Rock in Rio Lisboa 2018 | Os Bastille deram aquele que foi, provavelmente, o seu maior concerto

Depois das HAIM, seguiram-se os Bastille no Palco Mundo, a quem coube a tarefa de abrir para os cabeças-de-cartaz Muse. E a verdade é que, mesmo que tivéssemos visto umas quantas luzinhas da EDP a brilhar no escuro, não foi um concerto lá muito festejado. Foi até bastante morno.

- Publicidade -

Apesar de não serem estreantes em Portugal, este foi, e será seguramente, o maior concerto que os Bastille alguma vez deram em Portugal. Após terem passado pelo NOS Alive e de terem sido cabeças-de-cartaz no festival MEO Marés Vivas, a banda de Dan Smith voltava ao nosso país para mostrar, mais uma vez, as suas músicas pop.

O alinhamento apresentado ontem foi algo diferente do tocado no festival MEO Marés Vivas. Por exemplo, enquanto que no evento nortenho foram apresentados temas como “Snakes”, “Overjoyed”, “Lethargy”, “No Angels”, “The Draw”, “Two Evils” e “Glory”, no Parque da Bela Vista a banda deu ao público canções como “Weight of Living, Pt. I”, “World Gone Mad”, “These Streets”, “The Silence” e a novíssima “Quarter Past Midnight”, que têm vindo a apresentar nesta tour.

Mesmo com esta troca de músicas, os hits não podem faltar, pelo que “Laura Palmer”, “Things We Lost in the Fire”, “The Currents” – dedicada ao mal-amado Donald Trump – ou “Bad Blood” não puderam faltar.

Pelo meio houve ainda a “cover estranha”, como o vocalista Dan Smith assumiu, de “Of the Night”, que mistura os clássicos dos anos 90 “The Rhythm of the Night” e “Rhythm is a Dancer”, e que meteu toda a gente a saltar.

A terminar o concerto, “Pompeii”, qual mais, o tema mais celebrado da carreira dos Bastille.

Não acredito que muita gente vá falar neste concerto em anos futuros. Apesar do esforço do vocalista em puxar pelo público, e da sua boa voz, quase toda a gente estava ali para Muse, pelo que não se pode dizer que tenha sido uma boa aposta da organização.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Spiral: From the Book of Saw

Spiral pode oferecer sangue, gore e armadilhas/homicídios brutais o suficiente para os fãs da franchise, mas no geral, não deixa de ser apenas mais uma versão preguiçosa e previsível da fórmula de SAW.

Crítica – Wrath of Man

Wrath of Man não é um filme único, fascinante ou mesmo inovador, mas não deixa de ser uma das maiores e melhores surpresas do ano.

Oficial: Concerto de Andrea Bocelli em Coimbra vai mesmo acontecer já em junho

A promotora Memories of Tomorrow deu a boa notícia nas redes sociais.

Crítica – The Mitchells vs. The Machines

The Mitchells vs. The Machines pode não ter o título mais catchy de sempre, mas é definitivamente um dos melhores filmes de animação dos últimos anos.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Época balnear 2021. Eis as regras definidas pelo Governo

Comer bolas de Berlim? Sim. Mas jogar raquetes não é permitido.

Museu da Lourinhã ganha versão digital com a ajuda da Vodafone

O Museu Digital da Lourinhã dispõe, a partir de hoje, de um conjunto de soluções de Realidade Virtual.

Santuário do Cabo Espichel transforma-se em projeto com vocação turística

O imóvel está classificado de interesse público desde 1950, beneficiando, ainda, de uma Zona Especial de Proteção.