Yann Tiersen no Coliseu do Porto – Música e natureza como um todo

Foi na passada segunda-feira, 30 de setembro, que o Porto recebeu o multi-instrumentista e compositor francês Yann Tiersen com um Coliseu lotado, num concerto de apresentação do seu mais recente álbum ALL, lançado em fevereiro deste ano.

- Publicidade -

Apesar da azáfama que se fazia sentir dentro da sala momentos antes da hora prevista, com bastante público ainda à procura da sua “cadeira de sonho”, foi já com o Coliseu praticamente lotado que se deu início ao espetáculo.

As luzes baixaram e, antes que Yann Tiersen pisasse o palco, ouve-se uma voz feminina que nos presenteia com uma estória repleta de metáforas sobre montanhas e lobos. Aqui começa-se a construir uma experiência sensorial para o qual o compositor nos conduziria de mão dada ao longo de todo o concerto.

Finda a leitura surgia, finalmente, Yann Tiersen, que se dirigiu ao seu piano de cauda, e, com apenas um foco de luz em todo o palco, iniciou o concerto com “Porz Goret”, do álbum EUSA. Foi nesta ambiência que se manteve nas primeiras três músicas, entretanto já com a participação de Alex, o gravador de fita que se situava bem à frente virado para o público e que ia soltando várias sonoridades em background de uma nostalgia imensa, como crianças que brincam ao ar livre em perfeita harmonia com a natureza.

Foi, porém, na quinta música, “Koad”, do novo álbum ALL, que três novos elementos se juntaram a Yann Tiersen e à imensidão de instrumentos posicionados a rigor no palco, dando voz pela primeira vez à música que o compositor francês ia destilando.

O concerto ia seguindo a passos certos e os temas encaixando uns nos outros numa perfeição absoluta. Tiersen deambulava pelo palco com serenidade, alternando ora pelo piano de cauda, ora pelo cravo, ora pelo violino. A dicotomia das notas entoadas repletas de melancolia, solidão, ansiedade, mas também de luz, alegria e esperança.

Terminou debaixo de uma ovação prolongada e sentida mais uma noite de Yann Tiersen em solo português. As luzes acenderam-se e o ambiente, até então mágico, dissipa-se. Um mar de gente preparava-se para regressar às suas vidas mundanas e invadir as ruas da Invicta, Passos Manuel acima, Passos Manuel abaixo.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Mão Morta no Festival Back to Back – No Fim Estávamos Quentes

Papinho cheio de ter visto quem nunca desilude. Para o ano é favor repetir.

Super Bock em Stock (Dia 1) – Tuk Tuks para Autóctones

Um regresso aos festivais, neste caso a um itinerante.

Música – Álbuns essenciais (outubro 2021)

Um mês de regressos surpreendentes e de estreias muito interessantes.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

PayPal pode cobrar até 10€ a quem tem conta inativa

É a chamada comissão de inatividade.

Monster Rancher 1+2 DX – “Eu é que sou o campeão dos monstros”

Dois jogos clássicos recebem uma conversão para a Nintendo Switch, mas perdem o elemento mais popular da série: a troca dos CD.

Pingo Doce chega pela primeira vez aos Açores

O sortido do espaço conta com muitos produtos regionais, fruto das parcerias feitas com 129 fornecedores dos Açores.