Nestlé anuncia novo plano para mitigar os riscos de trabalho infantil na produção de cacau

- Publicidade - trk
- Publicidade -

As comunidades produtoras de cacau enfrentam grandes desafios, incluindo pobreza rural generalizada, aumento dos riscos climáticos e falta de acesso a serviços financeiros e infraestruturas básicas, como a água, cuidados de saúde e educação.

A Nestlé anunciou esta semana um plano inovador para combater o trabalho infantil nas plantações de cacau. No centro deste plano está um programa inovador – o “Income Accelerator Program” – que visa melhorar os meios de subsistência dos produtores de cacau e das suas famílias, ao mesmo tempo que permite avançar nas práticas de agricultura regenerativa e na igualdade de género. Será pago um incentivo monetário diretamente às famílias produtoras de cacau por determinadas atividades, tais como a colocação das crianças na escola, a implementação de boas-práticas agrícolas, entre outras. O novo plano da Nestlé inclui também transformar o abastecimento global de cacau para alcançar a total rastreabilidade e segregação dos seus produtos.

O “Income Accelerator Program” oferece uma nova abordagem para ajudar os produtores e as respetivas famílias na sua transição para uma produção de cacau mais sustentável. Os incentivos encorajarão comportamentos e práticas agrícolas que são concebidos para construir progressivamente a resiliência social e económica ao longo do tempo. Com a nova abordagem da Nestlé, as famílias dos produtores de cacau serão agora recompensadas não só pela quantidade e qualidade das sementes de cacau que produzem, mas também pelos benefícios que proporcionam ao ambiente e às comunidades locais.

Estes incentivos estão para além do prémio introduzido pelos governos da Costa do Marfim e do Gana que a Nestlé paga e dos prémios que a Nestlé oferece para o cacau certificado. Este cacau é objeto de uma auditoria independente mediante a Rainforest Alliance Sustainable Agriculture Standard, promovendo o bem-estar social, económico e ambiental dos agricultores e das comunidades locais.

As comunidades produtoras de cacau enfrentam grandes desafios, incluindo pobreza rural generalizada, aumento dos riscos climáticos e falta de acesso a serviços financeiros e infraestruturas básicas, como a água, cuidados de saúde e educação. Estes fatores complexos contribuem para o risco de trabalho infantil em plantações familiares. Em conjunto com os seus parceiros, incluindo governos, e reforçando este programa-piloto promissor, a nova iniciativa da Nestlé ajudará a lidar com estas causas de trabalho infantil.

Criar incentivos monetários para reforçar a sustentabilidade dos rendimentos

Este novo programa recompensa práticas que melhoram a produtividade das culturas e ajuda a garantir fontes de rendimento adicionais que pretendem aligeirar o défice do rendimento e ajudar a proteger as crianças. Num desvio das práticas comuns, o programa também oferece incentivos financeiros às mulheres dos agricultores, que costumam ser responsáveis por despesas da casa e cuidar das crianças. Ao dividir os pagamentos entre o agricultor e a sua esposa, o programa ajuda a capacitar as mulheres e a criar mais igualdade de género. Exemplos de práticas que a Nestlé está a incentivar incluem:

  • Inscrever na escola todas as crianças entre os 6 e os 16 anos;
  • Implementar boas-práticas agrícolas, como a poda, que aumenta a produtividade das culturas;
  • Fazer atividades agroflorestais para melhorar a resistência climática, como plantar árvores de sombra;
  • Gerar rendimentos diversificados, por exemplo através de outras plantações, pecuária, como ter galinhas, apicultura ou processamento de outros produtos, como a mandioca.

Os pagamentos serão entregues através de uma transferência de serviço móvel segura que assegurará a rastreabilidade diretamente dos fornecedores da Nestlé para o destinatário pretendido. Uma vez que o fluxo de dinheiro ao longo do ano é frequentemente um desafio, os incentivos monetários serão distribuídos quando forem mais necessários. Com base no feedback dos agricultores, isto inclui o período de regresso às aulas e antes da época das chuvas. Intervenientes terceiros, incluindo a International Cocoa Initiative e a Rainforest Alliance, trabalharão com a Nestlé para monitorizar a participação.

Monitorizar o cacau desde a plantação até à fábrica

Como parte do programa, a Nestlé irá transformar o abastecimento global de cacau para alcançar a total rastreabilidade e segregação dos seus produtos de cacau, desde a origem até à fábrica. Este novo esforço irá ajudar a transformar a cadeia de abastecimento da Nestlé e a indústria no geral. A Nestlé irá lançar uma gama de produtos com cacau proveniente deste programa inovador, oferecendo aos consumidores a oportunidade de apoiarem a melhoria da qualidade de vida das famílias produtoras de cacau e a proteção das crianças. Isto irá começar com uma seleção de produtos Kit Kat em 2023.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

- Publicidade -

Relacionados

Nestlé inaugurou a sua remodelada sede em Linda-a-Velha

Pensado em 2018 e iniciado em 2020, o projeto de remodelação foi totalmente desenvolvido para ser sustentável, quer durante a sua construção, quer agora na sua utilização.

Nestlé quer todos os seus cafés provenientes de cultivo sustentável até 2025

Atualmente, a Nescafé e Nescafé Dolce Gusto asseguram 85% e 90%, respetivamente, de café proveniente de cultivo sustentável. As marcas Buondi, Sical, Tofa e Cafés Christina asseguram 89%.

Chocolates Smarties passam a chegar ao mercado em embalagens de papel reciclável

É a primeira marca global de chocolates a fazê-lo.

Nova iniciativa da Nestlé tem o objetivo de apoiar a Rede de Emergência Alimentar

Estão envolvidas nesta campanha todas as marcas de café da Nestlé.
- Publicidade -
- Publicidade - trk
- Publicidade -

Mais Recentes

Linha do Oeste vai ser finalmente modernizada

A capacitação da Linha do Oeste, até Caldas da Rainha, possibilitará a redução do tempo de viagem entre Caldas da Rainha – Lisboa e Torres Vedras – Lisboa em cerca de 30 minutos.

Stormzy fora do NOS Alive 2022. Horários já estão disponíveis

Está naquela altura de fazer escolhas.

Governo vai avançar com aeroportos no Montijo e em Alcochete. O de Lisboa é para fechar

O do Montijo, que será complementar, deverá estar pronto em 2026. Já o de Alcochete, que substituirá o de Lisboa, estima-se que entre em funcionamento em 2035.