Serviços de streaming, downloads e jogos online podem ficar bloqueados se tal for necessário

É o que diz o decreto-lei nº10-D/2020 aprovado esta segunda-feira, dia 23 de março. No fundo, o Governo deu autorização às operadoras nacionais de comunicações de, em caso de necessidade, limitar ou bloquear uma série de serviços online, de forma a que os serviços críticos do Estado possam continuar a funcionar.

Diz o decreto-lei, aprovado tendo em conta a declaração do Estado de Emergência, que as operadoras podem limitar ou bloquear acesso aos serviços de streaming, às repetições e gravações de TV, aos downloads, aos jogos online ou até às plataformas de partilha de ficheiros (P2P). Por outras palavras, caso isto aconteça, até as reuniões virtuais ficam em risco.

serviços

“As empresas que oferecem redes de comunicações públicas ou serviços de comunicações eletrónicas acessíveis ao público ficam autorizadas a executar outras medidas de gestão de rede e de tráfego, nomeadamente de bloqueio, abrandamento, alteração, restrição ou degradação de conteúdos, relativamente a aplicações ou serviços específicos ou categorias específicas dos mesmos, que sejam estritamente necessárias para atingir os objetivos prosseguidos pelo presente decreto-lei”, segundo se pode ler.

O diploma refere que as empresas “devem dar prioridade à continuidade da prestação dos serviços críticos”, e por serviços críticos entende-se as SMS, os de “acesso ininterrupto” aos serviços de emergência (incluindo a informação sobre a localização da pessoa que efetua a chamada, e a transmissão ininterrupta dos avisos à população), e os serviços de distribuição de sinais de televisão linear e televisão digital.

E claro, no diploma está escrito que os serviços de saúde, de emergência e segurança, da administração interna, da proteção civil, postos de atendimento de segurança pública ou o Centro Nacional de Cibersegurança são aqueles que devem ser considerados prioritários.

Além disso, também serviços públicos, que o Governo considera “especialmente carecidos de suporte”, como a Segurança Social, o Instituto dos Registos e Notariado quanto a serviços do cartão de cidadão ‘online’ e chave móvel digital, o Centro de Gestão da Rede Informática do Governo, o Diário da República Eletrónico, a Agência para a Modernização Administrativa, a Autoridade Marítima Nacional e a Autoridade Aeronáutica Nacional, a Entidade Reguladora para a Comunicação Social ou o Banco de Portugal, têm também estatuto de privilegiados.

Estas medidas, porém, “só podem ser adotadas para cumprir os objetivos” definidos no diploma, devendo quaisquer alterações ser comunicadas ao Governo e à Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom) previamente à sua implementação.

Todas estas medidas, que podem ou não ser aplicadas, são de caráter temporário e o seu propósito é o de evitar congestionamentos na rede em serviços considerados essenciais, uma vez que os consumos aumentaram (e muito) devido ao surto de COVID-19.

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,079FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
653SeguidoresSeguir

Relacionados

Os destaques da Nintendo eShop em agosto

Risk of Rain 2, Super Hot, Hotline Miami Collection e Rad são apenas alguns dos jogos já disponíveis para compra.

O PlayStation Now já deixa descarregar jogos da PlayStation 4 e PlayStation 2 para as consolas

O PlayStation Now é um serviço de cloud lançando durante a era da PlayStation 3 e que permite aos utilizadores...
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Chamadas de valor acrescentado têm os dias contados

A proposta do PAN foi aprovada no Orçamento do Estado para 2021 e não teve votos contra.

Lewis Hamilton, Dua Lipa e outros transformam-se em jogadores virtuais no modo VOLTA de FIFA 21

O que quer dizer que irão defrontar e jogar com estas personalidades.

Crónica dos Bons Malandros. Série estreia na RTP a 2 de dezembro

Depois do livro e do filme, uma série de oito episódios. Marco Delgado, Maria João Bastos, Rui Unas, Joana Pais...