Universidade de Aveiro vai realizar testes de rastreio à COVID-19

A Universidade de Aveiro (UA) vai realizar testes de rastreio à COVID-19 em amostras biológicas recolhidas nos hospitais da região de Aveiro. Há capacidade para realizar até 200 rastreios por dia ao material biológico recolhido nos estabelecimentos de saúde e enviado para a Academia.

- Publicidade -

Os primeiros rastreios vão começar já na próxima segunda-feira, dia 30 de março, no Instituto de Biomedicina (iBiMED), uma das unidades de investigação da UA.

rastreio

Os testes serão realizados em quatro laboratórios com nível de biossegurança elevado (BSL2), com pressão negativa, ar filtrado com filtros HEPA, câmaras de fluxo laminar de nível de segurança BSL2 e sistemas de esterilização por UV. “Estes laboratórios têm ainda um sistema de esterilização térmica de material biológico que garante a destruição dos consumíveis, reagentes e amostras biológicas usadas no laboratório”, refere Artur Silva, Vice-reitor da UA para a área da Investigação

Os investigadores do iBiMED que utilizam estes laboratórios, lembra Artur Silva, são sujeitos a um exame de biossegurança e a treino específico, havendo, por esta razão, “recursos humanos treinados para a realização de investigação em ambientes de elevada biossegurança”.

Uma vez que o vírus SARS-CoV-2 pode ser inativado quimicamente no momento da recolha das amostras biológicas nos hospitais da região, que os equipamentos de processamento automático de amostras clínicas existentes nos laboratórios reduzem ao máximo a exposição dos investigadores ao SARS-CoV-2, que foi possível criar um circuito fechado para a circulação dos investigadores e de amostras clínicas e que existem kits de proteção dos investigadores, a biossegurança está garantida pela UA.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Testes de antigénio são gratuitos nos Aeroportos da Madeira

É possível fazer um teste rápido de antigénio gratuito por cada viagem.

Deve-se ou não vacinar os jovens entre os 12 e os 15 anos contra a COVID-19?

Na ótica da Direção-Geral de Saúde, só é recomendável que se vacinem os jovens se eles tiverem comorbilidades associadas, que possam conduzir a uma doença grave ou à morte.

Já foram feitos mais de 15 milhões de testes à Covid-19 em Portugal

Até à data, julho é o mês com o maior número de testes realizados (11,1% do total).
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Arcane recebe um incrível trailer e estreia a 6 de novembro

A adaptação animada de League of Legends parece espetacular.

As formas com que os burlões enganam clientes na Booking

O objetivo final é roubar o dinheiro dos utilizadores. Explicamos esta burla ao pormenor.