Universidade de Aveiro prepara moda futurística com roupas eletrónicas

Uma equipa de investigadores da Universidade de Aveiro (UA) ajudou a desenvolver uma técnica pioneira que permite entrelaçar fibras totalmente eletrónicas com fibras têxteis. Esta descoberta pode revolucionar a criação de dispositivos eletrónicos vestíveis para serem aplicados em várias tarefas do quotidiano, desde o acesso ao e-mail pessoal até diagnósticos médicos.

- Publicidade -

Atualmente, o fabrico destes materiais é feito através da colagem de dispositivos rígidos nas roupas, tornando-as algo desconfortáveis e criando uma maior facilidade de se estragarem. Esta técnica está a ser desenvolvida numa parceria entre o CICECO – Instituto de Materiais de Aveiro (uma das unidades de investigação da UA), o centro de investigação em têxteis CENTEXBEL (Bélgica) e a Universidade de Exeter (Inglaterra).

A técnica integra os dispositivos no próprio tecido através de fibras completamente eletrónicas, feitas com materiais flexíveis e resistentes, entrelaçadas com fibras têxteis, que vão permitir que imagens e sinais luminosos sejam mostrados no próprio tecido.

“É uma técnica que permite integrar dispositivos baseados em grafeno diretamente em fibras têxteis, mantendo o aspeto, flexibilidade e toque do tecido. Para já, criámos sensores de toque, tal como os usados nos écrans sensíveis ao toque, e dispositivos que emitem luz”, explica Helena Alves, investigadora do CICECO.

Segundo os investigadores, esta descoberta poderá revolucionar o mercado de dispositivos eletrónicos vestíveis, que vão permitir, por exemplo, monitorizar o estado clínico do utilizador através de sensores que permitem medir os batimentos cardíacos ou a pressão arterial e avisar quando os valores estão fora dos parâmetros normais.

A coordenadora do estudo afirma ainda que “a combinação destes dispositivos permite, por exemplo, criar ‘touch-screens’ em tecidos ou objetos revestidos com têxteis, para visualizar informações”.  Como ambos os dispositivos foram fabricados usando métodos compatíveis com métodos e requisitos industriais, isso torna possível a respetiva produção
industrial.

Texto: André Azevedo

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Sigam-nos

12,987FansCurti
4,064SeguidoresSeguir
785SeguidoresSeguir

Parceiros

Relacionados

Famosa coleção de roupa e calçado do Lidl à venda em Portugal

Várias peças chegaram a estar à venda no eBay por 2.000€. Lançada em julho, deste ano, em países como a...

Loja da Salsa no Porto testa tecnologia que esteriliza roupa em 30 segundos

A tecnologia foi desenvolvida pela famalicense MTEX NS em parceria com a Universidade Católica e o CITEVE.

MyCloma. A plataforma portuguesa para recolha, compra e venda de roupa em segunda mão

Além de incentivar a compra destes produtos, os responsáveis da MyCloma querem ajudar a reduzir a pegada ecológica do setor têxtil em Portugal.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Startup portuguesa cria solução para dar gorjetas sem ser preciso uma app dedicada

Escusado será dizer que também não é preciso tocar em dinheiro.

Há 11 novos tokens de criptomoedas disponíveis na Revolut

Agora, a oferta é de 21 tokens para todos os utilizadores.

Mercadona passa a vender as suas pizzas em embalagens com plástico reciclado e reciclável

A cadeia espanhola está a levar a cabo a sua Estratégia 6.25 para a redução de plástico e a gestão dos resíduos e investirá neste plano mais de 140 milhões de euros até 2025.