RecadeX: O homem da bicicleta facilita a tua vida em Torres Novas

Se és de Torres Novas ou passas por lá algumas vezes, decerto já deste de caras com alguém a pedalar numa bicicleta com atrelado e bandeiras. Sim, é mesmo verdade. Chama-se RecadeX e é uma empresa fundada por Licínio Neto, formado em Engenharia do Ambiente.

- Publicidade -

Antes de se deixar levar por esta nova experiência, Licínio passou por vários trabalhos e formações, mas rapidamente percebeu que não queria ficar fechado num escritório o dia inteiro. A paixão pela bicicleta sempre existiu e sempre passeou por aí com este veículo. Decidido a mudar a sua vida, Licínio resolveu criar a RecadeX, empresa que surgiu na StartUp Torres Novas e que faz serviços de entregas através da bicicleta elétrica. Basta dar aos pedais.

Pensou em criar uma empresa de estafetas de bicicletas, mas, dada a dimensão da cidade de Torres Novas onde mora e foi criado, optou por alterar o negócio e alargar o leque de serviços a take-aways, lavandarias, entrega de flores, entre outros. Um serviço único, inovador e inspirador na região.

Estivemos à conversa com Licínio, já conhecido na cidade, para perceber melhor o negócio e as suas ambições.

Echo Boomer (EB) – Licínio, primeiro que tudo. De onde vem o nome RecadeX?

Licínio Neto (LN) – Recados com Fedex. Mas, atenção, não é para me confundirem com um simples moço de recados. Eu até fiz esse apontamento no site, que a RecadeX é mais que isso.

EB – Neste nível, és, portanto, pioneiro.

LN – Eu penso que sim, não tenho conhecimento de nada parecido aqui no país. Pode haver algo parecido, mas com toda esta panóplia de serviços que eu ofereço, e que eu tenha conhecimento, não existe.

EB – Tens alguma rota definida?

LN – Até agora não porque ainda não tive nenhuma empresa a ficar como cliente fixo e com entregas para fazer todos os dias. Pensava que seria mais fácil, até porque cheguei a fazê-lo numa empresa. Dava-me mais prazer do que agarrar no carro. Aliás, como percebi que demorava o mesmo tempo, mais valia dar umas pedaladas. Neste caso, fiz também as contas, e percebi que as empresas gastam metade ao optar pela bicicleta para entregas.

licinio1 echoboomer

EB – Além do gosto pela bicicleta, inspiraste-te em algum modelo de trabalho lá fora?

LN – Eu na altura pensei em meter um atrelado nas minhas bicicletas, mas, devido às subidas da cidade, tive de arranjar uma opção que desse para várias coisas. E elétrica, claro.

EB – E consegues pedalar todos os dias? A RecadeX fica só em Torres Novas?

LN – Sim, embora fique um bocadinho cansado no final da semana… Eu estou numa via de arranjar interessados para espalhar o conceito para cidades maiores. Aqui perto, talvez Abrantes e Tomar. E depois as capitais distrito.

EB – Nesse caso ias optar pelo aluguer das bicicletas?

LN – Em princípio quem quer começar tem de investir, ou, então, tinha de ser eu a dar alguma informação de obtenção de financiamento a essas pessoas. Mas estou confiante que possa ter interessados no negócio.

EB – Portanto, nesta fase, seria mesmo expandir para o restante Médio Tejo.

LN – O Médio Tejo interessa neste momento porque eu estou numa aceleradora de ideias da CIMT (Comunidade Intermunicipal do Médio Tejo) onde me aconselharam a expandir, um pouco ao estilo da Uber. Mas é um negócio diferente. Tens de pedalar, não basta pegares no carro. Mais fácil é franchisar.

EB – E aí deixavas os teus “parceiros” serem independentes ou terias sempre uma última palavra no que iam fazendo, no percurso, nos clientes?

LN – Aí dava liberdade, claro. A pessoa teria de avaliar e analisar o mercado e ver o que seria mais vantajoso. Claro, haveria uma forma de controlo qualquer. As bandeiras publicitárias que exponho quando circulo poderão ser uma forma de “expansão” a nível regional e nacional, e, aí, haverá algum tipo de controlo.

EB – Quais são os serviços que te sustentam?

LN – Basicamente, take-away, roupa das lavandarias, entrega de flores – tem corrido bastante bem -, entrega de cabazes, entrega de correspondência e as bandeiras da publicidade. No caso das bandeiras, 50% do tempo tenho publicidade de empresas. Para o mercado torrejano não é nada mau ao início.

EB – Tens clientes todos os dias?

LN – Ao nível de take-away, sim.

EB – As empresas que já te contactaram para promover os seus serviços através das bandeiras deram-te algum feedback?

LN – Sabes, na publicidade é sempre difícil teres algum feedback. Mas sei que há bastante visibilidade. As pessoas comentam “que bandeira é aquela?”, “já mudaste outra vez de bandeira? Isso está a resultar!”. Normalmente não tenho um retorno palpável disso.

licinio2 echoboomer

EB – Isso significa que já és muito conhecido na cidade.

LN – Pois (risos). As pessoas podem não saber ao certo o que eu faço, mas já sou conhecido.

EB – E o que é que te dizem quando te veem por aí? Qual foi o comentário mais inusitado que já ouviste?

LN – Já tive vários. Ao início chegavam a bater palmas, dizem “boa iniciativa, parabéns!”, e isso deixa-me muito feliz. Há outros que, às vezes, mandam parar, mas não me dizem nada. É só mesmo para se meterem comigo.

EB – E o teu corpo, como aguentas? 30 quilómetros diários ainda é bastante.

LN – Eu tenho assistência de motor elétrico, o que me ajuda bastante. Mas às vezes esqueço-me de o ligar (risos). Normalmente os estafetas fazem horário de part-time, mas eu tenho um horário maior. Das 10h às 22h, embora não esteja sempre a circular.

EB – Esta deve ser uma pergunta recorrente. Como é que te proteges contra o calor?

LN – Eu gosto do calor. Ali na casa dos 30 graus aguento bem. E a brisa que às vezes bate na minha cara também ajuda. Claro que dos 40 graus para cima já é complicado.

EB – E quando vier o mau tempo, a chuva, como é que vais fazer?

LN – Essa sim é outra pergunta recorrente. Tenho vestuário adequado para essas alturas. Já testei e vi que resulta. Depois tenho um toldo para tapar a caixa toda. É perfeitamente seguro.

EB – Os idosos envolvem-se? Isto é, como reagem?

LN – É um mercado difícil, são muito desconfiados (risos). Mas aqueles com quem fui ter foram ficando. O passa palavra ajuda bastante e vende bastante. E, ao início, tento sempre fazer um preço acessível para garantir o maior número de clientes possível.

EB – Mas o RecadeX em si não está a ter a adesão que esperavas?

LN – Esperava mais, para ser sincero. Aliás, cheguei a ponderar mudar de local. Mas vou conseguindo prevalecer aqui.

startuptorresnovas echoboomer

EB – Tu, sendo incubado na StartUp Torres Novas, o que retiras daqui? Como ajudam, o que é que acharam da ideia… E como é que conheceste o espaço?

LNTodos adoraram a ideia quando fiz o pitch para estar aqui. Têm ajudado nas falhas que eu tenho em termos de comunicação, na estrutura do pitch propriamente dito e na parte financeira no que toca à gestão do negócio. Tenho feito, também, alguns eventos apoiados aqui pela StartUp Torres Novas. Quanto ao conhecimento do espaço, é difícil não reparar no edifício. Depois pesquisei informações na Internet e reparei que queriam recolher ideias, e, na altura do Natal, um familiar questionou-me o porquê de eu não abrir uma empresa. Então pensei em algo que, nesta fase, não necessitasse de muito dinheiro de investimento, pelo que fiz a minha candidatura. E correu bem.

EB – As pessoas adoram criatividade. Nesse campo, como te comportas?

LN – A bicicleta ajuda, tem várias facetas. Ainda agora comecei a transportar crianças. Aliás, a bicicleta foi desenhada para esse fim, o transporte de crianças. E a adesão foi boa. Mas vou estar presente na Feira dos Frutos Secos e, até lá, vou inventar qualquer coisa original (risos).

EB – Não foi um choque passar do ambiente de escritório para um mais rural?

LN – Não, porque não foi uma passagem imediata. Estava sempre ocupado, fosse com outros trabalhos, com formações… Após tudo isso, ainda dediquei três meses do meu tempo a preparar a RecadeX.

EB – Como é que reagiu a família a esta mudança?

LN – Nada bem, pelo menos a mais próxima. E ainda não reagem bem. É um bocado desmotivante, para ser sincero.

EB – E entregas complicadas ou delicadas?

LN – Já tive várias. Às vezes é com cada peripécia… (risos). Principalmente para entrega de flores. Por vezes os apaixonados não sabem a morada certa, há complicações para saber o prédio, depois a pessoa tem de descer… E eu para manter a surpresa digo que tenho ali uma encomenda extraviada e para confirmar se é mesmo para essa pessoa ou não.

EB – Deve ser engraçado ver a reação das pessoas.

LNHá umas que se fartam de chorar, outras que ficam atónitas. É engraçado, sim.

EB – Ou seja, é um trabalho divertido? Dá-te gozo?

LN – Sim, claro, e depende muito das situações. Primeiro porque é uma bicicleta e não causa poluição, depois por todas as surpresas que vão surgindo no caminho.

bicicletarecadex echoboomer

EB – Há pouco falaste na possibilidade de expansão de negócio. Mas e se surgisse um ou vários com base no teu, sem a tua influência direta, como reagirias?

LN – É assim, se isso não impossibilitasse eu expandir o meu, tudo bem. Caso contrário era complicado, até porque as capitais distrito não são assim tão grandes. Mas acho difícil alguém pegar no conceito exatamente como ele está e copiá-lo sem me dizer nada. Já me enviaram mensagens para trabalhar comigo aqui em Torres Novas, mas eu dou conta do recado aqui na cidade.

EB – Por último, as tuas expetativas para a RecadeX?

LN – Continuar a evoluir e não estagnar, isso é essencial. E é motivante.

EB – Esqueci-me de outra questão essencial: desde que começaste a pedalar, quanto é que já emagreceste?

LN – Emagreci mais agora porque mudei de dieta. Agora sou vegan!

Segue-nos nas redes sociais no FacebookTwitter e Instagram.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Novo programa desafia startups portuguesas a tirarem partido do 5G

Os melhores projetos podem vir a ser investidos pelo Fundo NOS 5G e o vencedor terá acesso direto a incubação na Startup Lisboa.

StartUp Torres Novas deverá mudar de localização

Não é para já, mas esse adeus ao edifício B do Convento do Carmo deve mesmo acontecer.

Hug-a-Group. Startup portuguesa quer tornar o apoio de saúde mental acessível a todos

Numa altura em que tópicos como a saúde mental estão na ordem do dia, a verdade é que nem todos conseguem ajuda.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Sines recebe investimento de 80 milhões para produção de salmão e bacalhau

A construção do projeto deve arrancar no último trimestre de 2022.

Governo diz que voos da SATA para os Açores não estão em risco de ser suprimidos

Desmentindo, assim, uma notícia avançada pelo Expresso.

Grupo B&B Hotels abre hotel em Guimarães ainda este ano

Um hotel de três estrelas com capacidade para 95 quartos. Hoje, dia 28 de janeiro, a parceria Casais - Sunny...