- Publicidade -

Análise – Overpass

-

- Publicidade -

Overpass chega ao PC e consolas com a ambição de levar até aos jogadores um novo tipo de simulação radical, inspirado na perícia e na ultrapassagem de obstáculos.

Ao longo dos tempos, temos visto muitos tipos de simuladores dentro do mundo motorizado, uns dedicados à simulação mais mundana de transportes e aventuras na natureza, outros dedicados à adrenalina do asfalto. E depois temos Overpass, que dá destaque aos obstáculos das corridas de ATVs e Buggies.

Do ponto de vista criativo, apresentar um simulador virtual, especialmente num videojogo, é um enorme desafio, pois se for para ser muito hardcore, deve ser levado a sério em todas as dimensões, de forma a que nada falhe e lhe retire imersão e para que cada decisão e situação num jogo faça sentido dentro desse contexto.

Assim, um jogo que quer muito ser um simulador, mas não consegue criar a ilusão de imersão porque apenas se dedica a alguns elementos, falha redondamente. Dito isto, Overpass é uma experiência frustrante, aborrecida e sem alma.

Overpass

O jogo oferece, em parte, aquilo que promete, não haja dúvida. Ao nosso dispor temos motas de quatro rodas e buggies, bem modelados e detalhados, de marcas oficiais, mas muito semelhantes entre si, sem grande identidade ou pontos de destaque além das barras de estatísticas que apresentam.

Ao longo da nossa carreira vamos desbloqueando veículos e componentes para atualizar, mas que pouco ou nada mudam a experiência durante as provas. E vamos poder visitar uma bela e variada seleção de áreas cheias de detalhe e cor.

Visualmente, Overpass é competente. Os gráficos satisfazem e a apresentação geral do jogo está muito ajustada à cultura em volta da modalidade. Os veículos são detalhados, assim como os vários locais onde encontramos neles uma seleção de pistas com diferentes elevações e tipos de terreno que respondem aos nossos veículos. Do ponto de vista de gamedesign, as pistas também funcionam muito bem, com as zonas mais lamacentas, areosas e corpos de água a tornarem as provas mais desafiantes.

Overpass conta com vários modos de jogo, como o Quick Play, modo multijogador de ecrã dividido, um modo online sem qualquer tipo de população e a carreira onde passei mais tempo a navegar organicamente de prova em prova, com alguma liberdade no que fazer a seguir.

Overpass

É, no entanto, na jogabilidade e na motivação em continuar a fazer provas que Overpass cai de cara na lama e dificilmente se levanta. Em Overpass, o objetivo não é acelerar e ser o mais rápido, ainda que o contra-relógio exista para nos posicionar na tabela e penalizar sempre que cometemos erros. No jogo, o objetivo é passar obstáculos da forma mais eficaz e rapidamente possível, usando a física, atrito, centro de gravidade e outros elementos a cada desafio, seja uma rampa íngreme, um conjunto de troncos, buracos com lama, pedras, quedas, e muitos outros.

Não só a premissa do título é, por si só, aborrecida, como a física aplicada aos veículos e o controlo dos mesmos é atroz. Com um número de câmaras limitadas, centradas no corpo dos veículos, torna-se difícil ter uma noção clara do que estamos a fazer nos momentos mais delicados. O controlo da tração é quase inexistente, com os veículos a deslizarem com facilidade em superfícies onde não deviam, e a sensação de impulso e de velocidade também parece ausente.

As provas são também insípidas, sem alma ou atmosfera, sem público ou comentadores, tornando a experiência quase deprimente e vazia. Tudo somado, a motivação de jogar para além do prazer de superar os obstáculos é nula, tornando impossível degustar o que quer que seja que Overpass tem para dar.

Overpass terá, certamente, o seu público nicho. É um jogo que leva a sério a sua ambição, mas que pouco ou nada faz para agradar a um jogador que procura algum tipo de adrenalina dentro do género.

Nota: Mau

Overpass

Plataformas: PC, Xbox One, PlayStation 4 e Nintendo Switch

Overpass é um jogo cheio de desafios, sendo o maior deles convencer que as suas provas e obstáculos são realmente divertidos de ultrapassar.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

10,245FãsGostar
4,046SeguidoresSeguir
508SeguidoresSeguir

Mais Recentes

Análise – Resident Evil 3 Remake

Resident Evil 3 Remake espelha o original de 1999 de forma refrescante e emocionante, num jogo mais coeso e orientado na ação que o seu antecessor, mas que serve também de um excelente complemento para assistir de perto à tragédia de Raccoon City.

Concurso Montepio Acredita Portugal 2020 com inscrições abertas até 25 de abril

Além disso, o concurso adotou um formato inicial digital, 100% online, pelo que, depois, o desenvolvimento de ideias submetidas irá decorrer até 17 de maio deste ano.

Makro Portugal abre as portas das suas lojas a todos os consumidores

A partir das 06h de hoje, 6 de abril, a Makro Cash & Carry Portugal S.A. abre as portas de todas as suas lojas a nível nacional de forma a garantir a continuidade da cadeia de distribuição de produtos a todos os consumidores.

Crítica – Sonic the Hedgehog

Sonic the Hedgehog é uma aventura divertida que qualquer família pode desfrutar numa tarde de domingo.

Digimon Adventure Reboot já está disponível! Saibam aqui como ver

Sim, a primeira série a surgir no pequeno ecrã foi alvo de reboot, pelo que os próximos episódios serão altamente nostálgicos. Há, claro, diferenças.
- Publicidade -