- Publicidade -

Análise – Crash Team Racing Nitro Fueled

-

Colorido, divertido, intenso e, por vezes, imperdoável. É assim que Crash Bandicoot regressa às consolas, com a recriação do clássico da PlayStation 1 de Crash Team Racing.

Agora na geração atual e a cargo da Beenox, temos Crash Team Racing Nitro Fueled, disponível para PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch, com um remake do original que inclui ainda o melhor de sequelas desenvolvidas já fora das mãos da lendária Naughty Dog (Crash Bandicoot, Jak and Daxter, Uncharted, The Last of Us).

Apesar de ser para miúdos e graúdos, Crash Team Racing Nitro Fueled tem um público alvo muito específico: os jogadores old-school, daquela geração que perdia horas e horas com o comando da PlayStation 1 na mão ao tentar bater todos os tempos e que, eventualmente, ganhou habilidades e tempos de reação úteis para outros jogos, ao longo das quatro gerações que separam o original do remake.

Quem entrar em Crash Team Racing Nitro Fueled à espera de ficar em primeiro nas primeiras corridas sem grande esforço vai ficar surpreendido. Este remake é super desafiante, com a recriação, quase ao milímetro, das pistas com as suas curvas e atalhos do original e uma sensação de velocidade e de controlo mesmo à antiga. O caminho para a vitória faz-se através da tentativa e erro, e do estudo das pistas, enquanto que, ao mesmo tempo, tentamos evitar ataques dos oponentes e nos habituamos ao sistema de turbo do jogo.

Com todos os elementos clássicos de um jogo de karts, Crash Team Racing Nitro Fueled preserva a sua jogabilidade simples, mas profunda. Todas as curvas são uma oportunidade de pôr o nosso kart de lado e tentar ativar o boost no momento certo, assim como todas as rampas e elevações que nos dão aquele turbo extra. Requer algum hábito, mas é super intuitivo e torna as partidas bem mais interessantes e intensas.

Como manda o género, temos as caixas com poderes especiais, que nos dão proteções, projeteis, turbos e armadilhas, o suficiente para nos ajudar a ganhar vantagem face à inteligência artificial dos oponentes, que se apresenta bastante desafiante, e que, por vezes, parece que se junta em grupo só para nos parar e mandar para o fim da tabela.

Temos também um modo de aventura que pode ser jogado de duas formas diferentes: o Clássico, onde usamos sempre a mesma personagem sem personalização ou escolha de dificuldade durante a campanha, ou o Nitro Fueled, com essas capacidades ativas, em que a progressão principal do jogo é feita através de um conjunto de pequenos mundos onde acedemos a vários eventos com diferentes desafios que temos que completar para abrir as portas para novas áreas.

Enquanto que as corridas e alguns desafios contra outros oponentes são acessíveis e bem divertidos, encontram-se frustrações nos eventos de corrida contra o tempo ou de captura de itens, uma vez que os seus limites não permitem muita margem para erro e obrigam a que sejam completados na melhor posição, mesmo nas dificuldades mais baixas. E isto é algo que é capaz de desmotivar alguns jogadores a progredirem ao longo do jogo.

Quer no modo Nitro Fueled na parte da aventura, quer nos restantes modos competitivos e de arcada do jogo, podemos personalizar as nossas personagens com diferentes karts e versões alternativas dos nossos pilotos. A lista de desbloqueáveis é extensa e existe ainda uma loja que permite a compra de novos itens com moedas ganhas em todas as partidas que participamos.

Em partidas online ou mesmo em modo local, com ecrã divivido até quatro jogadores, é possível ter personagens únicas e distintas, não só graças à personalização como graças à apresentação geral do jogo, que permite essas distinções.

Crash Team Racing Nitro Fueled tem um desempenho sólido a 30FPS nas diferentes plataformas, mas compensa esse limite com os seus fantásticos visuais e animações dinâmicas que dão personalidade a tudo o que aparece no ecrã.

As personagens são extremamente bem detalhadas, com algumas delas cobertas de pelo e com um ar tão adorável que dá vontade de fazer festas e de abraçar. Todas elas são muito bem animadas e cheias de personalidade, assim como os carros e as suas peças, que se movem de forma cartonesca a cada movimento e reação, seja nos slides, acelerações ou quando ativamos o turbo.

Os ambientes são igualmente dinâmicos com armadilhas escondidas, personagens e perigos que se colocam pelo caminho ou graças à sua atmosfera viva. Tudo junto e em movimento, se não fosse pelos mostradores de corrida no ecrã, dariam facilmente a sensação de estarmos a interagir com uma animação computorizada de alta qualidade.

Crash Team Racing Nitro Fueled é mais do que um remake ao introduzir mecânicas multijogador online, uma tabela de tempos e, claro, ao incluir também personagens e pistas de Crash Nitro Kart e outras que ficaram de fora do jogo original, que são ligeiramente maiores e mais complexas que as de Crash Team Racing, tornando o jogo mais do que completo.

A versão PlayStation 4 recebe ainda mais alguns pequenos conteúdos simpáticos que marcam o legado da série dos tempos da PlayStation 1. Há uma versão retro do nosso piloto titular (com um carro a condizer), autocolantes para enfeitar e uma pista bónus, chamada Retro Tour, que parece mesmo saída da icónica consola dos anos 90.

Crash Team Racing Nitro Fueled é um jogo muito completo. Com um excelente aspeto e bastante divertido nos momentos certos graças aos modos multijogador locais, poderá ser um party-game perfeito para jogar com amigos.

A sua dificuldade excessiva, mesmo em definições mais baixas, pode fazer de Crash Team Racing Nitro Fueled difícil de recomendar a todos os jogadores, especialmente a quem não está habituado a jogos de corridas ou jogos mais old-school. Mas para quem sente a febre da nostalgia e procura desafios interessantes, este novo Crash é um jogo perfeito.

Crash Team Racing Nitro Fueled já está disponível para PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch.

Crash Team Racing Nitro Fueled
Nota: 8/10

Este jogo foi cedido para análise pela PlayStation Portugal.

- Publicidade -

Sigam-nos

9,964FãsGostar
4,031SeguidoresSeguir
497SeguidoresSeguir

Mais Recentes

Afinal, o Samsung Galaxy Z Flip tem ou não vidro no ecrã?

Quando aconteceu a revelação oficial do muito antecipado Galaxy Z Flip, a Samsung fez questão de referir que o mesmo "combina um ecrã Infinity Flex (flexível infinito) com vidro ultrafino (UTG), que possui propriedades dobráveis, tornando-o mais fino com uma aparência elegante e premium que nunca vista num dispositivo dobrável antes".

Xiaomi Mi 10 Pro é oficial e é, até à data, o melhor smartphone para fotos

Quem o diz são os especialistas da DxOMark, que já tiveram oportunidade de analisar o Xiaomi Mi 10 Pro. Ou seja, com 124 pontos na pontuação geral da câmara, este smartphone afirma-se como o melhor do mercado neste momento para fotografias, ultrapassando até o Huawei Mate 30 Pro 5G. Atenção, nesta lista não está ainda o novíssimo Samsung S20 Ultra 5G, pelo que o panorama pode mudar em breve.

Devemos usar os CTT para devolver produtos à Amazon?

Quem compra na Amazon, principalmente produtos vendidos e enviados pela própria empresa, sabe que tem naquela loja um magnífico apoio ao cliente, ao ponto de ser das melhores, senão a melhor, loja online nesse aspeto.

Lisboa. Teatro Maria Matos reabre portas em abril

Está fechado desde julho de 2018, mas vai novamente entrar em funcionamento. Falamos do Teatro Maria Matos, em Lisboa, que chegou a receber projetos bem interessantes e alternativos, dando uma incrível dinâmica à cidade de Lisboa.

Setúbal. Câmara investe 120 mil euros no canil municipal

Tudo para que o local possa ter melhores condições de conforto e de higiene para os patudos. Assim, lá para meio deste ano, as obras de ampliação do canil municipal estarão concluídas.
- Publicidade -