Análise – Syder Reloaded

Existem experiências e géneros que encontram cada vez mais a sua casa na Nintendo Switch e na sua portabilidade. Videojogos que, seja pela sua duração ou jogabilidade mais assente em experiências rápidas, encaixam perfeitamente na filosofia de design da consola da Nintendo e não existem dúvidas de que os shoot’em Ups são um desses géneros. Com a chegada de Syder Reloaded, comprova-se uma vez mais que a Switch é o local perfeito para descobrir novos jogos independentes, até mesmo aqueles que não são mais do que uma mera distração.

- Publicidade -

Syder Reloaded não é o jogo mais inovador do mundo. É um shoot’em up 2D, muito clássico, que nos coloca em vários níveis de dificuldade acrescida, e onde temos de destruir todos os inimigos à nossa volta ou proteger outras naves ao longo de enormes e intensas batalhas espaciais. Esta é a sua base e nunca há – e nem precisa de existir – uma evolução desta fórmula. É no seu tradicionalismo que Syder Reloaded irá encontrar fãs.

À primeira vista, relembra-nos títulos como Defender, Gradius e Resogun, mantendo a jogabilidade simples e intuitiva e munindo-se das mecânicas clássicas do género para construir a sua ação. De facto, não existe nada de novo em Syder Reloaded, mas sente-se uma vontade enorme em conciliar eficazmente vários elementos tradicionais de outros clássicos, como a possibilidade de escolhermos várias naves – todas elas com atributos diferentes e algumas ainda por desbloquear –, e melhorarmos o seu poder de ataque ao longo dos níveis. Como seria de esperar, podemos ainda utilizar um ataque especial mais destrutivo que nos ajudará nos momentos mais intensos.

Syder Reloaded ganha alguma alma na forma como desenvolve e estrutura os seus níveis, dando aos jogadores a possibilidade de mudar a direção da nave e explorar ou disparar tanto para a direta, como para a esquerda. Isto significa que os níveis não são lineares ou influenciados pelo “scroll” automático, como acontece em muitos dos jogos deste género, mas sim exploráveis, com o jogo a colocar vários desafios e objetivos em locais diferentes.

Com a alteração rápida da direção da nave, o jogo não tem quaisquer problemas em aumentar a dificuldade. Syder Reloaded não é um jogo fácil, ainda que seja possível decorar os padrões da maioria dos inimigos. Com as duas direções, cria-se um ritmo mais acentuado e uma sensação de caos que irá divertir os fãs do género. Existem mais inimigos em campo, mais padrões para dominar e há uma crescente sensação de claustrofobia ao sentir-nos rodeados de naves. O grande problema é que se trata de uma experiência já vista e jogada demasiadas vezes.

Para um jogo curto, que pode ser completado em menos de uma hora, Syder Reloaded tenta compensar o tempo dos jogadores com um modo de sobrevivência e novas naves para desbloquear. As naves dão alguma longevidade ao jogo, na medida em que há uma diferença palpável entre as suas habilidades, com alguns veículos a focarem-se na velocidade e outros no ataque. Por fim, existem leaderboards para os modos campanha e sobrevivência, algo que irá motivar os mais ambiciosos.

Pouco há a dizer sobre Syder Reloaded. É um jogo tão clássico e seguro que mal se consegue distanciar dos restantes títulos do género. É divertido e muito curto, mas existem modos para os mais sedentes por desafio. Apesar de ter encontrado alguns slowdowns, e do jogo não impressionar a nível visual – ainda que ofereça vários filtros inspirados em computadores e consolas antigas –, a performance manteve-se sólida em modo portátil. Pelo preço certo, é uma distração eficaz.

Nota: Satisfatório

Syder Reloaded

Plataformas: Nintendo Switch
Este jogo foi cedido para análise pela StudioEvil

Uma distração para os fãs do género, desde que o encontrem ao preço certo.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Análise – Days Gone (PC)

Days Gone ganha uma nova casa com todos os conteúdos lançados ao longo do tempo e uma fantástica otimização para os PCs modernos.

Análise – The Longing (Nintendo Switch)

Uma experiência única sobre a passagem do tempo e o nosso lugar enquanto jogadores.

Análise – Retro Machina (PlayStation 4)

Explorem o futuro pós-apocalíptico através dos olhos de um robot que procura o seu lugar num mundo em decadência.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.