The Last of Us Part II – À conversa com Joana Ribeiro, a voz de Ellie

É um dos jogos mais cinematográficos que já vi.”

Joana Ribeiro - The Last of Us Part II

Sete anos depois, The Last of Us está de volta à PlayStation com uma ambiciosa e emocional sequela.

The Last of Us Part II dá continuidade ao celebre jogo da Naughty Dog, lançado originalmente para a PlayStation 3, e, como seria de esperar, há caras e vozes familiares de regresso, como é o caso de Joana Ribeiro, a atriz portuguesa que dá a voz àquela que já é um dos maiores ícones femininos da PlayStation, Ellie, que, neste episódio, tem pela frente uma jornada negra de vingança e com alguns horrores à mistura.

Para celebrar o lançamento do jogo para a PlayStation 4, a PlayStation Portugal deu-nos a oportunidade de falar um pouco com Joana Ribeiro sobre a sua ligação à personagem principal de The Last of Us Part II, sobre o trabalho de dobragem, sobre as fugas de informação do jogo e até da adaptação que a HBO vai produzir.

joana ribeiro linhas tortas
Joana Ribeiro em Linhas Tortas (2019)

A seguinte entrevista foi editada para facilitar a leitura.

Echo Boomer (David Fialho) – Fala-nos um pouco sobre a Ellie. Como é que foi voltar à personagem após tanto tempo?

Joana Ribeiro – Quando soube que ia haver um segundo jogo fiquei muito contente com a hipótese de voltar ao mundo da Ellie e de voltar a interpretá-la. E quando soube que realmente estavam a contar comigo para o fazer, fiquei bastante contente, até porque podia descobrir o que é que tinha acontecido durante estes sete anos – no nosso mundo, no mundo da Ellie passaram quatro.

EB – Já estavas à espera de uma sequela?

JR – Eu lembro-me que, quando terminei, já se ouviam uns zumzuns de que ia haver um segundo. Não era nada de definitivo, até porque, quando eu fiz a dobragem, não sabia que o jogo ia ter o sucesso que teve. Esperava que assim fosse, porque o jogo estava realmente muito bem feito, mas não havia certezas. Portanto, só depois do jogo sair, das críticas começarem a sair e do jogo se ter tornado um sucesso é que se começaram a ouvir os tais zumzuns de que ia haver um segundo jogo. Tal como o Uncharted, que teve sequelas. Portanto, eu já estava mais ou menos à espera que isso acontecesse, mas agora eu não fazia ideia se a Ellie ia ter um papel importante.

EB – Tinhas noção do quanto os fãs gostam da tua versão da Ellie?

JR – Eu não tinha ideia! Fiquei muito contente por saber. Aliás, acho que este é o trabalho que tem mais pessoas a falar comigo. Eu tenho imensa gente no Instagram a mandarem-me mensagens, a perguntarem-me se ia voltar a fazer de Ellie, a dizer que gostavam imenso de jogar o jogo em português, que achavam que os atores que faziam a dobragem em português eram incríveis, etc… Fico muito contente, porque trabalhámos tanto para isto e foi tão intenso. E há uma equipa por detrás deste trabalho que é incrível e há uma atenção ao pormenor muito grande. Por isso, receber essas mensagens e carinho pelos fãs do jogo foi espetacular. E eu gosto muito de receber mensagens sobre a Ellie porque eu adoro a Ellie, acho que é das personagens que mais gosto!

EB – Como é ouvir a tua voz numa personagem que não és tu? Consegues desligar-te dela?

JR – Sim eu acho que consigo, até porque a Ellie vive numa situação completamente diferente da minha, numa realidade diferente, logo isso ajuda-me bastante. Mas acho que é sempre um pouco estranho ouvir a nossa própria voz, até porque eu digo imensas asneiras (risos). Eu tinha dias em que ia dobrar o jogo e estava muito cansada e, de repente, chegava ao estúdio e estava uma hora a dizer asneiras e era espetacular. Por vezes até tinha que as repetir 20 vezes seguidas. É libertador.

EB – Qual é a tua versão favorita da Ellie?

JR – Vou-te confessar que, quando estava a fazer a dobragem de The Last of Us Part II, as cenas de flashbacks eram do tipo: “Ah! A Ellie nova, outra vez!” Porque era mais leve. Mas ao mesmo tempo escolho a Ellie mais velha, porque tem também momentos da Ellie mais nova e é isso que eu gosto neste novo. Além de vermos que ela está mais dura, mais velha, mais fria, continua uma menina e há momentos em que isso vem ao de cima e é tão bonito de se ver.

Já havia momentos desses no primeiro jogo, no meio de guerras, lutas e mortes e, de repente, tens o momento das girafas, que é lindo. Dá-nos uma oportunidade de respirar e admirar o mundo, antes de voltarmos à luta para matar infetados. Neste jogo também acontece, também vemos a Ellie mais nova e até podemos tocar guitarra com ela, o que é maravilhoso.

EB – É muito difícil fazer a dobragem da Ellie?

JR – Houve cenas emocionalmente muito difíceis. E até mesmo tecnicamente porque tinham muitas respirações. Isso foi difícil e levou muito tempo, mas, depois de ver o resultado final, foi muito fixe poder ver tudo. Houve algumas cenas em específico que eu pedi no fim do tempo de dobragem para ver como tinha ficado, de modo a ver se tudo batia certo. Muitas vezes é difícil fazer um ficheiro inteiro seguido, temos que parar, ouvir outra vez, voltar. Connosco tivemos o mesmo técnico de som que fez o primeiro The Last of Us comigo, que é o André, e ele fez um trabalho espetacular. Eu não fazia ideia do trabalho que está por detrás de fazer dobragens. É mesmo um trabalho super difícil. E depois, lá está, quando vemos um trabalho bem feito, é muito gratificante poder fazer parte disto.

The Last of Us Part II
The Last of Us Part II – PlayStation 4

EB – Infelizmente The Last of Us Part II sofreu graves fugas de informação com cenas partilhadas intencionalmente na Internet. Qual é a tua opinião sobre isso?

JR – Acho que é uma pena as pessoas saberem o que vai acontecer. É tão especial assistir. A mim, os spoilers não me afetam, até me dão uma vontade maior de ver e de ler como é que aquilo acontece. Mas acho que é uma enorme falta de respeito para com as pessoas que não gostam disso e eu deparei-me com isso até na página do Instagram da PlayStation, porque as pessoas iam lá comentar o que acontecia no jogo só por maldade, só para estragar o jogo. Acho isso tão mesquinho. Se vocês querem saber o que acontece, ok, é uma escolha vossa. Agora não têm que obrigar as outras pessoas a saber se elas não querem saber. Acho que tem que haver um bocado de noção. Mas, na minha opinião, o que saiu não estraga, de todo, o jogo. O jogo tem tanta coisa a acontecer e é tão surpreendente que, mesmo quando pensam que sabem o que vai acontecer, consegue surpreender-nos.

EB – Tiveste oportunidade de conhecer alguém da produção original?

JR – Não… Foi tudo feito à distância. Mas eu adorava! Gostava mesmo de conhecer a Ashley Johnson (Ellie) e o Neil Druckmann (diretor do jogo), acho que ele é um génio. O meu irmão sabe a história toda. Ele é fã do jogo e da Naughty Dog e no outro dia estava a dizer-me: “Ele é um génio, ele começou como estagiário e foi subindo e fez o The Last of Us, que é espetacular.” E também me contou que este segundo The Last of Us foi escrito pela co-autora da série Westworld (Halley Gross).

Na verdade, este jogo é uma obra cinematográfica. Acho que é um dos jogos mais cinematográficos que já vi. E há uma razão pela qual vai ser adaptado a série, pela HBO, que vai fazer uma série baseada em The Last of Us.

EB – Vou partir do princípio que aceitarias fazer parte dessa série, por isso pergunto: Qual é o teu elenco de sonho para esse projeto?

JR – Amava. Aliás, estou muito triste por ser “velha” demais para ser a Ellie, mas adorava, acho que é uma personagem espetacular. Por acaso estava a falar com uma amiga minha, atriz, que é a Alba Batista, ela fez uma série para a Netflix, Warrior Nun, que vai estrear agora, e acho que ela dava uma ótima Ellie. Porque ela é mais nova que eu e parece mais nova. Acho que ela tem o perfil certo para fazer de Ellie, até porque inicialmente dizia-se que a Ellie era muito parecida com a Ellen Page e eu acho a Alba parecida com ela quando era mais nova.

Adorava que fosse uma atriz portuguesa a fazer a série. Vai ter o realizador do Chernobyl, vai ser uma megaprodução, vai ser espetacular. Portanto, o meu elenco de sonho tinha que ter a Alba Batista para fazer de Ellie e depois, para Joel, eu ia mais para um Viggo Mortensen. Eu gostava de ver um ator diferente, mas o Viggo foi assim o primeiro que eu pensei. É o único que consigo imaginar sem ser os outros que as pessoas já sugeriram.

EB – Para terminar, achas que conseguias sobreviver ao apocalipse zombie?

JR – Claro que sim.

EB – Por quantos dias?

JR – Era a última sobrevivente. Matava-os a todos. Aprendi com a Ellie (risos).

The Last of Us Part II já está disponível na PlayStation 4.

- Publicidade -

Sigam-nos

10,582FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
609SeguidoresSeguir

Relacionados

- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Xiaomi Mi Box S

Fazer um upgrade de Smart TV ou comprar uma Mi Box S?

YouTube vai permitir anúncios no meio de vídeos mais curtos

Os anúncios fazem tão parte do YouTube como os próprios vídeos. Agora, a plataforma vai permitir que se possa mostrar anúncios no meio dos vídeos.