Super Bock em Stock 2019 (dia 2) – A melancolia dos Ghostly Kisses e a festa de Josh Rouse

Depois de um primeiro dia em que teve Michael Kinawuka como estrela maior, a segunda e última noite do Super Bock em Stock 2019 prometia, no geral, uma maior variedade de concertos de artistas estrangeiros.

- Publicidade -

Depois da quase impossível tarefa de estacionar o carro na Avenida da Liberdade (não deixem o carro num parque de hotel, por favor), o que nos fez perder o concerto de Marissa Nadler e de Ady Suleiman, resolvemos apostar não em Curtis Harding, mas numa banda que nos convenceu à primeira audição: Ghostly Kisses.

A sala 2 do Cinema São Jorge engana bastante no que à mancha de público diz respeito. Lá dentro, há muita gente que prefere ficar a assistir ao concerto cá atrás, antes de uma espécie de grade, o que permite que exista bastante espaço ao pé do palco. Apesar deste detalhe enganador, os Ghostly Kisses acabaram por contar com bastante público a assistir ao seu, de uma banda que, apesar do seu estilo chillwave, faz à primeira instância lembrar os londrinos London Grammar.

A assinatura Ghostly Kisses vem de um poema do escritor William Faulkner, sendo a banda o projeto musical da cantautora canadiana Margaux Sauvé. A sua voz ora doce, ora angelica (e que voz, caramba!) deixou os presentes mais do que embalados, conseguindo vários gritos de excitação e de aprovação por parte de um público que a acompanhava com atenção. Numa mescla de bateria, sintetizadores, violino e piano, temas como “Empty Note”, “Touch” ou até um cover de “Halo”, de Beyoncé, deixaram-nos a sonhar por um concerto em nome próprio.

Bonitos, elegantes e hipnotizantes, os Ghostly Kisses conquistaram uns quantos fãs novos em Portugal.

Como o concerto dos canadianos esticou-se além da hora prevista, e dado que ficámos até ao fim, já não conseguimos entrar em Orville Peck. Demorámos ainda a chegar à sala e, após uma fila interminável, percebemos que era extremamente difícil ficar lá dentro. Um colega disse-nos que, apesar do concerto incrível deste “cowboy mascarado”, sentia-se um calor insuportável na Sala EDP (Casa do Alentejo). Foi pena, mas subimos novamente a avenida em direção ao Teatro Tivoli BBVA, onde iríamos assistir a um concertão de Josh Rouse.

Apesar de estar a concorrer diretamente com Slow J – também ele terá dado um belíssimo concerto no Coliseu, dizem -, Rouse acabou por, aos poucos, contar com casa cheia, especialmente graças a fãs mais velhos, mesmo à espera de ouvir os hits de uma carreira com mais de 20 anos.

Apesar de, no termino das canções, Josh Rouse aproveitar para dar alguma converseta ao público enquanto afinava a guitarra – algo que aconteceu demasiadas vezes, retirando algum do êxtase da malta que assistia ao espetáculo – o músico americano acabou por deixar que as canções falassem por si, e acabou por ganhar o concerto a certa altura quando tocou os maiores singles. “Deixem-me só afinar a guitarra que os hits começam já a chegar”.

Aliás, Josh Rouse pode dever muito do sucesso do concerto a um fã que, na fila da frente, e sem rodeios, foi o primeiro a levantar-se na plateia e a dançar como se não houvesse amanhã. Aí, o resto do público seguiu-lhe o rasto, com boa parte de sala de pé e a vibrar com os êxitos folk e alt-country do artista.

E é com esta aderência do público que se fica a perceber que os concertos vivem muito da energia existente. Aquele até poderia ter sido somente mais um espetáculo de festival, mas Rouse acabou por, quase ao acaso, ganhar a noite. E até tocou mais um tema que o inicialmente previsto, porque o público estava a ser “incrível”. Foi bonito.

Ficámos até ao fim, mas notámos que, à medida que se aproximava das 23h45, bastantes pessoas levantaram o rabo das cadeiras e seguiram viagem. Afinal, havia três concertos a começar a essa hora: Col3trane no Capitólio, Viagra Boys na Estação Ferroviária do Rossio e Balthazar no Cinema São Jorge.

Decisões à parte, optámos pelo rock belga dos Balthazar. Formados em 2004, já contam com uma carreira de 15 anos, pelo que vieram a este Super Bock em Stock 2019 apresentar o mais recente Fever, disco editado este ano, e no qual conseguiram reinventar-se para além do seu já conhecido electro-pop e rasgos punk. Um bom concerto, com casa bem composta (a fila era gigantesca assim que nos aproximámos do São Jorge).

Para os mais resistentes, havia ainda Haute, a fechar o festival no Coliseu dos Recreios.

Apesar de, este ano, ter contado com nomes menos sonantes que em anos passados, o Super Bock em Stock é, acima de tudo, um festival de descobertas. Para o ano há novo encontro marcado: a 20 e 21 de novembro de 2020 a Avenida da Liberdade volta a mexer.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Metz regressam a Portugal no próximo ano

O trio canadiano dará dois concertos: um no Porto e outro em Lisboa.

Matosinhos Em Jazz não vai acontecer este ano

Por outras palavras, foi adiado para 2022.

NOS Alive prestes a ser adiado para 2022

Uma conclusão a que chegamos após um post que os Two Door Cinema Club colocaram nas redes sociais.

Música – Álbuns essenciais (março 2021)

Março foi um mês extremamente complicado, na medida em que foram lançados imensos álbuns de boa qualidade, mas finalmente consegui chegar à seleção final (já quase em maio, mas consegui).
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

1Click é o primeiro serviço de subscrição mensal de lentes de contacto em Portugal

E promete-se preços competitivos. Nasce com a promessa de descomplicar o dia-a-dia e melhorar a experiência online dos utilizadores de...

MUSA Cascais só regressa em 2022

Fica para julho de 2022.

Shopopop. Esta app permite que qualquer um aproveite as deslocações diárias para entregar encomendas (e paga por isso)

A Shopopop é a primeira empresa do género a atuar em Portugal e já está disponível em Lisboa, Montijo e Setúbal.