinariamente intuitivos.

Razer Opus

Temos o botão de ligar e desligar que, ao pressionar, serve para emparelhar e, ao fazer duplo clique, permite alternar entre modos de cancelamento de ruído. Temos depois os botões de volume, fáceis de identificar, e um botão central que permite a pausa e o play, avançar e retroceder faixas e até atender chamadas, dependendo do número de cliques feitos, de timings muito bem afinados e fáceis de aprender. E como extra, há ainda um modo Gaming escondido nesse botão que diminui a latência do sinal. Algo que se revela útil em jogos, seja no smartphone ou no PC, mantendo a ação ainda mais sincronizada com o som.

Com uma bateria bem forte capaz de atingir, segundo a Razer, 25 horas num único carregamento, com ANC ligado, os Razer Opus parecem não apresentar grandes compromissos, com uma solução completa num pacote relativamente simples. As 25 horas de utilização traduzem-se, na prática, em vários dias de utilização sem criar ansiedades. Provavelmente na prática até poderão ser mais ou menos horas, mas, na minha experiência, nem senti necessidade de verificar quanto faltava de bateria. Um único carregamento deu-me para usar uma semana inteira… e ainda sobrou.

Infelizmente, não há muito como saber quanta bateria é que nos resta. O Razer Opus tem um LED que nos indica quando está a carregar e quando está no fim e, através da aplicação para smartphone da Razer, temos um pequeno ícone de bateria capaz de nos dar mais ou menos uma noção. Em todo o caso, a melhor maneira de saber ao certo é com o Razer Opus ligado a um PC, onde é apresentada uma percentagem aproximada, ou através da definições Bluetooth num smartphone Android.

E chegamos finalmente ao grande destaque dos Razer Opus, a qualidade. Como seria de esperar, é excelente. O som é mais equilibrado e sente-se a falta dos baixos exagerados dos produtos gaming da Razer, mas isto dá, também, uma maior facilidade ao utilizador para criar e ajustar perfis em diferentes equalizadores e softwares. O som é claro e nítido, envolvente e muito confortável, e ajusta-se facilmente a qualquer género de música ou conteúdo que queiram ouvir.

Em cima da excelente qualidade temos ainda o maravilhoso Cancelamento Ativo de Ruído (ANC). Numa palavra? Magia. O Razer Opus conta com três modos, o desligado, o de ambiente (permite ouvir sons em nosso redor) e aquele que vamos querer ter sempre ligado, o de cancelamento.

Existe um pequeno “ruído” como um vento que nos sopra quando está ligado, sendo de fácil reconhecimento, mas que desaparece assim que uma música começa a chegar ao nosso ouvido. Tudo desaparece. Tudo mesmo. Acidentalmente, na primeira vez que usei estes auscultadores, tinha um aspirador a funcionar ao meu lado e, de um momento para o outro, foi como se ele estivesse desligado.

Posso dizer que foi uma excelente primeira impressão, algo que se manteve ao longo dos dias de utilização, que resultaram em pequenas peripécias, como sustos quando alguém entrava na sala ou me vinha tocar ao ombro. Graças ao cancelamento ativo de ruído do Razer Opus, estes auscultadores acabam por oferecer uma das experiências mais imersivas que já experimentei.

A Razer costuma ser pouco generosa com o preço dos seus produtos mais premium, pelo que é com alguma surpresa que vejo os Razer Opus a partir de 209,99€ na loja oficial. É verdade que não são propriamente baratos, mas a experiência, versatilidade, a qualidade e a promessa cumprida fazem-no valer todos os cêntimos. É um pacote completo, competitivo e que, dificilmente, desapontará os curiosos e alguns utilizadores mais exigentes, pois a primeira aposta da Razer focada em Lifestyle é, sem dúvida, uma vitória.

Nota: Excelente - Recomendado

Este dispositivo foi cedido para análise pela Razer.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,948FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Vem aí a primeira Razer DevCon

Acontece em maio e é dedicada a produtores e programadores.

Análise – Anodyne 2: Return to Dust (Xbox One)

Uma viagem emocional e marcante por um mundo coberto de pó e cinza.

Análise – Energy Sistem Headphones BT Travel 5 ANC

O cancelamento de ruído (ANC) ainda precisa de ser trabalhado, mas a nitidez do som surpreende.

Razer Kiyo Pro é a nova webcam multiusos da marca

A nova câmara aposta na utilização a nível profissional.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

The Black Mamba vencem Festival da Canção 2021

A banda vai representar Portugal no Festival Eurovisão da Canção deste ano, a acontecer em Roterdão, na Holanda.

Crítica – WandaVision (Temporada Completa)

WandaVision é tão estranha e misteriosa como se antecipava. Elizabeth Olsen brilha.