fbpx

SUCKA, as palhinhas de metal já chegaram ao mercado

Hoje em dia, as pessoas estão cada vez mais conscientes dos problemas que o plástico representa para a sociedade. A pensar nisso, porque não começar logo com a abolição das palhinhas feitas com esse material?

É Essa é a ideia da SUCKA, uma empresa que criou palhinhas de metal. Esta nova marca de palhinhas ecológicas e trendy surge da mente de Fabiana Delcanton e Lewis Topsom, uma fotógrafa de moda e um designer gráfico, que repararam que existia uma grande lacuna no mercado no que diz respeito a este assunto.

Assim, resolveram criar palhinhas de metal reutilizáveis, leves e coloridas que minimizassem a poluição marinha. Ou seja, existe aqui sentido estético, mas, acima de tudo, uma consciência limpa.

As suckas estão disponíveis em três tons – dourado, prateado e “arco-iris” – e são vendidas em conjunto num saco de linho para irem protegidas na carteira e para que os millennials as possam guardar dentro de malas. Custam 11€ e podem ser adquiridas no site oficial.


 

- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,778FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
628SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

IKEA deixa de vender artigos de plástico de uso único

Ou seja, palhinhas, talheres, copos e pratos em plástico descartável deixam agora de ser vendidos, sendo substituídos por soluções feitas a partir de fontes 100% renováveis.

McDonald’s já anda a testar palhinhas 100% feitas de papel

Para já, são somente dois os restaurantes McDonald's abrangidos por este teste-piloto: o da Avenida D. João II, em...

4ª edição do Vagos Metal Fest chega com várias novidades

Será possível ir a banhos no rio, provar cervejas artesanais portuguesas e hidromel, bem como usufruir de campismo gratuito....
- Publicidade -

Mais Recentes

Celebra o aniversário do Batman com o LEGO do seu Batwing

O novo set de coleção é inspirado no icónico veiculo do filme de 1989.

Câmara Municipal de Lisboa vai continuar a apostar em água reutilizada para lavar as ruas e regar espaços verdes

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou a proposta para a construção da Rede de Água Reutilizada de Lisboa na Zona Ribeirinha e Bairro Alto.