A próxima celebração dos Óscares vai dar maior destaque aos filmes lançados em streaming

- Publicidade -

Netflix, Amazon e outras plataformas vão ficar contentes.

Óscares

Apesar de não serem muitos, os filmes lançados nas plataformas digitais puderam concorrer no passado aos Prémios dos Óscares, incluindo a categoria de Melhor Filme, se estes tivessem também lançamentos nos cinemas, mesmo que por um período limitado. Foi o caso de The Irishman e de Marriage Story, ambos da Netflix, que tiveram que ser também lançados em cinemas no território americano.

Porém, para as 2021, as coisas prometem ser diferentes. Nessa edição, os filmes lançados em plataformas de streaming vão poder concorrer aos Óscares… sem terem de passar pelo grande ecrã. Para se qualificarem, os filmes terão apenas que ser submetidos na Academy Screening Room, uma plataforma privada apenas para membros, dentro dos 60 dias seguintes ao seu lançamento público.

A novidade foi divulgada esta segunda feira pela Academia, procurando assim combater a possível falta de concorrentes e nomeados por causa do impacto da pandemia da COVID-19, algo que afetou a indústria do cinema na produção de filmes e nos seus lançamentos.

Como já pudemos testemunhar, são muitos os filmes a serem adiados e a ganharem novas datas de lançamento, outros atrasados por causa das produções e outros tantos a terem lançamentos quase “surpresa” em plataformas de streaming e videoclubes digitais.

Esta medida abre, assim, as portas para que mais produções da Amazon, HBO ou Netflix possam participar na celebração.

Além desta novidade, a Academia anunciou mais duas alterações. Uma delas já era esperada, passando pela fusão das categorias de Edição de Som e Mistura de Som, algo que, durante muito tempo, não só fez confundir audiências, como também os próprios membros do júri.

A segunda medida passa por uma aposta ecológica. Basicamente, os Screeners serão distribuídos ao júri pela via digital, ao invés dos tradicionais DVDs. Esta medida entra em vigor a partir de 2022, tentando assim, segundo o comunicado oficial, diminuir a sua pegada ecológica.

Resta agora saber como será a evolução da COVID-19 ao longo do resto do ano e como irá influenciar esta indústria do entretenimento e, consequentemente, futuras edições dos Óscares.

- Publicidade -

Relacionados

- Publicidade -

Mais recentes