Wine & Music Valley tem o cartaz praticamente fechado

- Publicidade - trk
- Publicidade -

Falta somente confirmar um nome internacional para o Douro Stage no segundo dia do Wine & Music Valley, mas, de resto, podemos avançar que o lineup do festival está praticamente fechado.

Se já conhecíamos os artistas que iam atuar no palco principal, ontem, em conferência de imprensa onde o Echo Boomer esteve presente, ficámos a conhecer os nomes não só do Wine Stage, como também os chefs que estarão no Chef’s Stage. Ao todo, o Wine & Music Valley conta com três palcos diferentes.

Vamos por partes. No dia 14 de setembro, vão passar pelo Wine Stage os The Black Mamba, OMIRI, projeto de eletrofolk desenvolvido por Vasco Ribeiro Casais (Dazkarieh), a brasileira Tainá e Serushiô, projeto composto na sua essência por Sérgio Silva e José Vieira, que traz ao festival o rock do Norte com um forte travo de blues e folk.

Já no dia 15 de setembro, o Wine Stage irá receber os HMB, Fogo Fogo, Bang Bang Romance e os DJ sets de Xinobi e Anna Prior, também conhecida por ser a baterista dos britânicos Metronomy.

Já o Chef’s Stage é um palco que coloca a gastronomia no centro do entretenimento. Ou seja, não teremos somente chefs a cozinhar. Teremos, sim, algumas performances especiais, sendo que os live cooking shows e degustações não ficam de fora. Assim, no dia 14, teremos Miguel Castro e Silva, responsável pela cozinha de restaurantes como Casario ou Lumni, Vítor Matos, chef distinguido com uma Estrela Michelin, e Pedro Pena Bastos, “maestro” do Ceia, em Lisboa. Fernando Alvim será o responsável pela banda sonora.

Já no dia seguinte, o Chef’s Stage terá a presença de Rui Paula, chef dos restaurantes DOC, DOP e Casa de Chá da Boa Nova, Tiago Bonito, chef que trocou Lisboa por Amarante estando, agora, à frente do restaurante Largo do Paço (Casa da Calçada Relais & Chateaux), e Tiago Moutinho, chef do referenciado restaurante duriense Castas e Pratos (Peso da Régua). Quanto à música neste palco, será da responsabilidade do projeto Rua das Pretas, criado pelo franco-brasileiro Pierre Aderne.

Sendo o primeiro festival totalmente inspirado no vinho, era natural que muitos produtos e vinhos da região se associassem ao evento. Assim, haverá presenças de marcas como CARM, Ramos Pinto, Porto Cruz, Quinta do Portal, Casa dos Varais, Adega de Favaios, 100 Hectares, entre outras. A organização referiu que, ao todo, teremos cerca de 40 produtores de vinho diferentes. Ou até mais.

Os bilhetes para o Wine & Music Valley estão à venda por 25€ (bilhete diário) ou 40€ (passe geral). Existe ainda o bilhete VIP, que, por 60€ (diário) ou 100€ (passe dois dias), dá acesso a bares exclusivos de Vinhos, área conforto com Food Court, WCS exclusivos, entrada exclusiva no evento e um espaço privilegiado junto ao Douro Stage.

O Wine & Music Valley conta com o apoio à produção da Better World, empresa responsável pelo Rock in Rio, e tem capacidade para receber 20 mil pessoas por dia. O recinto do festival está localizado no Porto Comercial de Cambres, em Lamego.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Música – Álbuns essenciais (janeiro 2022)

A primeira seleção de 2022 está aí e já temos um forte candidato a álbum do ano!

Festival Afro Nation anuncia novos nomes, entre os quais Chris Brown

A pré-venda dos bilhetes começa dia 27 de janeiro.

Ouve aqui o tema principal de The Batman

Michael Giacchino revela ao mundo a sua versão do tema do Batman.
- Publicidade -
- Publicidade - trk
- Publicidade -

Mais Recentes

Santa Catarina Sushi Bar. O novo restaurante do Chiado tem tudo para conquistar

Além de sushi, há ainda tacos e ceviche, num restaurante super agradável e que vai ao encontro daquilo que os clientes procuram.

Já podem ter uma party night no Mex Factory

O que significa já podem jantar naquele espaço inserido no icónico LX Factory.

Faro e Oeiras avançam com primeiros contratos PRR para 163 casas

Em Faro, o investimento estimado é de 8,2 milhões de euros, ao passo que, em Oeiras, o investimento é de 19,4 milhões de euros.