fbpx

Sugestão Netflix: Séries para comemorar o Dia Internacional da Mulher

Comemora-se hoje o Dia Internacional da Mulher e, para marcar a data, a Netflix chegou-se até nós para sugerir um conjunto de séries com uma forte representação feminina. Nesta pequena lista vamos ter rainhas, lutadoras e destemidas em conteúdos que podemos encontrar na plataforma de streaming.

Por isso juntem-se a nós, liguem os vossos ecrãs e deixem-se levar pelo Girl Power.

The Crown

Começando pela história da realeza britânica, temos The Crown, já com duas temporadas (com uma terceira a caminho), que nos conta, de forma dramática, o processo de ascensão ao poder da Rainha Elizabeth II no Reino Unido.

Criticamente aclamada, esta série conta com excecionais performances de Claire Foy, que lhe valeu um Globo de Ouro, Vanessa Kirby, Victoria Hamilton e Matt Smith.

GLOW

https://youtu.be/v748_ZCpQ8U

Do outro lado do atlântico, e já na década de 80, encontramos outra série altamente centrada nas mulheres e na sua identidade.

GLOW: The Story of the Gorgeous Ladies of Wrestling apresenta-nos um grupo de mulheres insatisfeitas pelo modo como são tratadas pela sociedade. E quando encontram a oportunidade de participar numa liga de wrestling só para mulheres, abraçam essa ideia para mostrar a sua verdadeira força.

A série acaba por ser uma sátira a uma sociedade machista e patriarca, mas com um tom cómico e com muita esperança e “brilho”.

A série conta com um forte e diverso elenco, onde se destacam Alison Brie, Betty Gilpin, Sydelle Noel, Britney Young, Britt Baron, entre outras estrelas.

Espera-se que GLOW estreie a sua segunda temporada ainda este ano.

Sem Deus

https://www.youtube.com/watch?v=mMUiRYoc76A

Voltamos atrás no tempo outra vez, agora até ao velho oeste, com uma premissa pouco comum.

Sem Deus é um western feminino. Sim, leram bem. Em vez de cowboys, temos cowgirls numa série com apenas sete episódios.

Sem Deus tem os ingredientes todos para os fãs de westerns: pistolas, cavalos e chapéus, sendo violento e sujo. Por outro lado, dá força às mulheres, que não costumam ser muito bem tratadas neste género.

Nesta série, um bandido procura um companheiro desertor que encontrou uma nova vida numa cidade governada por mulheres.

Em Sem Deus, não é só o papel feminino na sociedade da altura que é retratado; toca também em temas raciais pelos conflitos existentes com os indígenas da época.

Para já, Sem Deus parece ser uma série limitada, sem planos para sequelas ou uma segunda temporada. Nos papéis principais, podemos encontrar Michelle Dockery, Merrit Wever, Jack O’Connell e Scoot McNairy.

As Telefonistas

Agora estamos nos loucos anos 20 em Madrid, com uma produção espanhola, como seria de esperar.

As Telefonistas segue a história de quatro mulheres que trabalham numa recente empresa de telecomunicações e como o seu trabalho afeta a vida individual de cada uma, numa altura em que as mulheres eram vistas apenas como filhas, mulheres e mães.

É uma historia de emancipação com um tom progressivo e crítico, com todos os ingredientes para um drama envolvente.

E claro, é uma série cheia de estilo inspirada nos anos 20 com o seu toque dourado de art-déco.

Jessica Jones

https://youtu.be/kGCHh205-AU

Terminamos este artigo com um regresso ao presente, numa estreia Netflix que vem mesmo a calhar.

Estamos a falar da única heroína do universo Marvel, na televisão ou cinema, com a sua história, Jessica Jones.

Jessica Jones regressa na sua segunda temporada e vem ainda mais chateada do que na última vez que a vimos. Depois de se livrar dos fantasmas do passado, Jones é agora uma heroína reconhecida, mas pelas piores razões.

Esta segunda temporada aposta numa jornada em torno de uma crise de identidade enquanto novos desafios apresentam-se à sua frente.

Estas são apenas algumas sugestões originais da Netflix, o que quer dizer que o serviço de streaming tem muitas outras propostas em que são as mulheres que mandam.

Estão aqui algumas das vossas séries favoritas? O que é que recomendariam para um dia como hoje?


- Publicidade -

Afiliados

Sigam-nos

10,789FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
631SeguidoresSeguir

Media Partner

Relacionados

Crítica – Enola Holmes

Enola Holmes oferece uma agradável e refrescante visão de uma franchise que pode ter ganho um novo futuro.

Crítica – The Devil All The Time

The Devil All The Time pode não ser indicado para aqueles que têm uma visão muito pessoal sobre a religião. Já para outros será um filme que tardará a desaparecer da memória.
- Publicidade -

Mais Recentes

Crítica – Greenland

Um par de cenas entusiasmantes e um elenco decente não conseguem livrar Greenland do desastre que é.