Rock in Rio Lisboa 2018 | Os Bastille deram aquele que foi, provavelmente, o seu maior concerto

Depois das HAIM, seguiram-se os Bastille no Palco Mundo, a quem coube a tarefa de abrir para os cabeças-de-cartaz Muse. E a verdade é que, mesmo que tivéssemos visto umas quantas luzinhas da EDP a brilhar no escuro, não foi um concerto lá muito festejado. Foi até bastante morno.

- Publicidade -

Apesar de não serem estreantes em Portugal, este foi, e será seguramente, o maior concerto que os Bastille alguma vez deram em Portugal. Após terem passado pelo NOS Alive e de terem sido cabeças-de-cartaz no festival MEO Marés Vivas, a banda de Dan Smith voltava ao nosso país para mostrar, mais uma vez, as suas músicas pop.

O alinhamento apresentado ontem foi algo diferente do tocado no festival MEO Marés Vivas. Por exemplo, enquanto que no evento nortenho foram apresentados temas como “Snakes”, “Overjoyed”, “Lethargy”, “No Angels”, “The Draw”, “Two Evils” e “Glory”, no Parque da Bela Vista a banda deu ao público canções como “Weight of Living, Pt. I”, “World Gone Mad”, “These Streets”, “The Silence” e a novíssima “Quarter Past Midnight”, que têm vindo a apresentar nesta tour.

Mesmo com esta troca de músicas, os hits não podem faltar, pelo que “Laura Palmer”, “Things We Lost in the Fire”, “The Currents” – dedicada ao mal-amado Donald Trump – ou “Bad Blood” não puderam faltar.

Pelo meio houve ainda a “cover estranha”, como o vocalista Dan Smith assumiu, de “Of the Night”, que mistura os clássicos dos anos 90 “The Rhythm of the Night” e “Rhythm is a Dancer”, e que meteu toda a gente a saltar.

A terminar o concerto, “Pompeii”, qual mais, o tema mais celebrado da carreira dos Bastille.

Não acredito que muita gente vá falar neste concerto em anos futuros. Apesar do esforço do vocalista em puxar pelo público, e da sua boa voz, quase toda a gente estava ali para Muse, pelo que não se pode dizer que tenha sido uma boa aposta da organização.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,931FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Noiserv disponibiliza concerto para aluguer

O espetáculo diz respeito à apresentação do novo disco, Uma palavra começada por N, que aconteceu em novembro do ano passado no Teatro Sá da Bandeira, no Porto.

Crítica – Cherry

Cherry é uma trapalhada indiscutível, mas ainda se aguenta firme devido a uma primeira metade cativante e à melhor performance da carreira de Tom Holland, para além de ser geralmente bem filmado.

Crítica – The Father

The Father oferece uma experiência brutalmente devastadora e emocionalmente poderosa sobre a demência que não deixará ninguém indiferente.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Análise – Anodyne 2: Return to Dust

Uma viagem emocional e marcante por um mundo coberto de pó e cinza.

Surpresa! Já podem ouvir Carnage, o novo álbum de Nick Cave

Carnage foi gravado durante o confinamento com o parceiro de longa data Warren Ellis, dos Bad Seeds.

Análise – Energy Sistem Headphones BT Travel 5 ANC

O cancelamento de ruído (ANC) ainda precisa de ser trabalhado, mas a nitidez do som surpreende.