“The Nun – A Freira Maldita” teve a maior estreia de sempre de um filme de terror em Portugal

The Nun – A Freira Maldita estreou nos cinemas nacionais a 6 de setembro e, durante a primeira semana de exibição, foi visto nos cinemas em Portugal por mais de 150 mil espectadores. Com uma receita bruta de aproximadamente 920 mil euros, esta é a maior estreia de sempre de um filme de terror em Portugal, antecipando-se já um novo recorde nacional para filmes deste género.

O realizador James Wan, responsável pelo sucesso mundial dos filmes The Conjuring – A Evocação e The Conjuring 2 – A Evocação, explora um novo lado negro deste universo com o filme The Nun – A Freira Maldita. Realizado por Corin Hardy (The Hallow), o novo filme de terror sobrenatural é produzido por Wan e Peter Safran, que trabalhou nos anteriores filmes do franchise The Conjuring.

The Nun – A Freira Maldita conta com o ator nomeado para Óscar, Demian Bichir (A Better Life) no papel do Padre Burke; com Taissa Farmiga (da série de TV American Horror Story) que interpreta a freira Irene; com Jonas Bloquet (Elle) como o aldeão francês; com Charlotte Hope (da série de TV Guerra dos Tronos) que interpreta a Irmã Victoria da abadia; com Ingrid Bisu (Toni Erdmann) como a irmã Oana e, por fim, Bonnie Aarons que regressa à personagem que interpretou em The Conjuring 2 – A Evocação, e que dá nome à personagem do título deste filme.


 

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,850FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
632SeguidoresSeguir

Relacionados

Crítica – Train to Busan

Se são fãs de cinema, não importa o género, Train to Busan é visualização obrigatória!

Crítica – Rebecca

A versão da Netflix de Rebecca perde-se ao tentar equilibrar tantos géneros em apenas um filme.

Crítica – Trial of the Chicago 7

The Trial of the Chicago 7 é, sem dúvida, um dos melhores filmes do ano.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Onee Chanbara Origin

Bikinis, Samurais e Zombies – sejam bem vindos ao jogo mais desconfortável, exagerado e desnecessário de 2020.