Mayra Andrade no Coliseu do Porto – Um regresso pleno de brilho

Foram quase duas horas de um espetáculo emotivo, intenso e de grande partilha.

- Publicidade -

Foi no passado dia 11 de setembro, sexta-feira, que Mayra Andrade voltou a pisar uma das salas mais nobres do país, o Coliseu do Porto. Inicialmente agendado para abril, o concerto da digressão mundial Manga finalmente realizou-se depois de ter sido adiado devido ao Estado de Emergência.

O público foi entrando no recinto a conta-gotas, respeitando todas as normas e esforços do staff para garantir o distanciamento e consequente segurança dos presentes. E foi já com uma hora de atraso que a artista cabo-verdiana entrou em palco num Coliseu do Porto lotado (dentro do possível) debaixo de uma enorme ovação.

“Afeto” deu início a um espetáculo que seria carregado de emoções, depois de uma longa paragem forçada da cantora. São tempos desafiantes para a cultura, pelo que foi caloroso poder assistir ao regresso de Mayra Andrade, nome incontornável da música a nível internacional que assinala em 2020 uns já incríveis 20 anos de carreira.

Desafiante foi também para o público que teve de se manter durante todo o espetáculo sentado e com algum afastamento dos seus entes queridos (e, claro está, com a máscara social). Não é, de todo, tarefa fácil manter a contenção perante a intensidade de temas como a “Vapor di Imigrason”, “Segredu”, “Manga” ou “Pull Up”.

Mas os presentes iam interagindo da forma possível: um pezinho a bater no soalho do Coliseu, a anca gingando numa curta deambulação pela cadeira, e os braços, esses sim, soltos. Tão soltos como Mayra em palco. A presença é gigante. A atuação é brilhante, tão brilhante quanto o seu vestido.

O público portuense mostrou o seu agrado ao mais recente álbum Manga, lançado em 2019, onde somos contemplados com uma mescla de sonoridades que vão desde o afrobeat, passando pela música urbana e ritmos tradicionais cabo-verdianos. Um álbum cantado em português e crioulo cabo-verdiano que foi gravado entre Paris e Abidjan, na Costa do Marfim.

Mais emoções estavam reservadas para os dois encores com que a artista decidiu brindar os presentes. Orlando Pantera e Kaka Barbosa (músicos cabo-verdianos e influências na música de Mayra Andrade) foram homenageados com as canções “Reserva Para Dois” e “Ilha de Santiago”.

E numa altura em que algum público já se tinha dirigido para a saída, eis que Mayra surpreende e volta a entrar em palco para terminar com o belíssimo e arrepiante tema “Guardar Mais”, com composição de Sara Tavares, que aborda com imenso carinho o papel da “vóvó Eugénia” na vida da artista.

Foram quase duas horas de um espetáculo emotivo, intenso e de grande partilha. Não está a ser um ano favorável para nenhum setor devido à pandemia, mas principalmente para a cultura, e eventos como estes são urgentes para manter a chama acesa de um ramo constantemente negligenciado e pouco apoiado.

- Publicidade -

Deixa uma resposta

Introduz o teu comentário!
Introduz o teu nome

Parceiros

Relacionados

Lefty às direitas na apresentação de Andrómeda no Maus Hábitos

Uma banda para continuar a acompanhar e a valorizar.

Há mais bilhetes à venda para o concerto de Tash Sultana em Portugal

O que significa que não haverá restrições na lotação.
- Publicidade -
- Publicidade -

Mais Recentes

Sines recebe investimento de 80 milhões para produção de salmão e bacalhau

A construção do projeto deve arrancar no último trimestre de 2022.

Governo diz que voos da SATA para os Açores não estão em risco de ser suprimidos

Desmentindo, assim, uma notícia avançada pelo Expresso.

Grupo B&B Hotels abre hotel em Guimarães ainda este ano

Um hotel de três estrelas com capacidade para 95 quartos. Hoje, dia 28 de janeiro, a parceria Casais - Sunny...