- Publicidade -

Análise – A Plague Tale: Innocence

-

Ao longo do ano, alguns dos jogos mais interessantes são aqueles que surgem quando menos esperamo. Produções mais contidas, com experiências lineares e produções mais equilibradas, mas sem o brilho e explosões de estúdios que teimam em apostar em jogos explosivos com modos multijogadores que prometem décadas de divertimento em troco de passes e fatos para os nossos personagens.

No ano passado, a Focus Home Interactive trouxe-nos um desses exemplos, com Vampyr, da DontNod Entertainment, da fama de jogos como Life is Strange. Já este ano somos presenteados com uma pérola chamada A Plague Tale: Innocence, um jogo original da também francesa Asobo Studio, estúdio maioritariamente dedicado ao suporte e conversões de jogos para diferentes plataformas, mas que aqui se revela capaz de criar uma experiência bastante singular e cheia de alma e emoções fortes.

Inspirada naquela que foi uma das pandemias mais devastadoras da história da humanidade, A Plague Tale: Innocence leva-nos até uma França medieval, desolada pela peste negra e pelas forças da Inquisição.

Neste jogo inteiramente dedicado à narrativa (conta apenas com um modo de história), somos apresentados à jovem Amicia e ao seu jovem irmão Hugo, que se encontra doente e procura urgentemente uma cura para a sua maleita. Perseguidos pela Inquisição que quer à força toda capturar o pequeno Hugo, os irmãos partem numa jornada perigosa à procura de segurança e respostas.

Este é um título narrativo de aventura num cenário medieval, assente em regras realistas e eventos históricos que marcaram a época. Aqui, porém, a Asobo tenta explorar este mundo ao injetar um pequeno elemento sobrenatural aos eventos do jogo, aumentando as possibilidades não só narrativas, ao ter liberdade de criar as suas próprias regras e elementos do mundo, como também criar mecânicas de jogo através da progressão da personagem, as suas ações e eventuais puzzles e desafios.

Uma das mecânicas mais interessantes de A Plague Tale: Innocence gira em volta do terror da pandemia que se alastra com a mordidela de ratos. A presença dos ratos neste jogo funciona um pouco como as hordas de zombies em Days Gone, com uma apresentação aterrorizante que consome tudo o que encontra pela frente. É uma interação semelhante à que encontramos em jogos como Alan Wake, onde a luz, neste caso o fogo, afasta estas unidades de roedores e abre espaço para a resolução de puzzles, algo que nos abre caminho para chegar ao final do nível.

Estes puzzles e obstáculos são, na sua maioria, resolvidos a solo, mas consoante a história, vamos ter a ajuda de Hugo e outros elementos do elenco secundário com os quais podemos interagir para ativar ações em sincronia ou à distância.

Os puzzles contam com soluções simples, mas satisfatórias, ajudando a manter o ritmo da história que se prolonga ao longo de 17 capítulos que contam com alguma exploração graças aos níveis lineares, mas com espaço e itens para colecionar, além de segmentos de ação furtiva também devidamente desenhados para serem ultrapasados de várias maneiras.

Apesar de ser uma experiência a solo, a quantidade de elementos que requer a utilização de uma personagem secundária é imensa. Seria interessante saber como este jogo resultaria com um modo cooperativo, até porque também existem vários momentos de tensão.

A história de A Plague Tale: Innocence é relativamente simples, mas cheia de emoções, muito graças à dinâmica entre os dois irmãos e aos riscos de se aventurarem neste mundo enquanto são perseguidos e fogem da peste negra. Ao longo do jogo, podemos assistir ao progresso da sua relação, que é cada vez mais emocional, à medida que Amicia teme pela perda do seu irmão devido à doença que acarreta.

Sem escolha de diálogos ou elementos que possam alterar o rumo da história, A Plague Tale: Innocence é um jogo que beneficia imenso de ser jogado um pouco às escuras, sem saber mesmo nada do que vem a seguir, com momentos de tensão a serem eficazes com as nossas ações quase instintivas a ataques de inimigos e aos momentos de fuga dinâmicos.

A Plague Tale: Innocence conta com alguns momentos de luta e confronto direto com inimigos, nomeadamente soldados e populares. Mas este não é o foco do jogo, e A Plague Tale: Innocence tenta ao máximo fazer-nos quase sentir mal por matar uma personagem. Por vezes, é um mal necessário, e, por essas razões, alguns dos segmentos tornam-se estranhamente pesados, algo que noutro jogo mais tradicional seria algo banal, pois sentimos o remorso das nossas ações na pele de Amicia.

A apresentação de A Plague Tale: Innocence é sólida e, por vezes, impressionante, com visuais com tons fílmicos, com uma palete que muda consoante os variados ambientes da nossa jornada. Os níveis coloridos são belos e vibrantes e os mais negros conseguem dar-nos arrepios e alguma ansiedade, em particular catacumbas e ruinas em períodos noturnos.

As animações são variadas e contextuais às ações da personagem e, em conjunto com os visuais quase livres de informação no ecrã, tornam a experiência imersiva e cinemática.

A cereja no topo do bolo é a música. Ao longo do jogo, temos uma bela banda sonora – negra, triste e emocional, com muitas cordas e melodias características de outras obras de ficção da época. Familiar, simples e muito eficaz, ajuda-nos a estabelecer muito bem o tom de todas as cenas.

Contudo, as animações faciais são, por vezes, um pouco rígidas e artificiais, e eventuais problemas de sincronização em movimentos rápidos (em particular na PlayStation 4 Slim) relembram-nos que estamos perante um jogo.

Sendo um jogo inteiramente dedicado à história, seria interessante ter também um lançamento mais eficaz a nível emocional. A Plague Tale: Innocence tem um bom lançamento, mas sente-se um pouco abrupto para os novos jogadores, além de que, numa primeira impressão, não deixa estabelecer uma relação imediata com os dois protagonistas.

Felizmente, a jornada é longa e cheia de interações fantásticas, das mais adoráveis e deliciosas às mais tristes e aterrorizantes.

A Plague Tale: Innocence não esconde a sua violência, mas utiliza-a de uma forma contida e quase elegante, não mostrando, ou evitando ser gratuita, sempre que há essa oportunidade.

Como um filme de época ou um livro de ficção e fantasia mais obscuro, A Plague Tale: Innocence é uma autêntica pérola. Uma experiência singular que merece ser experimentada por todos os jogadores que gostam de algo mais linear, mas também recheado de história, personagens e mecânicas de jogo satisfatórias que nos “obrigam” a jogar só mais um nível.

A Plague Tale: Innocence já está disponível para PC, Xbox One e PlayStation 4.

A Plague Tale: Innocence
Nota: 8/10

Este jogo (versão para PlayStation 4) foi cedido para análise pela Ecoplay.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

9,835FãsGostar
4,012SeguidoresSeguir
481SeguidoresSeguir

Mais Recentes

Bolt continua expansão e chega à ilha da Madeira e a Leiria

São mais duas cidades a contar com os serviços desta plataforma de TVDE.

The Church marcam dois concertos para Portugal

Foram uma banda importante nos anos 80, pelo que, em 2020, os The Church marcaram uma digressão que celebra 40 anos de carreira. E essa digressão vai passar por Portugal.

Este é o novo dobrável da Samsung

Depois do Galaxy Fold, eis que no chega uma espécie de anti-Galaxy Fold. Falamos, claro, do novo dobrável da Samsung, o Galaxy Z Flip, mas que se dobra em formato de concha.

Facebook vai pedir aos utilizadores que analisem melhor as suas configurações de privacidade

Por outras palavras, a rede social quer dar maior controle à experiência no Facebook, seja pela ferramenta de verificação de privacidade recentemente renovada, que permite que as pessoas controlem o que ver e partilhar, ou pelas ferramentas que permitem gerir as atividades fora do Facebook.

Lisboa vai ter o primeiro museu da reciclagem

Este projeto surge de uma iniciativa conjunta do Electrão – Associação de Gestão de Resíduos, da Câmara Municipal de Lisboa e do NewsMuseum e é, essencialmente, uma instalação pop-up, dedicada à compreensão do ciclo de vida dos resíduos, à importância da sua reutilização e reciclagem.
- Publicidade -