A música de Steven Wilson não está na moda, mas não estamos ralados com isso

Steven Wilson e a banda que o acompanha entram em palco rigorosamente às 21h perante uma Sala Tejo bem composta, apesar dos diversos lusitanos espectadores ainda na fila para entrar.

- Publicidade -

O rigor no cumprimento do horário é um bom cartão de apresentação para este artista com várias décadas de experiência e múltiplos projetos (o mais conhecido os Porcupine Tree) enquanto instrumentista e produtor, entre outros papéis. Steven Wilson trabalha muito e bem, com uma ética Zappiana e uma dedicação absoluta da sua arte. O ar extremamente jovial deste recém cinquentário mostra que trabalhar no ofício que se gosta dá, de facto, saúde.

Num espetáculo que mostra ambição visual (cortinas com projeção laser aparecem e descem de quando em quando e diversos vídeos são uma constante), Steven Wilson rapidamente pede ao público se esteve presente no concerto de há sensivelmente um ano no mesmo local. Pelo levantar de mãos, cerca de metade são repetentes, não obstante a tournée ser a mesma. A mesma, baseada em To the Bone, o disco de maior sucesso comercial de Wilson, mas em melhor, já que em 2018 aquele foi o primeiro espetáculo e agora os músicos estão muito mais entrosados. Embora se anuncie logo que a primeira metade será sensivelmente igual, prometem-se novidades no segundo tempo.

Perante esta gestão de expetativas, o alinhamento eclético que surge em boa medida no recente álbum ao vivo gravado no Royal Albert Hall, Home Invasion, vai desfilando, com a música que dá título o disco ou “The Creator Has a Mastertape” a surgirem com toda a sua pujança e confirmarem Steven Wilson e seus muchachos como intérpretes de fino traço, em que a influência da música progressiva, talvez a mais conhecido, se faz sentir, sem ser a única.

O líder, com ar de Jarvis Cocker londrino em fase de início da carreira a solo que trocou o guarda-roupa por uma t-shirt negra, opta por não falar a seguir a todas as músicas, mas torna todas as suas intervenções significativas, desde a honestidade de perguntar ao público se está a gostar ou não – sabe bem que toca música para se ouvir, mas a falta de movimento do público torna a leitura de quem está em cima do palco muito mais difícil – ao pedido de que a saída para os camarins no intervalo seja feita ao som de palmas.

A interessante intervenção central passa pela constatação do desaparecimento progressivo da guitarra eléctrica do cerne da produção da música popular moderna. Excepão dada aos fãs de metal (muito elogiados ao longo do concerto, embora classificados como uma sub-cultura forte mas pouco visível no mainstream), Wilson diz que a grande maioria, os menores de 25 anos (dos quais havia alguns presentes, pelo levantar de mãos) estão a crescer distantes do instrumento seminal da criação musical desde a segunda metade do século XX.

Para justificar a causa da coisa, apresenta várias teorias, desde a evolução natural da música pop à constatação de que muitos miúdos acham que devem usar a guitarra junto ao pescoço e tocar o máximo de notas por minuto, o que não é forma de criar música boa. Aliás, os grandes não olham para a guitarra quando tocam.

Steven, que ironicamente não se define como um especial interessado no instrumento, tenta seguir o caminho dos gigantes e fazer, palavras dele, um solo sexy de guitarra em “Same Asylum as Before”. Sai-se muito bem.

Após o intervalo de 20 minutos de merecido descanso, o regresso brinda o público com temas bastantes variados no estilo, como a curiosa e muito reminescente dos Abba, “Permanating” (cujo preâmbulo gera novo elogio à abertura de espírito dos metaleiros por contraste à intolerância dos adeptos do prog, frios na receção a tal heresia).

Momentos de maior intimismo, como “Song of Unborn”, vão polvilhando a atuação daquele que foi apelidado pelo Telegraph como o músico britânico de maior sucesso de que o público nunca ouviu falar. Está giro e é apropriado, e quem o conhece gosta de o ter descoberto.

Foto de: Gonçalo P. (ascent85 no Instagram)

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – King Richard

King Richard não é apenas um dos meus filmes favoritos do ano, mas também uma das melhores biopics que já testemunhei.

The Matrix Resurrections – Crítica

The Matrix Resurrections é uma das maiores desilusões pessoais do ano. Lana Wachowski oferece um filme surpreendentemente meta e autoconsciente sobre a trilogia original repleta com ideias ousadas e fascinantes, mas com uma execução absolutamente terrível.

Crítica – Spider-Man: No Way Home

Spider-Man: No Way Home é uma das obras mais negras, tristes e emocionalmente desgastantes da MCU, superando todas as expetativas.

Crítica – The Expanse (Sexta Temporada)

As opiniões poderão variar, mas desengane-se quem está à espera de uma nova temporada de The Expanse tão brilhante como as anteriores. Mesmo assim, vale a pena regressar ao espaço com esta sexta ronda, que continua a superar a má ficção científica de outras produções.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Polestar, marca de veículos elétricos da Volvo, vai entrar em Portugal até junho

Mas os detalhes sobre a chegada ao mercado português ainda são escassos.

Banco CTT deixa de ser zero comissões

Se forem clientes, não conseguirão mesmo escapar das comissões. A solução, para quem não quiser pagar, passa pelo fecho da conta.

Brockhampton anunciam pausa indefinida e já não tocam no Super Bock Super Rock

Era, até ver, um dos nomes principais do festival.