Peter Hook & The Light evocaram o repertório de Substance em Lisboa

O ano de 2019 é de sorte para os admiradores de Joy Division e New Order.

- Publicidade -

Estão a perguntar-se se o ex-baixista e os New Order (Bernard Sumner, Stephen Morris e Gillian Gilbert) se reconciliaram após anos de discussões? Not really. O divórcio parece definitivo e irreversível. Mas as boas notícias não faltam: um duplo encontro que vê a banda de Manchester como cabeça de cartaz no dia 15 de agosto no festival Vodafone Paredes de Coura e os Peter Hook & The Light em três concertos em Portugal (Lisboa, Guarda e Porto).

No passado dia 12 de abril, na Aula Magna, em Lisboa, Peter Hook & The Light reiteraram o repertório dos Joy Division e dos New Order, focalizando-se, em particular, no álbum Substance (duas coletâneas dos temas das bandas: o primeiro saído em agosto de 1987 e relacionado aos New Order; o segundo aos singles dos Joy Division com mais quatro músicas nunca publicadas nos álbuns Transmission, Komakino, Love Will Tear Us Apart e Atmosphere).

Na grande sala universitária, o ex-baixista inglês deu uma aula de história da música através de um compêndio de mais de duas horas de todas as maiores faixas das bandas de Manchester. E realizou, assim, “dois concertos”.

Após a ação judicial contra os New Order pelo aproveitamento dos direitos de imagens e musicais e das royalties, Hook fundou os The Light em 2010, por ocasião dos 30 anos da morte do cantor dos Joy Division, Ian Curtis (em 1980), com a intenção de reinterpretrar uma parte importante das obras das suas bandas passadas.

Do post-punk até à dance alternativa, a herança musical das bandas inglesas é indelével. Uma memória histórica a defender, como o próprio Hook já disse várias vezes, falando de uma “responsabilidade” para com o público.

Na setlist da passada sexta-feira, além das faixas de Substance, não faltaram as surpresas, logo desde o início com “Regret” (de 1993 e contida no disco Republic) e com “Procession”, do álbum Movement (1981). A partir daqui, Substance foi apresentado na íntegra (com as faixas em sequência assim como o álbum): o incipit do baixo de “Ceremony” e as inesquecíveis, entre todos, “Tempation” e “Blue Monday”, até à tríade final de “State of the Nation”, “Bizzarre Love Triangle” e “True Faith”.

O público não permaneceu sentadinho e dançou os velhos sucessos dos New Order. Apesar de tudo, os arranjos musicais foram pouco procurados e deixou-se muito espaço para os presets originais. O volume da voz, porém, talvez tivesse estado baixo aqui e ali. Mas pouco importou.

O britânico pregou-nos uma partida, abandonando o palco por quase dez minutos e deixando o público baralhado sobre a possibilidade de um encore. Quando a banda voltou, iniciou, na verdade, um outro concerto, onde estava prevista uma parte “Joy Division”. Um concerto mais intenso e mais convincente do ponto de vista da intensidade musical, onde os riffs reconhecíveis do baixo de Hook são incisivos e mais punk, como no início da sombria “Day of the Lords”, juntamente com “Colony” e “Shadowplay”, três faixas que não estávamos mesmo à espera, até que o Substance dos Joy Division foi tocado integralmente: “Warsaw”, “Leaders” of the Man” e “Digital”, num crescendo final de obras primas: “Transmission”, “She’s Lost Control”, “Incubation”, “Dead Souls”, com Atmosphere, e, obviamente, “Love Will Tear Us Apart” a fechar.

A memória e a identidade histórica foram defendidas. Peter Hook prestou a sua homenagem e nós também. É pena não podermos mais acreditar nas pazes entre Peter Hook e os New Order, mas o ex-baixista fez o seu papel. Agora, ficamos à espera da “resposta” da banda de Manchester no Festival Vodafone Paredes de Coura.

Fotos de: João Furtado

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,770FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
656SeguidoresSeguir

Relacionados

Concerto dos FrogLeap em Lisboa adiado para outubro

É o projeto do fenómeno do YouTube Leo Moracchioli.

Igorrr de regresso a Portugal

O projeto do genial Gautier Serre vem ao nosso país para dois concertos.

Concerto de Harry Styles em Lisboa já não se vai realizar em fevereiro de 2021

Começam os adiamentos dos concertos previamente adiados para os primeiros meses de 2021.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Novo confinamento. Supermercados passam a fechar às 17h aos fins de semana

O Governo apertou as medidas de confinamento, mas continua sem fechar as escolas.

O novo Justice League vai ter um formato de filme de quatro horas

Inicialmente Zack Snyder anunciou que a sua versão do filme seria uma minissérie.

Há quase 30 exclusivos de consola a caminho da Xbox em 2021

Com duas pequenas exceções, o ano de 2021 vai encher a Xbox One e as Xbox Series X|S de exclusivos.