A segunda temporada de Ozark melhorou em todos os aspetos

Foi a 21 de julho de 2017 que estreou na Netflix uma das suas séries menos consensuais. Ozark dividiu a crítica e público, mas, acima de tudo, tinha em si a sombra de Breaking Bad, uma vez que existem elementos em comum entre ambas, como por exemplo a entrada no mundo do crime. Contudo, Ozark acabou por destacar-se por si só, não se mostrando, de todo, uma reles imitação da famosa série protagonizada por Walter White.

- Publicidade -

Ozark provou ser tenso, profundo e capaz de surpreender o público, apresentando-nos situações em que parecia impossível as personagens saírem ilesas. Tendo isto em conta, não foi de admirar as nomeações aos Emmy.

Entretanto, com o anúncio da segunda temporada, os fãs de Ozark ansiavam pelos desenvolvimentos da família Byrde, toda ela inserida num esquema de lavagem de dinheiro, inclusive os filhos. E agora que a segunda temporada está disponível no sítio do costume, os fãs podem esperar mais situações difíceis, mais mortes e uma história cada vez mais negra e densa.

Esqueçam de vez as comparações a Breaking Bad e olhem para Ozark como um diamante em bruto. A série protagonizada por Jason Bateman – continua fabuloso e é notável vê-lo num papel fora da comédia – veio trazer novas peripécias e reviravoltas constantes na vida da família Byrde, que, nesta temporada, vai estar (ainda mais) com as emoções à flor da pele.

Se na primeira temporada o primeiro episódio consegue-nos logo agarrar ao ecrã e fazer binge watching até ao final da temporada, este novo leque de episódios não lhe fica nada atrás. Aliás, a consistência, a qualidade dos diálogos, o drama constante, tudo isso foi melhorado. E até as novas adições ao elenco vieram dar nova força a esta história mirabolante.

Cada vez mais por dentro do negócio das drogas, a família Byrne vai ficando cada vez mais dividida. Se, por um lado, o casal Martin e Wendy mostram ao mundo exterior a sua aparente “relação perfeita”, é quando estão sozinhos que se nota que a relação entre ambos vai ficando cada vez mais tensa. Contudo, é muito interessante reparar nesta dualidade de aparências, algo que os atores fazem com mestria.

Já o elenco secundário, como os “ajudantes” de Martin ou os pseudo-amigos de Wendy, dá força e credibilidade a uma história que parece difícil de imaginar. E isto sem falar na família de Ruth Langmore, que promete continuar a causar problemas.

Resumindo, as personagens estão cada vez mais distantes e divididas, há um tom muito negro na vida de cada um e as reviravoltas são constantes nas situações apresentadas, o que só prova que não precisamos de grandes orçamentos para que seja criado um projeto viciaste. Basta uma boa realização, uma boa história e excelentes atores.

Estou a falar em linhas muitos gerais de modo a não spoilar ninguém, mas, no final de tudo, irão aperceber-se de que estamos perante uma temporada mais forte e mais coesa do que a primeira. Felizmente, Ozark não é daquelas séries que se perde no segundo ano de existência. Não. Consegue prevalecer e apresentar-nos histórias ainda mais interessantes que as da primeira temporada. Mesmo com todos os perigos ao virar de cada esquina, Ozark vai colar-nos ao ecrã, nem que seja para esperarmos o pior que pode acontecer.

Se querem uma série para o binge watch da semana, aqui a têm. É imperdível.


 

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Crítica – Luca

Luca segue de perto as fórmulas de sucesso dos estúdios da Pixar sem se desviar por caminhos únicos, mas mesmo assim conta uma história cativante com personagens relacionáveis que chegam ao coração dos espectadores.

Crítica – Godzilla vs. Kong

Godzilla vs. Kong é um regresso em forma do divisivo MonsterVerse. Desde CGI genuinamente impressionante e visualmente orgásmico até às lutas entre monstros repletas de adrenalina e energia, este filme é a definição de puro entretenimento de blockbuster.

He-Man está de regresso no primeiro trailer de Masters of the Universe: Revelation

Kevin Smith ajudou ressuscitar a saga de culto para uma continuação na Netflix.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Viaja no tempo e assiste ao concerto dos 30 anos de Sonic

São mais de duas horas de pura alegria.

Overwatch já pode ser jogado entre diferentes plataformas

Demorou, mas o cross-play lá chegou.

Samsung expande a sua linha de monitores Odyssey Gaming

Em 2021 há mais opções da Samsung para os jogadores que procuram um bom monitor.