Bush, Emir Kusturica e Expensive Soul deliciaram os presentes no primeiro dia de North Music Festival

por Echo Boomer

O festival que marca o início dos festivais de verão – North Music Festival – regressou para mais uma edição e contou com grandes artistas, nacionais e internacionais, no cartaz. Celebrou-se nos dias 24 e 25 de maio e teve como palco, pela segunda vez consecutiva, a Alfândega do Porto.

Com uma vista privilegiada sobre a cidade invicta, o North Music Festival arrancou na sexta feira com os portugueses Expensive Soul a celebrar 20 anos de carreira. Foi o baterista, Ricardo Danin, que abriu o espetáculo com um “mini-show” de bateria, dando o mote para a entrada dos outros 12 elementos do grupo.

A energia positiva e cativante, aliás, característica bem vincada do grupo português, de onde se destacam os vocalistas New Max e Demo, fez com que o recinto ficasse cada vez mais composto e a crescente boa disposição entre os presentes era notável.

A banda de Leça da Palmeira trouxe na bagagem os seus grandes êxitos, como “Eu Não Sei”, “Que saudade”, “Cupido”, “Falas Disso” e, como não podia deixar de ser, “O Amor é Mágico” e o seu mais recente single “Amar É Que É Preciso”.

Nestes dois últimos, ouvia-se também o público em coro e as pernas dançantes foram inevitáveis quase por todos os presentes. Foi contagiante a banda perceber que, mesmo o novo single, o público já sabia de cor e salteado e os acompanhou ao longo do tema.

Depois de uma pequena pausa, foi a vez do sérvio Emir Kusturica subir ao palco com a The No Smoking Orchestra.

Com este concerto, ficou nítida a habilidade de Kusturica em animar o público, já que aproveitou algumas pausas no concerto para mandar algumas piadas e mostrar a sua boa disposição. Os sons frenéticos conjugados com a sonoridade do violino e restantes instrumentos faziam com que quiséssemos acompanhá-los com um passo de dança.

Por último, e os mais esperados da noite, os britânicos Bush enfrentaram um festival com casa cheia e responderam, como já era de esperar, muito bem a isso.

Contam já com cinco álbuns editados, mas foi pelos temas dos dois primeiros álbuns – Sixteen Stone (1994) e Razorblade Suitcase (1996) – que mais passaram. E a resposta do público a esses temas dos anos 90 não podia ter sido mais positiva.

“The Chemicals Between Us”, “Everything Zen”, “Little Things” e “Swallowed” também fizeram parte do alinhamento, mas foi em “This is War” que o vocalista surpreendeu e foi em direção ao público, saltando na primeira fila enquanto cantava.

No final, ouviu-se “Comedown”, mas, antes, houve espaço ainda para “Glycerine” que, segundo o vocalista, é “dedicada a todos os que perderam o caminho e se reergueram”.

No palco interior estiveram Dj Kitten, Rich & Mendes, Skills And The Bunny Crew e Murmur.

Mas não só de música se faz este North Music Festival, já que há várias zonas dedicadas a outras áreas que fazem com que este evento se destaque. Por isso, quem esteve presente no festival pôde, além de ouvir boa música, cortar o cabelo ou fazer uma tatuagem! Na zona destinada a outro tipo de negócios havia um barbeiro, um estúdio de tatuagem e algumas lojas a vender roupa.

Texto de: Maria Valente; Fotos de: Telmo Pinto

Também pode interessar

Deixar uma resposta

O Echo Boomer utiliza cookies para dar a melhor experiência possível aos nossos leitores. Aceitar Ler mais

%d bloggers like this: