Análise – Overpass

Overpass chega ao PC e consolas com a ambição de levar até aos jogadores um novo tipo de simulação radical, inspirado na perícia e na ultrapassagem de obstáculos.

- Publicidade -

Ao longo dos tempos, temos visto muitos tipos de simuladores dentro do mundo motorizado, uns dedicados à simulação mais mundana de transportes e aventuras na natureza, outros dedicados à adrenalina do asfalto. E depois temos Overpass, que dá destaque aos obstáculos das corridas de ATVs e Buggies.

Do ponto de vista criativo, apresentar um simulador virtual, especialmente num videojogo, é um enorme desafio, pois se for para ser muito hardcore, deve ser levado a sério em todas as dimensões, de forma a que nada falhe e lhe retire imersão e para que cada decisão e situação num jogo faça sentido dentro desse contexto.

Assim, um jogo que quer muito ser um simulador, mas não consegue criar a ilusão de imersão porque apenas se dedica a alguns elementos, falha redondamente. Dito isto, Overpass é uma experiência frustrante, aborrecida e sem alma.

Overpass

O jogo oferece, em parte, aquilo que promete, não haja dúvida. Ao nosso dispor temos motas de quatro rodas e buggies, bem modelados e detalhados, de marcas oficiais, mas muito semelhantes entre si, sem grande identidade ou pontos de destaque além das barras de estatísticas que apresentam.

Ao longo da nossa carreira vamos desbloqueando veículos e componentes para atualizar, mas que pouco ou nada mudam a experiência durante as provas. E vamos poder visitar uma bela e variada seleção de áreas cheias de detalhe e cor.

Visualmente, Overpass é competente. Os gráficos satisfazem e a apresentação geral do jogo está muito ajustada à cultura em volta da modalidade. Os veículos são detalhados, assim como os vários locais onde encontramos neles uma seleção de pistas com diferentes elevações e tipos de terreno que respondem aos nossos veículos. Do ponto de vista de gamedesign, as pistas também funcionam muito bem, com as zonas mais lamacentas, areosas e corpos de água a tornarem as provas mais desafiantes.

Overpass conta com vários modos de jogo, como o Quick Play, modo multijogador de ecrã dividido, um modo online sem qualquer tipo de população e a carreira onde passei mais tempo a navegar organicamente de prova em prova, com alguma liberdade no que fazer a seguir.

Overpass

É, no entanto, na jogabilidade e na motivação em continuar a fazer provas que Overpass cai de cara na lama e dificilmente se levanta. Em Overpass, o objetivo não é acelerar e ser o mais rápido, ainda que o contra-relógio exista para nos posicionar na tabela e penalizar sempre que cometemos erros. No jogo, o objetivo é passar obstáculos da forma mais eficaz e rapidamente possível, usando a física, atrito, centro de gravidade e outros elementos a cada desafio, seja uma rampa íngreme, um conjunto de troncos, buracos com lama, pedras, quedas, e muitos outros.

Não só a premissa do título é, por si só, aborrecida, como a física aplicada aos veículos e o controlo dos mesmos é atroz. Com um número de câmaras limitadas, centradas no corpo dos veículos, torna-se difícil ter uma noção clara do que estamos a fazer nos momentos mais delicados. O controlo da tração é quase inexistente, com os veículos a deslizarem com facilidade em superfícies onde não deviam, e a sensação de impulso e de velocidade também parece ausente.

As provas são também insípidas, sem alma ou atmosfera, sem público ou comentadores, tornando a experiência quase deprimente e vazia. Tudo somado, a motivação de jogar para além do prazer de superar os obstáculos é nula, tornando impossível degustar o que quer que seja que Overpass tem para dar.

Overpass terá, certamente, o seu público nicho. É um jogo que leva a sério a sua ambição, mas que pouco ou nada faz para agradar a um jogador que procura algum tipo de adrenalina dentro do género.

Nota: Mau

Overpass (Análise versão PlayStation 4)

Plataformas: PC, Xbox One, PlayStation 4 e Nintendo Switch

Overpass é um jogo cheio de desafios, sendo o maior deles convencer que as suas provas e obstáculos são realmente divertidos de ultrapassar.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Shadow Corridor – Bem vindos ao Tédio

Um jogo de terror demasiado preso à sua fórmula que só é indicado para os amantes de sustos fáceis.

The Lightbringer – Uma aventura poética

Um jogo de plataformas interessante com algumas escolhas de design que o tornam num produto bizarro.

Gleylancer – Da Mega Drive, com Amor

O título da Masaya Games chega finalmente ao ocidente, 29 anos depois da sua estreia.

Blade of Darkness – À lei da espada

Um regresso ao passado competente que merecia algumas melhorias na jogabilidade.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Nova iniciativa da Nestlé dá borras de café aos consumidores para um melhor desenvolvimento das plantas

As borras de café podem contribuir para melhorar as características físicas, químicas ou biológicas do solo, com vista ao bom desenvolvimento das plantas.

Maior festival português de blues regressa a Braga

O Nova Arcada Braga Blues regressa à cidade para a 4ª edição com concertos de nomes como José Cid, Rui Veloso, Budda Guedes, Maria João, Rockin Gina & The Sentinels e Archie Lee Hoocker.